**********

 POESIAS  >= DÉCADA DE 50

  

                        @ -      Divides o mar.

                                   De um lado há mar.

                                   De um lado amar.

                                   O mar: com seus verdes sulcos salvos de encurtar

                                   o abismo ao preamar.

                                   Pre-amar: com que sáfios saltos custa

                                   a só idéia de não te amar.

                                   Há mar.

 

                                   Divides, embora, o mar.

                                   O mar, ora feito de um solar

                                   onde entre o mar sai o mar

                                   por seus alvos alvos de incrustar

                                   só o ar. Solar solar.

                                   Só mar.

 

                                   Divides o mar.

                                   De um lado há mar.

                                   De um lado há mar.

                                   O mar: ora feito de um só lar

                                   onde entra o mar, sai. Amar

                                   por verdes salvas de casta.

                                   (idéia de ultramar)

 

                                   Divides o mar.

 

                                               S.P., 8 de setembro de 1966.

 

 

                        @ -      O mel; da abelha sem o amargo vôo.

                                   Caule; no caule o encalhe desta espera.

                                   Pólem; no polo embalde d’haste: enjôo

                                   Pouso; na pausa do ar que desespera.

 

                                   A abelha; a vala à luz do vácuo entoo

                                   Vale; do vaso a vólea cor quimera

                                   Falta; na foz da falha com que dou

                                   Falo; na fala aquém de quem se esmera.

 

                                   Por se esperar no sol de pôr, a tarde

                                   perdida na escalão da vida inseta

                                   Vale, no vale, o olor da oferta; impura

 

                                   Sou, forma de poema falta incerta

                                   Do mel da noite de asas

 

                                                           [ Interrompi aqui. Do segundo verso do primeiro terceto até a interrupção, está à mão. Há uma anotação para pôr no “allemongs”, naquelas partes cifradas, na maioria obcenas, na codificação de minha infância do aus, enter, ines, omber, ufter, cf. Tb. tem um” b)  dístico final (14 sílabas, shakespeareno, em português: “CA-IN felicidade é um prato de cenouras vazio”. Há uma interrogação”déc. 50?”. DE PONTA-CABEÇA TEM UMA ANOTAÇÃO: “DESCOBRI “PARECIDO”, EM 11/1996, “TAÇA DE CORAL”(ALB. oLIV.)

                                   [ O IVAN TEIXEIRA ME DEU TAÇA DE CORAL COM ILUMINURAS DA DÉCADA DE 10, ÉPOCA DE SUA REPRODUÇÃO NUMA REVISTA, SE NÃO ME ENGANO, “A CARETA”]

 

                                                                       *****

                                                           @ - Soneto

 

                                   Essa mulher que eu canto e que conheço

                                   Inspiradora de poetas mortos,

                                   Mulher que choro, sempre quando aceno <<<<<<<<<<substituir a linha, cf. nota ou pent.

                                   Ao pensamento que me deixa, -- e embora

 

                                   Eu pense que é uma Hetera é abencerragem,

                                   Danaíde das vísceras efêmeras:

                                   Eliminando adúlteros espôsos,

                                   Hemoglobina, vasos e a pletora,

 

                                   É sempre uma mulher que eu canto e encerro

                                   No fundo de meu ser, não sei bem onde,

                                   E mesmo duvidando que é uma hetera,

 

                                   Eu a venero e a canto, venerando-me,

                                   Embora ela me diga entre soluços

                                   Que é inspiradora de poetas mortos.

 

                                                                       ( 2 horas da tarde de 31/10/51 )

                                                          

                                                           *****

                                                           @ - VOCAÇÃO DE AMOR

                                   Me deste uma rosa. Peguei.

                                   Tinha cheiro de musgo

                                   Molhado de lágrima rôxa.

                                   É a fase da fase

                                   Do musgo bem quisto. Da rosa não quista.

                                   Me deste mais tarde

                                   ( Na fase distante da fase da rosa

                                   - da rosa distante!) me deste

                                   Um musgo de quisto. Peguei

                                   Tinha cheiro de rosa

                                   Molhada do orvalho da bôca

                                   Que fala no perto.

                                                                       4/5/52

 

 

                                                                              *****

          @ - poema.

 

                        Um par de sapato andando

                        Quebrando a noção de par

                        Como borboleta iludindo pupilas

                        Absortas nas asas de camêlo

                        Eufórico, antidigressivo, mesmo bêbado.

                        Tóc-tóc na calçada.

                        Um par de sapato andando.

                        Um na frente. Outro atrás. Sem oaristo.

                        Grotêsco na solidão. Um par

                        De sapato sem nada, andando

                        Na calçada sem luar.

                        ( Onde pode é [ riscadas as palavras ] Como pode um par de sapato

                        Assim, idiotas, caprichosos, polarmente,

                        Caminhar na calçada sem luar?)

 

                        Um par de sapato andando

                        Sem gente sem ninguém martirizando

                        O ritmo e nem porisso poéticos.

                        Um par de sapato assim

                        Monótono embora ninguém.

