**********

 POESIA

 

 

                                                                                                 Os poemas a seguir expostos serão, paulatinamente, acrescidos e/ou substituídos por outros. E  AS QUATRO PRIMEIRAS ESTROFES DESTE PRIMEIRO POEMA deverão ser lidos exclusivamente na fonte  NORMAL + WEBDINGS /  WEBDINGS  , para seu único alcance. Qualquer outra FONTE elimina seu sentido.

.

 

vER BÊTES
uM
 LÊMURE PREÊNSIL
- SÓ O ASPECTO VOADOR -
COM LÊMURES EM VOLTA
- SÓ, A SÓS, APREENSÍVE
L ! -

Não ouça: reconstrua o Líbano.
 

(TARDE ROXA LEMURÍDEA)
qUEM SOIS NÓS? : TRÊMULA
S LEMÚRIAS,  
pÁS A PÁS >>> À PAZ. e, LÊ
MUS,
SÓ LEMOS EM DICIONÁRIOS
DESCOBERTOS DE LENÇALHO
S!

Observ.: maximize o quadro,  para ver o topo e o pé das montanhas do Líbano (escombros e esperanças da reconstrução).

 Versão anterior:

 uM LÊMURE PREÊNSIL
- SÓ O ASPECTO VOADOR -
COM LÊMURES EM VOLTA
-SÓ, A SÓS, APREENSÍVEL

Não ouça: reconstrua o Líbano.

uM LÊMURE PREÊNSIL
- SÓ O ASPECTO VOADOR -
COM LÊMURES EM VOLTA
-SÓ, A SÓS, APREENSÍVEL

 Selecione para ver a noite

 

 “Ver  bêtes”

 

********

(Baseada em versão de 22-4-06, após papo telefônico com Cid Marcus Braga Vasques)

  

(Dedicado a Cid Marcus)

 

 

 

(In memoriam de Haroldo de Campos. Mas, Gonçalves Dias in memoriam de Bocaccio, Joyce in memoriam da versão Rei Jaime, Rubem Fonseca in memoriam de Cecco Angioliere e Machado de Assis in memoriam do padre Manuel Bernardes)

 

L´aye-aye = aiai, lémurien de Madagáscar.

 

 

 

 (In memoriam de Haroldo de Campos. Mas, Gonçalves Dias in memoriam de Bocaccio, Joyce in memoriam da versão Rei Jaime, Rubem Fonseca in memoriam de Cecco Angioliere e Machado de Assis in memoriam do padre Manuel Bernardes)

       

(In memoriam de Haroldo de Campos /  Maiakóvski. Mas, Gonçalves Dias in memoriam de Bocaccio, Joyce in memoriam da versão Rei Jaime, Rubem Fonseca in memoriam de Cecco Angioliere e Machado de Assis in memoriam do padre Manuel Bernardes)

 

 

Ver bêtes

 
Um lêmure preênsil
-só o aspecto voador-
com lêmures em volta
- só, a sós, apreensíve

l!-

( tarde roxa lemurídea )
Quem sois nós:trêmulas l

emúrias

Pás a pás, à paz. E,

lêmus,

só lemos em dicionários

descobertos de

lençalhos

 (“In memoriam” de Augusto de Campos. Mas, Florivaldo Menezes também in memoriam de Haroldo de Campos, Gonçalves Dias in memoriam de Bocaccio, Joyce in memoriam da versão Rei Jaime, Rubem Fonseca in memoriam de Cecco Angioliere e Machado de Assis in memoriam do padre Manuel Bernardes) (Mas, Eu, pensando a simplicidade anterior...) :

  

 

( “In memoriam” de Augusto de Campos. Mas, Florivaldo Menezes também in memoriam de Haroldo de Campos, Gonçalves Dias in memoriam de Bocaccio, Joyce in memoriam da versão Rei Jaime, Rubem Fonseca in memoriam de Cecco Angioliere e Machado de Assis in memoriam do padre Manuel Bernardes)

  

Ver bêtes

 

Um lêmure preênsil
- só o aspecto voador -
com lêmures em volta
-só, a sós, apreensível!
            
           -
(tarde roxa lemurídea)
Quem sois nós?:trêmulas
               lemúrias
Pás a pás, à paz.E,
                lêmus,
só lemos em dicionários
descobertos de lençalhos

(“In memoriam” de Décio Pignatari. Mas, Florivaldo Menezes também in memoriam de Haroldo de Campos, também “in memoriam” de Augusto de Campos, Gonçalves Dias in memoriam de Bocaccio, Joyce in memoriam da versão Rei Jaime, Rubem Fonseca in memoriam de Cecco Angioliere e Machado de Assis in memoriam do padre Manuel Bernardes. Mas, Eu, pensando a simplicidade anterior...) :

 

 Ver bêtes

 

                 O lêmure preênsil

 - só o aspecto voador


 com lêmures em volta

 - só, a sós, apreensív

el �

 tarde roxa lemurídia

.

 Lêmus, lemos dicionário

s
 descobertos de lençalh

os.