                        Em cima nenhuma perna

                        Nenhuma orientação de sonâmbulo.

                        Mas, só o pêso do caminho percorrido.

                        Só o chute reprimido, recalcado contra a janela [ palavra  dereta]

                                               burguesa indignando

                               A janela na madrugada convidando o chute.

                        O baque. O pum. Depois tóc-tóc-toc,

                        Fugindo. O grito, menos do sonho coincidido

                        ( onde o incesto quase se comete

                        Entre um gole de guaraná e uma pulga.)

                        O grito mais da janela

                        Na desincumbência aterradora

                        Antes do cansaço do toque

                        Tóc-tóc na calçada.

 

                        Que vale a visão

                        O sedativo da pálpebra,

                        Se a hora é absurda?

 

                        Um par, um Mundo no

                        Tempo do silêncio, onde

                        Um gato assusta o passo

                        E o tropeço vale onze

                        Quedas na pressa, mas

                        Apenas dor, lamúria

                        Vento ou antiespasmódico

                        Quando o pensamento evita.

                        Ah! Pegajôsa! Ah! Enorme,

                        Irreal, frase fabulosa no ouvido!

                        Escuta: é o imemorial do sexo.

                        O gosado, o nexo mais o saxão no saxofône

                        Da dança mas corpos parados.

 

A solução é abrir a janela.                           [ no cantinho a folha  escrevi City of Santos [e desenhos retangulares ]]                              

Mas solução contra-solucionada

[ frase [Alguém não tem coragem] riscada]

Falta ao alguém o afã

O alcalóide ou a esperança mágica

Que lhe suma as listras do pijama.

Ah!, vagaroso! Depois,

Na levitação da pausa

No [ claror [?] ] [ chorar [?] ] da coloração do vago

No ebúrneo, no susto, no

grito cruzando o esôfago,

No coração cariado já na boca,

- Ninguém, ninguém, ninguém

suporta o olhar amassado da rua

Clamando chôro, festa, alergia. [escrevi alergia mas me parece alegria]

 

Um par de sapato andando

Enormes, capricho, vulto

De Chaplin que vem chorando

Antigéstico, pés no asfalto.

Sossôbro de rugas premeditando

Aura do riso, a rosa solitária

Vergando os postes no último tóque:

E há um gesto soluçando fraterno,

Mas nas ruas desertas predomina

A repulsa, a eletricidade.

                                               [ Aqui no cantinho desenhei um casal conversando, plano americano]    

 

Um par de sapato andando   / Pálido não carregando/

Humano nenhum / Que importa o desamor, / a solidão se o

            [sozinho é híbrido / de noite e estrela sem manhã? /

Aqui, na espera marital,

As pálpebras operam, operam

E só de leve descansam

E só de leve descansam,

pulando no caule interior.

Antes até do abandono

Total [ expressão pode unir riscada ], podemos unir dois santos

Além de moleculares ótimos:

E eles não se beijam: e eles não se beijam.

E até uma hora deviam se matar:

E êles não se matam: fingem brinquêdo

 

Na madrugada o sapato andando:

Que vale a visão,

E o sedativo da pálpebra,

Se a hora é absurda?

Se o pesar é de todos?

Se o susto homogêneo

fecunda desamor,

Preguiça muito catástrofe?

                                               (12-7-51, faj)

 

                        *****

@ - CRISTO VIRIL

 

O amor transpirou a Graça

oclusa reclusa inconclusa.

Foi como sangue abandonasse

antipatia de pedras, eram duas,

que barram a vista à história, e amigas.

 

Mas dessa fusão calcárea,

(Sorrisos entrechocados

de antagonias nervosas)

talvez nascesse, como nasceu,

a visão terna, açucarada,

do gesto nascituro anunciando

padrão de força ao Mundo, abolido

das complacências sem noção de afeto ou intuição de rancor: irmãs,

e abolindo a si, que desvanecido o era sem semente.

 

Somente um defeito revestiu

tamanha beleza pureza: o de

sim ou pseudo imperícia lírica

que o dividiu entre severo e silencio.

Contudo, outra feição mais límpida,

não dele que o olhar opaco

era redoma de um capricho sempre

de uma hereditariedade gasosa,

mas do proximo, e todo o proximo

lhe incutiu o prazer de amar sem ciume.

 

Porisso ele medrou e a ele a Graça

Lubrifica o aspecto vegetal de flor que nasce

de humano prado não e de sim pedras simpaticas

a rolar no despertar do amar ante pedras antipaticas.

                                               Florivaldo Menezes – Em 28/I/53.

 

                    *****

@ - Meu “Círculo Vicioso”

 

Trêmulo, o rato tartamuda ao ver o gato:

“- Pudesse eu ter a astúcia e o fôlego eminente

Do vil felino; certo a fúria do insolente

Se extinguiria.” E ao ver passar o cão, o gato:

 

“- Quisera ter do cão o instinto imediato;

Verter-lhe-ia em cinza a cólera demente

Que me lacera.” E o cão, ignoto quando sente

A sombra do homem: “-Céus, que dom, que xis, que fato

 

Existe na transmutação do ser temido?!”

O homem, filosofando em lúgubre gêmido

Redime-se em duas simples sílabas: MULHER”.

 

Esta, na renitência excêntrica do Tudo,

Reprime a voz por um barulho surdo, mudo,

De um miserável rato, que nem vê sequer...

 

                                                       ( Florivaldo Menezes, 1953? 4? )

 

                                ( Alexandre: conforme prometido, minha paródia do soneto de Machado. Acho que é uma besteira bem “arrumada”... Enfim, vivemos ( verbo no passado ), vivemos ( verbo no presente )...

Abraço na amizade de meio século virgula vinte! S.P., 28 de junho de 2004.

 

                              

(FLORIVALDO)

 

                                                  (     CÍRCULO VICIOSO

 

                   Bailando no ar, gemia inquieto vagalume:

                   “ Quem me dera que fosse aquela loura estrela,

                   Que arde no eterno azul, como uma eterna vela!”

                   Mas a estrela, fitando a lua, com ciúme:

 

                   “Pudesse eu copiar o transparente lume,

                   Que, da grega coluna à gótica janela,

                   Contemplou, suspirosa, a fronte amada e bela!”

                   Mas a lua, fitando o sol, com azedume:

 

                   “Mísera! Tivesse eu aquela enorme, aquela

                   Claridade imortal, que toda a luz resume!”

                   Mas o sol, inclinando a rútila capela:

 

                   “Pesa-me esta brilhante auréola de nume...

                   Enfara-me esta azul e desmedida umbela...

                   Por que não nasci eu um simples vaga-lume?”

(Machado de Assis, in “Ocidentais”)       )

Colocado aqui nesta seção de meus poemas da déc. 50 por causa da paródia supra.              

                       

                        ******

 

@ - ELEGIA ESCURA

 

Todos os dias são importantes na vida dos enigmáticos,

pois eles carregam o ramalhete ofertado para a festa dos encontros

Não me intimido, nem vos intimideis, com seus crepúsculos

mas com todos os jeitos: o aperto de mão calcáreo,

a fala no trampolim, o amor dos olhos barulhos

e essa mania de morrer encostados em todas as ternuras...

 

Todas as Vezes são rituadas no afago dos enigmáticos

(afago desastre afago delícia),

pois eles, ao invés de retalhar

o coração, dançam, no périplo das cortantes estimas,

uma pavana vã, o ar avantajado

apenas pelo pizzicato das pausas.

 

Todas as Mortes são importantes

na decoração dos quartos

dos Enigmáticos.

E o pior, o flagelo, o dilúvio de pedras insolúveis

Imastigáveis inassimiláveis incrustáveis [ acho que quis escrever inincrustáveis ]  

é o coro de seus silêncios:

pois quando todo mundo se descabela,

eles, os Enigmáticos, se despedem

miméticos e anti-eufônicos

para a viagem de outras clarezas.

                                      S.Paulo, 18/8/53

 

                                               ******

 

@ [ Soneto em endecassílabos]

 

 

                        Se acaso, Manselda, nascesse do fado

                   Medievo castelo de sombras janelas,

                   E o pulcro talher que, durando na tela

                   ( da ceia cordiana ), engolisse o passado

 

                   E a casa, Manselda, que abriga os achados

                   Felizes, que o vento encrustrou na lapela

                   Das vozes quebradas, em onde favelas

                   Assentam memória no espaço rezado

 

                   Deixassem agora, Manselda, as fazenças

                   Ocultas e lerdas (mas não perdoassem

                   Do olhar a atonia – e o ouvido o escorrega)

 

                   - Então cantaria essa roxa refrega

                   De molas e mel de mansão que falassem

                   De um canto de morte, de lesa-esperança.

 

                                                        SP., 27-6-53.  NOTA DE 29 DE JUNHO DE 2004, QUARENTA E UM ANOS APÓS HAVER ESCRITO O SONETO, QUE ESTÁ PUBLICADO EM UM DOS JORNAIS DA FACULDADE DE DIREITO DO LARGO DE S. FRANCISCO: é UM CASO DE INTUIÇÃO REINFLUENTE ( V. MEU POEMA DOS “TRÊS INSIGHTS NA VIDA GLAMOROSA (sic) DE EUSTÁQUIO PARREIRA” -, v. catálogo da segunda exposição nacional de Orlando Marcucci, junho de 1983) : um passado concebido antes, para justificar um presente bem depois, estranho... como naquele poema em que desenhei o casal Eustácio Barreira  ( ele e a mulher, Dora, sem os conhecer!!!, v. o catálogo Exposição Marcucci ). INTUIÇÃO REINFLUENTE  DOS MOVIMENTOS DE POSSE DE TERRA POR PARTE DOS “SEM TERRA”, POIS DESPONTAM:

                                                                       - Pulcro talher.

                                                                       - Engolir o Passado.

                                                                       - Casa abrigando os achados felizes.