(“In memoriam” de Décio Pignatari. Mas, Florivaldo Menezes também in memoriam de Haroldo de Campos, também “in memoriam” de Augusto de Campos, Gonçalves Dias in memoriam de Bocaccio, Joyce in memoriam da versão Rei Jaime, Rubem Fonseca in memoriam de Cecco Angioliere e Machado de Assis in memoriam do padre Manuel Bernardes)

 

*************

 

Anagrama Pelé:

 [ ...e mostre ao Murilo e ao Rafinha, já que você destrinchou para eles o sem dúvida grande poema verbal PÓS-TUDO, do grande Augusto, um  meu, também simbólico de abertura de perspectivas ( embora restrito ao Esporte), quando Pelé se projetou ( se abriu mesmo!) ao marcar aquele imortal gol do chapéu, na Suécia:

 

 

Ser e pele

Serelepe

E ser Pelé

 

(Percebeu também, rsrsrsrs, o anagrama perfeito?) ]

 

 

 

            Osama Bin Laden ama e nos blinda

            OSAMA BIN LADEN

 AMA E NOS BLINDA

                (Anagrama, 20-01-2006)




           
Salvaguardia de Patria.

             ( 3 exércitos corais, divididos por largas alas, cantando alternadamente 2 vezes, e, simultaneamente, na 3a e também na 4a. de 4 versos )

 

                                               Ausbenidades ausdédis !

                                                Brônquis istáfis stêntis ti Majirus !

                                                 Ausbenidades ausdédis dos brônquios de Jacarezinho !

                                               

                                               Kiko Anar

                                               (ao coroar)

                                               beijou Hanahr Quico

                                               de um jeito anárquico

 

 

 

   Libreto para ópera de Paulo Coelho  
            

- +PnqhMfEom8AVv9QMP+yoK8SmvZ/FyWoJ/3AAID67a8qP1Q7kGoez7ioH
7ekoDS2rKEQz/lD/4xjE0A9ByrOaC9Qk63+JGenMjfw4LyCImFmsItqn/0EDN/0dnu2/SKKqHRAB
AMBl+RBvsBk/JG7hFTRWPAFLctFAx/zRST//4xjEzg7BcreaE9pE8wz+5/6nlsdEwFCCuXLUv//G
n91DNoC/R9RF8OgjlAE1LfemMrmlTPkn/VIgmNduchgs0RB4b/9QmF3/4xjEzg8BcrNyK05M/ua3
0FZ38glTRGGxESo/rF/9aud//q5Qr9AM84PkTz7cqOFnCuMJu5ABV+lAFxruPzjA2/0hqn9UL5H/
4xjEzQ7Byrd0acpovlRd/UhZlNEsjPdZbp/+XHrvtlHq3f0/uygkwA5xgcI1Gwsdx7XK0kwNTtPA
/qdOO/6Dcup311vGaZn/4xjEzQ6BzrecAo4MVwLuErQyHT6/9K71R0qNiQUq/X/yacRn+J2f/UqA
ARbEocJI76lQw2KyOCfsvfZR07kIpIf8zKCX+kz/4xjEzg2BcreYCs4ouq0xAvJIqdf9dPsERfsU
GP4oBP8Sv5HrO/4selS/QAgPDg0Cgx1LYFNqO/6CQW0NoW/7Cz//7+rZ8Ib/4xjE0w9Byq9wCxQk
NRgVB3nGxx7x9/0tJogc/xV3/4n6wIMd+BFcv6iAAsCtE4UCXJi0FG7Ti+ZtUS6Xof5se70v/Wn9
Lq//4xjE0Q9BcrtwKd6M3jJOJE0B2geRK6CT1HVf//9Vt7950US+PZ6OLQTHk51Ovzg3vj7rHZ5m
PP61zxZ3z//Wp/9VtWThMif/4xjEzw8BfrdyPJDkIrAwQRTprTd1KUdfQ///fZHb6ujy3hyp7+mE
JA6ocx5/oLVZr4v8XmHonyNu1X/83/Qzp5C8wPRsxqH/4xjEzg5Bcr9MCd44Ie4wC4AkAJkRIr2/
/+vX1RXmK9JTuIYd+tEAIDA/rC1CtdVogjxRnCMuaoZmtRHittNTP+hN/1/6iOP/4xjE0A7Casuc
aAVgekLsebUkzFEV4A2hky6CQV/zP//6m6wmvCXBUt/pajUP2dAznDzY1Tqn9QhXvYs/8yf/f0Ul
oj6yKIL/4xjE0A5CfrtKaAVgVDhTpWWmgFrAXzV10//+yZx/07/8mP0irOzjvwBsCP5ioADcp50

 -    Não !

 -3goR9v/4xjEzg8BosMiWdJ4wmf+a22UK/mO3J6toomF5b7XABDR3+R/9Ho/+ouFf4HEt5wXbsMo
8LIdBjligxnr4yeVj4wY2sJAibP/4xjEzQ5BmsMmaxog9RT/EX+JC38msS2bRXL+kwUMFP9eOf3S
6PR/FfjvgABgL0akwqyGJbJw2iSrMwgT1jMnFlnQaol22dT/4xjEzw7Bmr8kaJrMQenqv+B/0/UW
+h9Cc4Mj/sDAAMZv630//ij/1J6wJ4AAAXABbXXFFOoY1MjIudD6/UHHzIaol+5vtwb/4xjEzw9B
mr8kU84kb+gT+N/I+pO3IKP/9j5Fp935E9WE/rDXUX9nOdgPf8AAcCdJ1Bc2ojHYrIN4qlPYY4WS
dkC4QNqp3tX/4xjEzQ6Bor9KC0oMbqOb9BF/o/9jaP/UpCfxoCBwW/xM3/kvFT/8pz4ngABgKy6o
KdY2aparcC0c9QFIaV6DYjFuoKl109T/4xjEzg8Bor90C0QUJ3/kjK9Cf83c4ktjfcg30YdJlBr/
wszb3Wk/Sz/1JJfAAwvvnBGU8e6aKN3NRbNcxFFqlOkON4CnQnz/4xjEzQ7BosOeaIyUqJm/qX//
q+aOjL3bqcVPX88BorR/JOr/JepPs1fMf4AIALwD5uXg0zyzJw4TdIoDX8oELxaozntqjnr/4xjE
zQ6Bor90C0oMvQv4St/MO/T8qrUNvRsxiV/3oKjn81/fnOm/65rqwAAGAB9K6Bh/JnQtGNXIuLvz
A3+0B3LN4zMb/Gz/4xjEzg9Bmrt0Cs4M36GG1fX+aj5VvocMwGBMJnX0RjSX/Jt/7P/7tA9PBgPp
LOBy7yjCjG0ZrCoOvUJ1yISuF+zmjfu3U3//4xjEzA6Bmr9yaI6ExWXryrfp7X+tAKIvpIK+gTRx
nv/X/Q/nP/qLjAsD56FQJk2LinxVM6wRpB6/HwT4KEMTPnxUOcdfoR//4xjEzQ6BmsOECs4M8JEr
7fnH6INd/QbB7/oODxgk/rfX/NdR5GgN/qYTgAFgPdKgF9Tx9TDCPMvnlB8HXlZe5wW5/qg+mr//

 - Nãão !!

 -UxaC67tKNM3/9myH//9C//7Cra06i+lhnwMD0DeQTkFyBXwfMkq7O3Q/CBv5aI3BjchOmAnV+nz/
4xjE0A7BksMkKsoQZ+sUyBnys2hf9U5T9P//ohHb/4IhyLf//i8h6i2wvGRaYlsPp4zaP5pWFCQ7
7ogCOezrHcvsoRB1+2j/4xjE0A/CHr8kOs4glupAMLzA63ZkUTJ/sK87LoV///Ei//WZQU1IGsgn
BgPQeqJ0nqP4HyZbGYB5+KjVaHgfaFXdjxACwvb/4xjEzA3CIsMkO0okkRNfo2jGP6DBFvWtII2Y
yKMkP+v6wRdV939PEf/pH6TDyTy2cPm2E3BjWpQ5iw/qEcK2yzZa0UgydTL/4xjE0A5CHr8kKsQM
iQSpe2p0/xktM0+2ioff5j+G9P//rv/7BhZer/b/qwXAB5w/USqj7tRLTDD6qsa1Py8Qep3x/ET1
PHf/4xjE0g/CIrsiakpkHlfbs/3J5TnXb+f3+tXfuV0/8x1GwRBx+93VV+X/IEAHnD+Nxw+VtWQ1
soMLZdKT6ytHnDd8Zxt90KP/4xjEzg4BFsMkElQEI/toGG+JmBoWZvqd/8j+7dP//s7r/+HBupv/
7/EfEeVH6x4E5yKb43k3D6zRqGV5WH7shRuDKp0QThP/4xjE0Q/CIrsiS0RYEM9uPN6KJuoTDz/l
H6fUuQ4q8l/ioZf7CJ/Pf/kfBwPKF6COJnHRmOAmzwqTxQNm4hG3KGthmTfUhGv/4xjEzQ6CIsMm
aAVAb+riW8ockSxm8pWb+ndHfr//0ma//wSCj1MZp/tR6wFAB4xyQMEKH+MD1VqY/7bkx7XAc6En
bhfvBs//4xjEzg7CIr8maIrE/qAfRFGhz/07/R9ZG5P//sZm/+gJ3TYaq/7DXr9DA8TPNDIqhQZg
oMvjgNubHm9ajRBBrqW5pnV4E3X/4xjEzg7BhrsiaoqIb/Km+hwZzX/Rzf9PlWoyp//6f/zBwmap
R/+IPwsD/MLhw/mFCx2RLT5EI+VO3CDCtg14I/XK6/6gb+r/4xjEzg8CJr8kOoSICISUY/7H/yH6
n52//+ZWb/1hg9U9mn1Y1H/yI9Y7CceEMUIzOi8Rw65UatqCtDj51+LiXVkKl1fr3Fv/4xjEzQ5C

- Nãããoo !!
 
- /qdOO/6Dcup311vGaZn/4xjEzQ6BzrecAo4MVwLuErQyHT6/9K71R0qNiQUq/X/yacRn+J2f/UqA
ARbEocJI76lQw2KyOCfsvfZR07kIpIf8zKCX+kz/4xjEzg2BcreYCs4ouq0xAvJIqdf9dPsERfsU
GP4oBP8Sv5HrO/4selS/QAgPDg0Cgx1LYFNqO/6CQW0NoW/7...Ara !, vá tudo pra puta que os
pariu                                                                                                                                                            !!!

 

                                                                          

 ********

                                                              

Heaveling Creatures / Heavenly Creatures                                                          

 

 Versão temporariamente ( 25-10-05) definitiva:
 

Poema nominalista (Filos.)

 ( Dos papos com d. Olívia Gaspar Cavalcanti )

 

 

 ( Para Evelyn Critchard )

              


              

Por neres de piti nereidas:

Nem a pajem, Imálida, que foi

De Babá & Babaoutro

Não de Euprépio e Aigulfo                                     

Basílides e Serzídeo

De Bianor & Balthazar.

( Sim, só Babá e Babaoutro!

Não pajem de outra velagem:

De Pacífico & Tranqüilino

De Bianor, com mais amor. )

E de goose-tav-owe curtain. 