                                                                       - Favelas.

                                                                       - Assentamentos ( “Assentam memória...” ).

                                                                       - Fazendas ( “... as fazenças / ocultas e lerdas (incl. Acresc.).

                                                                       - Roxa refrega, canto de morte, lesa-esperança etc.etc.etc.

                        ALÉM DE UMA  APARENTE – E TALVEZ VIÁVEL – ESCRITA AUTOMÁTICA, SUBJETIVISMO SEMI-MEDIÚNICO E O MAIS, EM UM EXERCÍCIO DE TÉCNICA MELOPAICA DENTRO DE MEUS VINTE ANOS, PODE, HODIERNAMENTE, SERVIR DE HINÁRIO PARA O M.S.T.  ( 29-6-04 )                  - Quando explorar esse fenômeno de intuição reinfluente ( e umparataxe de parataxe...) , não esquecer de evocar aquele genialíssimo e estranho fenômeno da crônica “ O AUTOR DE SI MESMO”, de Machado de Assis, publicada n’ “A Semana”, em 1895)

 

                                                                       ***

 

                                               CANTO DE ORFEU À ÚLTIMA BACANTE

                                                                                                                                 (Para Maurício Tragtenberg)

 

 

                               Em teu banho exterior

(em que aproveitas a chuva de alcool)

surpeendes o convite

de Quem? De Quem o faz desconfiado.

 

Não se trata de forma

êsse formato áspero

de anuência.  Em teu banho exterior

aproveitas, vasilhame incalcável,

o descuido do conteúdo claro e frio e ambíguo

como um banho de alcool. É simples.

 

Em tua reação romantismo

(em que procuras a espera)

talvez nunca aceites o convite.

Mas olha, Mulher Fímbria, apenas anti-órfica,

ao escondido de suas dobras, como sanfonam

os cantos de milésimos, as fósseis de elegia,

que ressucitaram de Amor: Em teu banho de alcool

mudas apenas a côr do afeto. E morrerias

de gôso (inédito) se pudesses

sorver, absoluta, essa chuva missionante.

 

Em teu banho exterior

em que aproveitas a chuva de alcool

Ah! Não aproveitas... Unificas

(Sòmente) a temperatura. E o Amor,

terno de ser tão terno, e poucamente

esperado, mais agrava: e a chuva de alcool

então se logra, e apenas, mas não chora

a perda das sensações, a quente e a fria.

 

                                      São Paulo, 21.9.53

 

                                               [ Abaixo do papel, escrito à mão, falei o seguinte ]

 

                A realidade das Bacantes é (e sempre será) um fenômeno sócio-histérico [sic] de reação à Poesia. Em nosso tempo, se tivesse o equivalente que sua natureza hermética abomina (o espacial), pois vem funcionando em sentido das “delegações forçáveis” (1) , que visa a eliminação ou a existência liberta do nexo subjetivo, isso se daria em têrmos de Indiferença. Há, simplesmente encontro de duas energias: a da mecânica do Poeta  e da mecânica da Insensibilidade – essa resultante da inèrcia esotérica [ grifei triplamente a letra s ] que dá sempre (vire)

 

(1)     V. meu estudo sobre a poesia dodecafônica de CANTOX DE TUMENIOS

 

 

(virado) em exoterismo [ grifei triplamente a letra x ]. O caminho da solução tem de se efetuar por processos exteriores: o banho. A reação, que vivifica [sic] a essência, tem de se efetuar por um elemento ainda daqules processos exteriores. Simples material poético, mas com função especulativa. Orfeu usa a chuva de alcool. A escolha de certa forma, é feliz pela independência [INTERROMPIDO. OU FALTOU UM PONTO (.)?]

 

                                               ***

FRAGMENTO DE ENLECLEUZA

        

         A baleia morreu afogada

         na superfìcie do Mar.

         Enlecleuza morreu de gôsto

         na superfìcie do Amor.

 

Embora no fragmento,

Enlecleuza mulher outra,

Extinto (o mundo) resiste.

Perdure no anseio como no semáforo:

a sempre rosa pássara

ligando o ponto, no oceano,

à mais grave tentação.

 

Mulher sem tacto,

Intacta no camafeu

-- com toque , não lembra o afago,

-- no afasto, reduz-se a torre.

 

A baleia morreu precipitação,

iludível superfície!

Enlecleuza morreu superflua

mais inteira do que embora

embora no fundo bela.

 

Depois, depois, Inominada,

quando desperdiçares

o gesto sem fisionomia,

induza a lágrima à percepção

menos a qual, oh, desgraçou

a festa, as paredes e me.

                   Abril - 53

 

        

POEMA EM RODA DO PEÃO

                                                                           (Docomento dadaista pressentindo o advento do surrealismo)

                                                                                                                                                                            Florivaldo Menezes

 

                               Do colo do jarro nascerá o poema

                   quando do rompimento da paisagem

                   que atrai a pedra através da janela

                   pois a orelha é desenrolada como uma passadeira

                   à frente da Casa por crianças arremessando crianças

                   mais livres, inconstantes

                   nessa pureza de fel das grades

                   que só impedem a Voz, contorcida em cólica

                   trincando mensagem agem agem.