Quem?

Goose-tav-owe Curtain!!!

Não ganso afogado enxuto

Na cortina . Apenas Gustavo Kurten.

Além de não não estarem mortos

Ou por só assim estarem

Procuram por Matas do Taquaranta

Com Marildes e Marinalva

Por Faxinal do Céu

Com Leonor e Leonora

Alana Gandra e Poliânica Salubranco

Com Vera Verão Lafond

Com Zé Quindingues e Nante

( por saber: Elucinante )

Anacoluto e Afonsinho,

Euryderbal, Ladypopéia,

Por teleférico e articulado,

Berdamerda. Berda-merda

Por fim! Afim! Afinal

Por que onde, onde, andará

Martagão Gesteira, meu Deus

( Na última vez que foi visto

Rememorava prolfaças

Do saudável Prafulchandas ) ?

                                                                             

********   

 

Arnegão de Panariz, atualmente com seus noventa e tantos anos, e a quem citei no trecho de meu ensaio sobre Glenn Gould que saiu na revista “Escrita” n. 35, Ano XI, 1986, lembrou-me que este poema, no fundo–no fundo, usa de uma espécie de chantagem ateista, principalmente pela responsabilidade que tive de relacionar, faticamente, nomes, lugares e pessoas todas existentes ( nenhuma sendo ali inventada e a  maioria viva! ) sem que nada prendesse uma a outra, como, por exemplo, no poema sobre o caso do vestido, em Drummond.  Na abstração, diz ele, no conceito dado ao ente, as coisas e pessoas não se dão bem sem ligação, precisam estar relacionados. No nominalismo , a existência do ser ou coisa é livre, só depende do cogito,  as portas se  abrem, tudo é mais solto, mais feliz, as criaturas ficam celestiais, mesmo, não dependem de Deus e do Destino...”

Confirmou isso ao perceber também que  Evelyn Critchard, a quem dedico o poema e que na vida real, dos fatos “universais”, é minha velha amiga d. Olívia Gaspar Cavalcanti,  é uma derivação sonora  (fonética)  do título do poema. Evelyn Critchard teve, na minha cabeça, uma virtude nominal soberba, passou a existir, como todo o poema, com uma função independente dos "universais". Tem razão Arnegão de Panariz, são criaturas celestiais, mesmo, não dependem de Deus e do Destino...

                                                                             

 

(De um papel avulso:         “ANUENTES-AVALISTAS 

                                               Prafullchandra Prabhudas Patel 

                                               Vinaben Prafullchandra P. Patel” 

                                               [NOTA:  A PRIMEIRA ASSINATURA PARECE    “JoJoPolês” .      A SEGUNDA PARECE

                                                                                                                             “Neena ( Veena ? ) P. Patel”]

 

*

            Nota: bem posteriormente, pouco antes desta nota de 07-12-05, meu inconsciente lembrou-me de rever um poema de idade maduríssima de Drummond ( do “Discurso da Primavera”), denominado “Retrolâmpago de Amor Visual”, só com nomes de “artistas” (do screen principalmente) e de outras áreas.

*

(- MAIS UM PRA UMA FUTURA REVISÃO DO “HEAVENLY  CREATURES” ( POIS NÃO VÃO NASCENDO GENTES E LUGARES?):

Dominique Marie François René Galouzeau de Villepin *)

* ( É o novo premiê da França, 01-6-05)   
 

[ V. meu poema, no site:

Heaveling Creatures / Heavenly Creatures

 

“ ( ...) E de goose-tav-owe curtain. 

Quem?

Goose-tav-owe Curtain!!!

Não ganso afogado enxuto

Na cortina . Apenas Gustavo Kurten.”    [ segue]    ]

Afogar o ganso

Se relacionar sexualmente. O ganso seria relacionado ao pênis.
No passado, os chineses costumavam manter relações sexuais com gansos. Pouco antes de ejacularem, os homens afundavam a cabeça da ave na água, para poderem sentir os espasmos anais da vítima.

Ex1: Meu amigo só pensa em "afogar o ganso".

 

 

                                 

********

NOSSA FELICIDADE

 

                        Tomou seis cervejas sem álcool

                        Deu duas trepadas em mulher inflável

                        Brincou de roleta russa

                        Teve ataque cataléptico

                        Acordou desrodeado

                        Saiu louco pra comer batata frita

                        e algodão doce. Branco.

                        Sem nenhum pingo de groselha !

 

(25 de novembro de 1996.Homenagem,
 na forma de Nílton de Castro,a Percy Garnier)

 
 

NOSSA ESPERANÇA

 

                        Fiz um churrasco no Natal

                        Deixei queimar o carvão

                        O gelo ficou duro

                        Minha perna de pau coçava muito

                        Mas os vizinhos acharam muito bonito

                        - me disseram-- aquele silêncio que não ouvi.

 

 ********

            Cave não morrer depois de morto

            pois o osso é o roteiro da carne.

            "Como o corpo é a embalagem da alma

            [mas] a vida é o corpo do corpo".

 

                                   Em parceria com Erasmo de Roterdã.

 

                                     

Cave não morrer depois de morto 

            pois o osso é o roteiro da carne. 

            ["Como] o corpo é a embalagem da alma 

            [mas] a vida é o corpo do corpo".

 

                                   Em parceria com Erasmo de Roterdã.

 

(Remontar, com esse dístico final de Erasmo, à versão original, mais longa.)

( v. “O corpo, casa de ossos” no BEOWULF)
 

                                                                    Pois aqui está só o começo... Lembrem-se da chamada-epígrafe da gaveta: as coisas vão-se acrescentando (e às vezes, subtraindo-se).

                                                                   [Esta estância se junta a outras, "Malmifiz & Arrivalsa", p. ex., ou "Quadras por instância de Villari-Herrmann", para formar "A extinção da criatura", junto com aquele menino que pergunta "- Tio! é possível não ter tido tio? - Sim. Mas pior que isso é não ter tido pai, pois, nesse caso, o que não existiu nem irmão teve!" (ensaio sobre Glenn Gould), cf. gaveta ENSAIOS (A resposta ao garoto na rua exige uma oralização grave, diria : grossa; é uma parte já gravada, diálogo com o pianista Caio Pagano, déc. 70, final, que tem de ser sonorizado através de um link / áudio.     

 

                                                                

 ********   

O vovô tinha mau baço 

            o papai tinha mau fígado 

            Minha filha não está no cio

           e nem se chama Tereza

 

 ********

 

  @ - Numa parede da General Jardim, em 05-11-03:

“Quantos Mal me Quer

existe em uma única flor?”


(Observação.  bem posterior: a “correção Mal me queres (=quantos) traria uma personalização to tu (“...me Queres), tiraria a circun stância da generalidade e destruiria o jogo do incógnito ser que ou me quer bem, ou me quer mal...) SABEDORIA POPULAR, OU MERO ESMO?)

 


@ - s/ Rembrandt - O vermelho é um porta-luz na escuridão.

 

Nihil à maneira de Nerval.

 

As coisas estão no mesmo lugar.

Os homens não.

Que diria destes, feitos de outra coisa

Que não tivesse lugar?

 

 

                        @ - v. Agenda - 4/4/1986

                       

                        @ - Sanglots longs - V. Fita micro 5.

                       

                        @ - Agenda 1985, 5/1.

 

                        @ - Poema-frase:          - AGENDA 1985, 13/2.

-          Nenhuma melancolia é maior que uma melancia.

-          Demo-nos a mão / demônios à mão. ( pra onda do “antes que o bem cresça, corte a cabeça pela raiz”, cf)

Para o rol das coisas que mais detesto:
Chuva, chocolate branco
E anticomunista doméstico.

 

                        @ - Para os sonetos em allemongs( aus, enter ines, omber, ufter)- AGENDA 1985, 18/2.

                                   Tb. “Comeu, gostou, comeu de novo.

                                         Comeu, não gostou, chutou.”

 

                                   - Chá de minhápica.

 

 

                        @ - Para o poema do beija-flor (v. um dos “Ulisses”)  : Taça de Coral, de Alberto de Oliveira, “Kosmos” (Ivan) n. 3, 1904.

 

                        @ - Para o poema d’ “O fauno e a flora”, onde coloquei aquele jogo s/ o caso de um fauno (ocaso de um fauno= O CASO DE UM FAUNO)? PROCURAR COM URGÊNCIA (30-4-98). Tb. Chouchoter, fr., xuxotar, xoxotar, murmurar (mûr muré...)

                        @ - Para o poema d’ “O fauno e a flora”:             Reinamorachica (cf. Dalgas Frish)

                                                                                              Malmifiz e arrivalsa.

                                                                                              Autarcoglosios

 

                        @ - Que uma safira gráfica fira a Glafira

                               de um furo eflúvio de fulgor na mira   (melhorar...)

 

                        @ - Poesia Sonora -      A xoxota xoxa da xave xó xabe fazer xixi

 

                        @ -       Morrer e não ser lembrado pelo amado (ser)

                                   Lembrar-se da amada que morreu

                                   Quando os dois estiverem mortos e nenhum se lembrar do outro.

                                   (Isto tem de ser visual através de uma landscape noturna, soturna, do Romantismo.

 

                        @ - Poema sem nenhuma vogal - v. crwth (!), no Booklet dos Instrumentos da Antiguidade, em LP.

 

                        @ - - Dr. Estevam         "DISPNÉIA SUSPIROSA" (!)

 

                        @ - O novo na ovelha (Dolly/Polly)

 

                        @ - O que comento em cima do poema “em sânscrito” do Décio, V. RECORTE DA FOLHA NAS SACOLAS: Poema “Mayá”: [ devido à escrita sânscrita, que edifica um aprisionamento do ser, aquele eco das próprias paredes, torna a manifestação “um grito mudo”:
- Cri sans (é) crit ! ( Sanscrit )  ”.

 

                        @ - Para “explicar” o poema dos “desfeitos um para o outro”, V. ESCRITA:

-          No amor, a inciência torpe vira motivo nobre.

-          Versão inglesa do verso “desfeitos um para o outro” = “Fade for each other”

( “feitos um para o outro” = “made for each other”... : v. filme "Harry & Sally", "feitos um para o outro.

 

@ - Poema sobre o Parreira: associar com o "elle por ella, ella por elle", da tradução do Afrânio Peixoto do TRISTÃO E ISEU, cf.

 

                                  

                        @ - v., NO POEMA DÉC. 50 SOBRE CRISTO NA PORTA DE UMA IGREJA RUSSA, OS POEMAS DE BIELI, CRISTO RESSUSCITOU, E BLOK, OS DOZE.

 

                        @ -Poema sobre o Parreira        associar com o "elle por ella, ella por elle", da tradução do Afrânio Peixoto do TRISTÃO E ISEU, cf. Poema do "desfeitos um para o outro": v. filme "Harry & Sally", "feitos um para o outro", “Made for each other”, é esse o título em inglês ( original do filme) ?