                   O papel branco terá impressões de dedos apoéticos.

                   Iodo no peão

                   a perna sem pêlos travestida na córnea, cone,

                   pupila roda mãozinha dos prazeres, palma,

                   o lapis inconstante a primeira frase envergonhada

                   Mas dos meninos imorais germina o poema:

                   Vêm dêsse cerebro

                                      O AVÔ E A AVE VOANDO

                   Passa de mão, fatal lençol é raciocinar

                                      A CABEÇA DAQUELE CARREGA OS OLHOS PARA CIMA

                   O lapis desenvolve no vento

                   dois testículos inocentes

                                      NO AR MEU BALÃO QUEIMANDO

                   A alma outra alma espreita

                   podem braços cruzes do corpo desmedrar

                                      AI COMO É TRISTE A VIDA SEM TERRA

                   Os três movimentos do amor

                   são desarmonia, desastre e desenho

                         ENTERRARAM MEU CACHORRO COMO SE ENTERRASSEM TERRA

                   O poema se fortalece

                   Ganhando anos nêsse minuto (jovem)

                                      E A FLOR QUE A TIA BONDOSA COLHEU

                                      ACABOU DE EXPLODIR SOLTEIRONA

                   Por fim o último menino perfura

                   os olhos da nuca com cotoveladas

                                      ESTÁ PÔDRE O CORAÇÃO DE MINHA MADRASTA

                                      MEU PAI LHE BEIJA A BOCA, E O VEJO

                                      ELE SE AFASTA COM ESSA MINHA CARA

                   Mas não é não é desespero

                   Essas mãos girassois amarelos com unhas cheias de azul pastoso

                   Imantados para o ceu terreno de molas para o amante de mortes

                   O poema cresceu mas não não

                   é crueldade essa postura

                   de garrafas que após a festa dissolvida pelo nojo,

                   alongam o pescoço E as letras do rótulo

                   formam frase para a alma.

                                                                        (Setembro de 1954)

                                                                                                                       S. Paulo

 

                                                        ***

 

                                      O BEIJA-FLOR

 

                   Corola, segura de si mesma,

                   prendeu o beija-flor: pólem

                   depositado com o frêmito (galvanizado)

                   de quem põe fora o fígado

                   em forma de rosa delegada,

                   e não rosa, mas rosa: - beija-flor

                   nunca é algo! Quando para no ar

                   Se apoia no suspense de uma consciência alheia

                   que sustenta universo mas sucumbe

                   Ao leve abano das asas

                   do beija-flor : porisso ele vacila

                   E, periódico no vácuo, se eleva,

                   E enerva, e talvez entrega o pólem.

                                                                           S.Paulo,

                                                                                                                                      6 / I / 53.

 

 

 

 

                                              

MOR GENEALÓGICA

                                                                                    

[ Nota de 04-8-2004: “ligue” este poema, de12.2.54,  a TEMA EXISTENCIAL FALIDO, de 20/1/53. Por outro lado, associe este último ao problema do RITMO, filosofado em “CANTOX DE TUMENIOS E A POESIA DODECAFÔNICA”, de 53, por aí, e evocado como princípio da geração da MELODIA (que desenvolvo nas bulas de várias poesias, procurando estudar a melodia árabe – veja aqueles VHSs da TVA, Canal árabe) ]

Portanto:

 

                       MOR GENEALÓGICA

 

                   Sòmente depois de morto

                   (apenas não para todos)

                   vi através das pálpebras,

                   fechadas, o mundo em todas as côres.

 

                   Interessante é que também não era nítido.

                   Mas era em todas as côres.

 

                   De um lado a Catedral repleta

                   por fora, mas dentro apenas a Grande

                   Habitação de outros habitantes, e que habitantes!

                   ai! cantigas de habitantes

                   que me exoneravam dos ressentimentos:

                   - e eu sepultava as Grandes Famílias.

 

                   Por outro, a Odiosa Casa dos Bons Sentimentos

                   pesando plasmando o teto

                   e o teto se transformava

                   em chão, que humilde baixava

                   aos meus pés que entremeiavam

                   danças pulos à interdita

                   maneira das mãos: ah! havia

                   nos Pés um ânimo de aperto.

                   (As mãos não podiam andar

                   por causa dos Bons Sentimentos).

 

                   Interessante é que também não era nítido.

                   Mas era em todas as côres.

 

                   Mas aquém das Casas e das Catedrais,

                   antes do hálito e da ofensa,

                   morei como todos moram,

                   limitando-me à forma e ao som:

                   sòmente não era nítido

                   porque Alguém não se repetia,

                   e a Vida se repetia e a Morte se repetia.

 

                   Mesmo depois de morto

                   não entoei a grave cantiga

                   ao ósseo limite. O mal foi esse.

                   Ou talvez um Bem exagerado.

                   Ai, cantiga exagerada:

                   pensei que morrer era festa

                   Sedentàriamente azul.

 

                   - No afago menor,

                   transcende o tecido

                   de úmida espera

                   a pétrea afeição.

                   Repete-se, embora,

                   o respeito dos beijos

                   O de Cima estende a face

                   Comprime-se o plano das Casas

                   as ruas não levam a Nada

                   entorna-se o Chão contrito,

                   ai limite! ai limite!

                   só cantiga de limite

                   menos nítido. Só mais cores.

                                                        12.2.54

 

                                                                                              ***

 

A SEMENTE DA SEMÂNTICA GE-

MINADA AO NÍVEL DA PA-

LAVRA SEM ENTE.

 

a semente da semântica ge-

minada ao nível da pa-

lavra sem ente.

 

asementedasemânticageminada ao

asementedasemânticageminadaaoniveldapalavrasemente.

asementedasemânticageminadaaoniveldapalavrasementedoisbilical

 

umbilicaldoisbilicaltrêsbilical

 

umbilicaldoisbilicalmente.

 

umbilicaldoisbilicaltrêsbilicalmenteligados.

                  

 ***

 

Anti-Clássico

 

Madona, amadureça o sorriso

depois venha me dizer

quem lhe avisou a beleza

que existe atrás do sorriso

 

Verá então que eu lhe disse

que é melhor a gente ficar pálido

quando o sorriso é só risco

desviado apenas curva.

 

Sorriso exige quatro olhos

Eclipse abissal  de distâncias

Supressão absoluta de panorama

oscilações criptogâmicas

depois: sorriso: Dieta de supresas

Andorinha pousando no fio

Que pulveriza o gigante mais esperando

 
***

 

SOLUÇÃO ANTI-SOLIDÃO

 

 

Vivemos emprestados

E a vida sempre nos cobra, Cantox.

Segue Um, e Outro após,

O Tempo não vale juntos, Cantox

 

Se acaso lábios de zinco, Cantox,

Arrepiam-nos o ouvido

Com promessas de um Elástico,

- Receba o afeto, se lave,

Depois suicide a memória, Cantox.

 

Vivemos emprestados

E a vida sempre nos cobra, Cantox.

Siga Um, peça por nós:

O Tempo nos leva juntos,

E morre minuto após, Cantox.

 

                                    S.P. , 9/7/53

 
***

 

1ª face do PARALELEPÍPEDO DE ALGODÃO.

 

Penso insensivelmente nos barcos esquecidos

na maré dos aflitos.

 

Durmo comoventemente nos leitos inclinados

da mansão dos esquecidos.

 

Aflijo-me maquinalmente no baile silencioso

das crianças eróticas.

 

Afundo-me instantaneamente nos sulcos deixados

pelo andar dos eufóricos.

 

Perdôo remanescentemente as batidas de todos os corações

que sinto num só peito.

 

Mas, só me esqueço de tudo,

loucamente, quando me aproximo.

 

                                      S.P. – 13/8/53

 

 ***

 

Sou um vago no

Ressentimento do mundo.

Sinto mas não ressinto:

O espaço é fundo.

 

Sei que moro no

Agora de um simples mundo.

Se fujo, dizem que minto

As formas de que me oriundo.

 

O segredo existe em ser

Um polígono rotundo.

Virei o mundo ao contrário,

 

E apenas sub-subindo ( o espaço é fundo)

Mudei pro mundo da lua

O altar de Mim Rei do Mundo.

                             

                                      23 / XI / 52

(NOTE O ESTIGMA DE FERNANDO PESSOA – NÃO DIGO INFLUÊNCIA DIRETA PQ NESSA ÉPOCA NÃO CONHECIA PESSOA)

 

 ***

 

Olha como padecem as crianças

que nasceram sob o signo do ambíguo:

Veja como morrem de rir, asfixiadas

fazendo a barba já antes da gravata.

 

Olha como rolam no chão esses homens,

outros de si, furando as bolhas de sabão,

Ouça dizer o que elas, arrebentadas,

abalam o veículo desse futuro tão garridíssimo.

 

Veja como o homem chega à esquina:

equilibrado, pundonorosamente vertical.

O remorso, ou essa porcaria de vida, ou alguma Matilde

É que balança. E ele vomita a orquídea,

depois chora, e maldiz o álcool, se abanando no ímã.

 

Olha, ou sinta, assenta o cinto,

Mergulha no asfalto, mas de cabeça flutuante.

Veja ou apenas perceba

quando só restar o ouvido

mudado em cogumelos venenosos,

como irritam essas criança periódicas

querendo morder as amantes

só porque são monstras definidas

e estão passando baton na reputação

 

                                           25/3/53

 

***

 

 

Que mal há em caminhar

ao lado das bruxas de lã,

se elas, na esquina do Medo,

podem nos agasalhar?

 

Que mal há em seguir viagem,

surpreendendo-as sem parar,

se na ascenção dos passeios

elas fabricam vertigem?

 

Que mal há em desgostar

os inocentes que as matam,

se a intimidade é por causa

de lã que afaga e arrepia?