 

                        @ Não sabe a diferença

                        -- que diferença! --

                        entre crochê e tricô

                        ou bilboquê e diabolô!

 

 

                        @ E só lhe resta após esse abandono

                        cair na cama em coma como pode

                        do que deitar na fossa mais não possa.

 

                        - A indecente deiscência da válgida valva (vulva)

 

                        @ - Fotografar aquele sorvete da Barão, que sai encaracolado, como

 

um troço, parece uma cúpula bisantina: “O solviete de Crêmelin”.

 

                        @ -      "Alma e corpo juntos vivem.

                                   E o porco vive na lama.

                                   ‘Porco’ é anagrama de ‘corpo’

                                   e ‘lama’ é de ‘alma’ anagrama."

 

                                   (BASTOS TIGRE. In "Meus irmãos, os trovadores", de Luiz Otávio, Editora Vecchi, 1956, trova n. 1323m p. 145. Anotei: "V. a maravilha da coincidência, em Philadelpho Menezes:

 

                                   "Porco : lama

                                   corpo   :   x   "  ( in  "Demo-lições", 1988, Arte Pau Brasil ) .

 

                                   ANOTO TAMBÉM QUE UMA VARIANTE (DESPREZADA NA EDIÇÃO)  DO FINAL DO MEU   PaPiroPirâmides "Monopol" , jogava com as mesmas palavras e interrelações, em desenhinhos com os aspectos da escrita das cartas enigmáticas dos jornais, usando-se figurinhas cripto-hieróglifo-egipcíacas, compativeis com o fulcro do poema PaPiroPirâmides "Monopol" e a que chamei, na época, "logocriptogramas".TENHO ESSA VARIANTE FOTOGRAFADA EM "SLIDES". Estão na PASTA VERDE PARA O LIVRO. ( Agora, uma nota de 05-01-2000: Tenho filmado, VHS, na casa do Paulo Ramos Machado )(9,7,em27-12-01)

                                                           *

                        - Copiar aqui, com aqueles caraceres gráficos, o poema quando da união do Zé Olympio e a Maria Esther.

                                                           *

            (Para aquela letra (lyric) daquele “samba”, com o Paulo Araújo y Past):                  

                        Quem não está por

                        Dentro dos bêbados

                        Tá bêbado de dó

                        De dó ré mi {etc. etc.}

 

                             *

            Rimas:          Rimas nas poesias de hoje , principalmente na feita através das letras de música (na MPB) : são rimas de letrismo verbal. Por exemplo, “A raça humana”, de Gilberto Gil.

                                                           *

            Para “O Fauno e a Flora” :           - [flor] cardo-morto. ( ...”e cadi como um corpo morto cade”, Dante, Paolo e Francesca etc. etc.).

                                                                                  - [flor, cf. ] eperua .

 

                                                            *

 

@ - ITO DE SOUZA            Jacutinga, filho do Bastião Rodrigues:

                                   Diógenes: "Ito PIF de Souza PAF" ( de tanto que jogava pif- paf !):

                                   Seu poema, quando viemos de Jacutinga para ver o Pelé em 1960, em meu primeiro carro, o MG esporte importado, na estrada, olhando para o céu:

                                   "As nuvens vagam

                                   E os pássaros girovagam!"  ( A CRISTINA ADORA!)

 

                                                           *

                  O artista é um mal caráter.

                                   Malcarata tão carão

                                   que chega a dar caratê

                                   no cara que mais carinha.

                                                           *****

                                               Desenho animado

                                   Pele tão hirta e ar de filha de Maria

                                   Que, se sorrisse,

                                   Se desvirginaria ( 1957? 58?)

 

 

-          Poema,

Meu coração está grávido

Imêmora de amores divan-

dalos dalês dalôs dales

-         (cummings persona de ,,, (v. o nome do trovador espanhol) ( Drammatis Personae?)

 

 

                        Um adeus é só pra um

                        E os adeuses só pros deuses (Eu para o Orlando [Marcucci], primeiras horas de 20 de outubro de 1984, anotado na Agenda de 29 de Janeiro de 1985. Do ABCedário)

 

                        Não sabemos o que fazer desse amor fixo

                        Então joguemo-nos no lixo. ( ABCedário).

 

 

                        P/ os Sonetos Allemongs (fecho para um. V. aquele que está apensado no “Ulisses”, do Houaiss, 1ª edição):

                        A infelicidade é um prato de cenouras vazio (fundir com um de Cesário Verde...) ( ABCedário).

 

 

 

                        P/ os Sonetos Allemongs ( fechos para alguns):        

                        1 - Minha mãe é rica porque pode ( os dedos repuxando os cantos da boca ( ABCedário). Veja o comentário que está na entrevista da rev. “Escrita” que está sendo “puxada”, como explicações, divagações etc., na Introdução do LIVRO). 

                        2 – Vá tomar no pinto.

                        3 – De todas as facetas, as melhores são as bucetas.

                        4 – E na bunada não vai dinha?!

                        5 – Vocês precisam tomar chá de minhápica.

 

                       

********

 

P/ o finzinho d´O Fauno e a Flora, onde:

                                                                                              ‘... a sempre deicha

                                                                                              dependulados

                                                                                              cachos de amor

                                                                                              verde’      (... se algum corrupixel se bem intencionado...)