 

Que mal há em dormir debaixo

de castelos que não pesam,

se as bruxas de lã só imprimem

nuvens em meu sonhar?

 

Que mal há em se tornar

em bruxa de lã ou seda,

se no Baile atrás da esquina

nossa pele envolverá outros bichos menos madrigais?

 

 ***

 

COTIDIANO

 

E o homem que tinha cara

De louco varrido, brigou

C´o jornaleiro na esquina

Falando e gesticulando.

 

E sem denunciar a tara,

Que no esgoto ele jogou,

Disse com voz muito fina:

- O sr. sabe com quem o sr. não está falando?

 

                                                       dezembro 51.

 
***

 


INSCRIÇÃO A GIZ NA PORTA DE UMA IGREJA DE ALDEIA RUSSA

 

Não é sempre que eu posso falar com Deus.

É preciso ter um corpo bem maciço,

apolíneo, cheio de nervos, bem protocolar.

Antigamente eu chegava a procurar êle

no piscapisca melífluo das beatas.

Hoje é preciso ou ser maciço

ou fino, ou liso, branco, absolutamente submisso

como uma folha de papel.

(ou então ser um versículo de Claudel:

procurar êle na egolatria do despreendimento)

Hoje é preciso ter radar no pavilhão do ouvido,

ser político, acérrimo, amaríssimo,

trocar o verde-azul do sangue da esperança

por glóbulos vermelhos, estalinizados.

(eu vou pedir pra ele virar tais glóbulos

em foice. Não é isso que se quer?)

É preciso ter ordem de um pope deputado,

é preciso sofrer de escoliose

na reverência aos grandes marechais,

é preciso seguir revoluções,

é preciso esquecer as ladainhas,

ser compadre, dar pulos de galinha,

é preciso saber mais de uma língua,

chorar em sânscrito ou em japonês,

ou fingir como a torre de Pisa.

....................................................

Não é sempre que eu posso falar com Deus.

Onde está êle? nos quintais, no céu, na terra?

em Roma? no Brasil? em Portugal?

Antigamente eu achava êle

no piscapisca melífluo das beatas,

.........................................................

Notícia de última hora:

Um diabético achou êle.

 

                                                      São Paulo, 2 de dezembro de 1951

 

 ***

 

 

SONETO MUITO DESUNIDO NA PRESENÇA

 

Adeus, morte fibrada, parto. O achêgo

Sómente agrega, e a intimidade agora

Longe de ser a fase das minoras,

Não sói, permite o beijo subterrâneo.

 

E êste, morte, por ter de inoxidável

O êxito, mais ajuda a que nós (claros

No medo viatório) mais percamos

Essa desatação que mais pedimos:

 

Não clamamos de ti senão a estada

Nas posições forçáveis de objetos

Para sempre morarmos quando viajas.

 

(Ao pleno passamento dêsse afago,

Só vale desatar fibras do riso

Menos urdir do riso a Pausa. E acórdica.)

 

                                      S. Paulo, 08/9/53

 

***

 

 

POEMA DO ADOLESCENTE

 

Ouvindo um tanto argentino

Em ambiente de brônzea compostura,

Tango nas horas tristes de amargura

Por que passaram tristes donquixotes,

Em que pesasse do ambiente o peregrino

Olhar de afrodisíaco lampejo,

Eu disse aquêle que a mim me parecia

Ter n´alma a decadência atônica

Dos que têm teias de aranha na garganta:

“Como é triste recordar!”

Depois eles me olharam surpreendidos

Pela audácia de um perfeito robinsonismo

Que eu trazia

Na suscetibilidade de menino.

-“Menino de alma grande e olhos pequenos

De que vale o lamento dos apátridas

Do espírito, se a vida é acolhedora

E não deserta antes do tempo?”

....................................................

Ouvindo o tango argentino,

Anfractuoso como a própria vida,

Me parecia ouvir:

“É absolutismo de rapaz mimado.”

Idéia que eu afugentei violinossuspirando,

Parecendo sentir a estremeção atávica

De um sustenido intruso que zombava

Do menino que não se casaria

E morreria viúvo

 

         1951 - Tradução de um poema de juventude de Arnegão de Panariz.

 

***

 

BALADA DA ESTATUA VENERADA

 

O grito que eu vi saindo

Dos lábios da estátua núa

É o lamento da virtude

Que a estátua traz no bolsinho

Do vestido que teria,

Se eu visse a estátua de dia.

 

Os lábios que eu vi cantando

Absolutas monodias

Baladas do rei perdido,

Das rainhas dissolutas

Cantadas na grã vigílias

(Perfunctórias ladainhas

Nos lábios da estátua núa)

Hosanas sempre seriam,

Se eu visse a estátua de dia.

 

As preces que eu vi fugindo

Dos lábios da estátua nua,

Da flébil sensaboria

Na incerta peroração

Correndo para o infinito

Dos porquês transcendentais,

Clamando aos deuses de barro

Dos olhos sempre de cera,

- Cantigas de amor seriam

Da Messalina imortal

As preces que eu vi fugindo,

Se eu visse a estátua de dia.