 

                               - (De um dos Cadernos/ décs.:       (Parte em que a Verônica Becabunda, conduzida pelo Bucentauro, canta :

                        “Eis quando um  peixe plagostromo

                        rompe o sinal do vôo e do irreal.”  ) [ “Verônica, a Menarca, adiádene – becabunda !,  a deiscência para asfódelo. No bucentauro.”

 

(Soube, bem posterior, em Victor Hugo sobre o asphodèle.)

 

********

                               

                        Bacalhau no Natal

                        eu não como

                        porque a rima faz mal

 

                        Tira o eletrodo desse meu pescoço

                        balagandãs da Dorothy Lamour

 

 

 

********

 

            “Uma escalada em Already in the Inner”, com aplique de sinestesia. Ou:  tentativa de igualar os orgasmos visuais nos visuais de anna holtz regendo beethoven regendo a nona.

 

            (- Lambuso lambrusca!...)

 

                Deixe cheirar esse suor angélico

                Deixe apalpar essa pele feliz

                Deixe beijar essas beiradas baixas

                Deixe lamber no beiço esse biquinho.

 

(madrugada de 03-3-07)

********
 

Muito menos que a

mulher homem gosta

de mulher quase parada no sexo.

estátua quente que se move

mas não se desmancha

( estátua quente que se move
mas não se desmancha: ou depois
se desmancha bem, bem, devagar)
 

Muito menos que a mulher.

Quase parada no sexo.

(estátua quente que se move

ou depois se desmancha bem,

bem, devagar, muito menos que a

mulher.)


Muito menos que a mulher

homem gosta de mulher

quase parada no sexo.

estátua quente que se move

mas não se desmancha

( estátua quente que se move
mas não se desmancha ou depois
se desmancha bem, bem, devagar)

 

Muito menos que a mulher.

Quase parada no sexo:
(estátua quente que se move

ou depois se desmancha bem,

bem, devagar, muito menos que a

mulher.)

 

Muito menos que

a mulher homem gosta

de mulher quase parada no sexo.

estátua quente que se move

mas não se desmancha

( estátua quente que se move

mas não se desmancha ou depois

se desmancha bem, bem, devagar)

Muito menos que a mulher.

Quase parada no sexo:
(estátua quente que se move

ou depois se desmancha

bem, bem, devagar, muito menos que a

mulher.) 

 

            Exemplo de um duplo díptico sobre o gozo. Não se precisa explicar o díptico,
por causa da dupla, quase sempre indispensável ("Rriso") no sexo...  E duplo, por
causa da hipótese de mostrar a  tentativa do sucesso...ou de uma brochada semântica.

            A LINGUAGEM está em todas (no meu caso, pelo menos!), mais do que
qualquer significado pessoal ou, argh!, social... ( Aqui, a leitura, oral, é um orgasmo,
um orgasmo verbal, ou tentativa de.
            Joyce, no finalzinho do ULISSES, realizou a façanha, genialmente.

 

                     ******

 

 

Nenhuma melancolia é maior que uma melancia

Evidente que meu poeminha é homenagem a Cabral, para quem um abstrato (melancolia) era menos importante que uma concreta melancia...e esta palavra está, visualmente, sem excesso, toda contida dentro daquela. Daí o hipo-ícone verbivisual. Quanto ao hipo-ícone verbivisual, é aquilo que Peirce chamava de   vizinhança com o representado no significado, mas por via de ilusão do continente, manipulado mais por quem olha do que pelo objeto olhado.Quando dou, talvez cabotinamente, meu poema homenagem a João Cabral, de uma só linha ( "Nenhuma melancolia é maior que uma melancia" ) , como exemplo desse tipo de ícone,  dou-o como exemplo de um hipo-ícone  vizinho dos trocadilhos visuais, ( meu “Relações Anteriores" / cara do Magalhães Pinto no joelho de minha mulher, livro sem título, “In Verso” no prefácio de Ronaldo Azeredo, Edições Invenção, 1972)  e que já são conhecidos, com esse expresso nome, desde a época de certas gags de Harold Lloyd, conforme se vê da coleção em vídeo-laser "Hollywood - a Celebration of the American Silent Films", Thames Video Collection / Image Entertainment, LaserDisc, seven disc set, side 8 / Harold Lloyd. Afora terem sido pespegados, na literatura, em certos poemas de configuração caligrâmica até da poesia barroca e preciosa.

                                


 

[aquela cara triste, o da boca vermelha malincônica soa como uma entrada daquelas lonas de circo, por fenômeno de sinestesia!!!]

 

********

 

[ 2 PinturasPoesia ]

Fonte tipográfica original, para ver todo o efeito: Forte NimbusRomDCY, 24
 

Uma sinestesia.

Pastelaquareóleo sobre tela:

 

 

 

 

     Mo3a mechendo em seu cabelo.

 

       chendo em seu cabelo. 

*

 

Manetrismo:
 

 

          Almo3andos na grama

 

  
    

*

                               “ (...) Flo, meu espírito infortunadamente, ou desafortunadamente antimatemático me impede de ver muita coisa neste Mundo.

                               Acho que, no fundo, só enxerguei as coisas através das intuições e das iluminações epifânicas, que andam próximas do mundo visual paralelo.

                               Acredite, minha poesia escrita, ou mesmo a prosa (que muita gente acha que é meu forte) é pura

des-remelação...

                               Veja as duas últimas: [as de cima]

 

*


TEXTO LOGO ACIMA:
Tirante a ira dos tiros
- os tiros passam rápido! -
os amores que se escrevem
não terão cantadores de famílias sem raízes
que cantem o que não seja bom!
(Exegese do poema. Esclarecer mais estraga a revelação.
Não se esqueçam que são duas famílias que estão num passado recente e ainda nebuloso.
 

                                       (Based on a true story)
 

********
 

Da série Sinestesias /Palhetas Sonoras

 

IMPERENIDADE DOS HOMENS NAS FUNÇÕES / O TRABALHO E OS DIAS

( À MODA DE JOÃO CABRAL / AO MOLDE DA CAVERNA DE PLATÃO)

 

Nada como voltar aos começos

quando tudo era nada

onde o encanto mais subia

que saber por onde descia

 

Não que não há bem que sempre dure

nem mal que nunca se acabe.

Não; que haja mão que os segura

e no mesmo prumo se afaste.

           

********

Quem ousou colocar uma carta de luz em baixo de minha porta

Eu que tenho as janelas lacradas por ordem do 4º. papa?

Recado que posso pisar antes de lê-lo

ou – o que é pior – distraída nem possa percebê-lo

(ou que possa até varrê-lo!...)

Um contra-fé da fé faz (e nefaz) desejo, quase donzelo anseio,

de espreitar pelas finas frinchas da janela o

vislumbre do mensageiro

de tão estrilhada e fugaz mensagem.

 

 

*
 

...iris voltas a ir adiar o sol     também se levanta

the  sun  also  rises!              ó  sol  ri  sus!

 

 

*

DIABO NO CLARO É COISA CLARA

 

 

NUM CAMPO DE CONCENTRAÇÃO SÓ RESTA CONCENTRAR-SE NUMA  DESCONCENTRAÇÃO. Num campo de concentração só resta concentrar-se numa desconcentração.NUM CAMPO DE CONCENTRAÇÃO SÓ RESTA CONCENTRAR-SE NUMA DESCONCENTRAÇÃO.

NUM CAMPO DE  CONCENTRAÇÃO SÓ RESTA CONCENTRA-SE NUMA DESCONCENTRAÇÃO. Num campo de concentração só resta concentrar-se numa desconcentração.

NUM CAMPO DE CINCENTRAÇÃO


 


*

*
 

                                        Com o Noturno opus 48, n.1, de Chopin





********














 

                                               Joyce cantando para McCormack, o grande tenor a quem invejava :

 

                                               A Vyvy ama (e vive)

                                               Ó vyvyamo o mai vivo

 

Ouça a conferência do Willy [Corrêa de Oliveira] autor da música sobre o poema: na première, o grande compositor destrincha a partitura, cf. Fita cassete n. 25-TDK-S (tirei duplicata), e também o IP-Avulsos ( gav. Avulsos, no Site).

                                               O espelhamento do visual sugere:

 

                                               A Vyvy ama e vivo

                                               Ó vivamos ou não mais vivo

 

que é um OARISTO em tempo de AORISTO, ( conjugação de um tempo pretérito, mas que já traz em si uma possibilidade – não condicional – do “réussite et échec”  na ação—conjugação grega. Acho que achei um exemplo na IstoÉ n. 270, de 24 de fevereiro de 1982, pág. 17, texto de Carlos Alberto Sardenberg: “(...) Em tudo, quem já ganhou alguma coisa foi Ferreira Neto: terá sido o primeiro a colocar no vídeo, cara a cara, os candidatos a governador em São Paulo.” Também: conjugado numa pessoa, passa conseqüentemente para outra pessoa ( assume os dois sujeitos da oração...)

                                   - O terceiro e quinto signos visuais da palavra-poema é um espelhamento vertical de um Y. Com a palavra virada, ficam no quarto e sexto Após algum tempo, casualmente verifiquei no clássico filme de Dreyer, A paixão de Joana D’Arc, uma  passagem em que se vê em uma parede da igreja e no interior do mosteiro aquele Y espelhado (outro Y vertical, em baixo dele), mesmo desenho do poema, cf. QUE SIGNIFICA AQUELE SÍMBOLO?!?! Perguntar a alguém bem versado naquela obra do Dreyer e em História das religiões. (06-8-99)

 

 

 

 





 

 

 

 

 

 

(Cenarização de Maria Christina Menezes)

(That there is mine! Chap!... trad.: Aquela mina é do chapa aqui)

 

 

 

 

DE RERUM NATURA

"Tíbia e Perônio,

casal duro de roer!

Sempre juntos

e separados pela carne." ( Hoje, 11-10-09).

 

     ************



************

 

 

Desenho. Mergulho da sereia.
 


 

 

 

Menezes: sereia vem de “seirá”, grego, corda, liame, armadilha.

Toda sereia, como raptora, faz parte de uma grande galeria de monstros sedutores.

Sereia: promessa ( seios tumefactos) e impossibilidade ( peixe da cintura para baixo), libido impotente.

Seu poema é arquetípico.

Para mim, v., em grande síntese, reproduziu o drama eterno dos homens que são um pouco o nosso Ulisses.

Tudo isso me parece indicado pelo “possuirdes”, usado erradamente certo, um futuro do subjuntivo  que denota um possível e desejado (como aconteceu com Ulisses), mas que emite sobre o fato real um julgamento.

V. é um liberto em arte, um puro!”

 

Cid Marcus. Disposição espacial e transcrição autorizada pelo autor do julgamento. ( janeiro de 2011)

 

 

   Confiteor

Entrar para um convento

e lá dentro se matar

seria um único momento

dos pecados deslavar.


to be continued


voltar à página principal