...............................................

E a mudez que eu vi parando

Nos lábios da estátua núa,

E a nudez que eu vi forçando

O corpo da bela estátua,

E o nada que eu vi cobrindo

Os nenhuns da estátua núa,

E a extática empernida

Como a que vejo na lua,

Enfim toda a proporção

Da estátua que eu vi na estátua,

Seriam grandes Verdades

Reveladas e vizinhas

Das caladas primitivas,

- Se eu visse a estátua de dia,

No tempo do iconoclasta

Que no meu ser se escondia.

 

                             S. Paulo, 6/1/52

 

 ***

 

SONETO DE NATAL

 

Já fui pobre, fui rico, já fui sábio,

parvo das Eras, rei dos reis já fui:

medianeiro do Cronos, fui perversa

cobaia entre o princípio e o fim de tudo.

 

E na incompatibilidade atávica,

do riso fiz lamento e da risada

o modo de um gritar incongruente;

da lágrima um sorriso, e da lumúria

 

um meio de alegrar o que não fui...

Mas no Natal não sei que fôrça diva

análgica me torna a intemperança:

 

pois estou triste – choro, alegre – rio-me,

se só, me multiplico e se êle nega-me

suicido-me pensando em Carnaval.

                                                  1951 

 

***


 

NOMENCLATURA

Ambição ia passando,

Vestida de transparente,

Com sapatinhos de prata

E o homem chamou: - Tereza!

Ambição virou brinquedo,

Pulou, deitou, se arrastou

Virou sapato do homem.

 

Egoísmo ia passeando,

Cismador entre dois sexos,

Com uma armadura no peito

E uma saia de veludo,

E o homem chamou: - Antonia!

Egoísmo virou chumbo,

Pulou num bolso do homem

E o homem anda inclinado.

 

Quando a verdade passou,

(num dia de Carnaval),

Nua, bela e sem receio

do transeunte proibido,

O homem chamou: - Joana!

E lhe deu uma fantasia.

Brincaram que se gostaram

E ela não tirou a roupa

No dia de Carnaval!

 

A paixão ia dançando

Com cara de onze mil virgens,

Se deitando na sargeta

Se estirando para o céu,

E o homem chamou: - Maria!

Paixão virou bicicleta,

Subiram por uma nuvem

Foram ver cantar corujas

Nas praias do Paraíso.

 

E numa tarde amarela

De um dezembro amarelado

Hilcreflência era a virtude

Que o homem na rua achou

Numa caixinha amarela.

 

(1951)

 

***

 

Linda CAXUMBA:

 

Que artrose mais malvada, Espondilite!

Parênquima de Sade? ou Glucasâmide?

Pensei que até que fosse ter derrame de

bílis em cima da colecistite.

 

 

Que histolesividade mais de elite!

-bilirrubina! ó coisa mais infame! De

haver que hauri-me de Elixir de Inhame

custou-me sangue, suor e cefalite...

 

 

Parotidite é o nome da Caxumba

com que te alcunhas ( anamnese infensa

desse álveo colo à fímbria de um sorriso).

 

 

Sei quem tu és, mas levarei pra tumba

se homeopatizares tua presença

curando-me e perdendo-me o juízo!

 

                                      (HIPOCÔNDRIO MALATESTA)

 

(data:?)

 

***

 

 

A importância de não ser Deus

 

FINGI COMO A TORRE DE PIZA

ROMPENDO A VIDA DO SEXO:

ACONTECI SÓZINHO, MAS É QUE SÓ

FINGINDO QUE A GENTE SUBLIMIZA

 

A ATROZ VONTADE DE VER-SE CONTEMPLADO,

SEM SE PERDER EM FÔRÇAS CENTRÍFUGAS.

E, UNILATERAL, SENTI FUGAS

DO ESPÍRITO CORRENDO APAVORADO

 

DE UM SER QUE JÁ PERCEBO QUE É VULGÍVAGO:

SE TEM A NATUREZA DAS VESTAIS,

ME DEVORAM SEUS OLHOS SIBARITAS,

 

CATEQUISANDO-ME A ESPERAR, QUANDO SENTÍ VAGO

ESPLENDOR ME SEGREGANDO NAS MALDITAS

EVOLUÇÕES DAS FUGAS ANORMAIS.

 

Campos de Jordão

Março de 1952

***

 

LIMITE

 

Os limites da ação

não comportam dissimulação.

 

O que transcende a face torturada,

perene no arlequim da outra.

 

Os limites da ação

odeiam dissimulação.

 

O homem, em si, termina

no convite a outro investimento.

 

Os limites da ação

enxotam dissimulação.

 

Badalada fúnebre na torre

pode ser festa no ouvido.

 

Os limites da ação

assassinam dissimulação.

 

mas no péssimo da fôrça paralizante e ousada

o Absurdo não tem vergonha:

o protético, duro, alcance, atormentado,

carregar uma gargalhada no bolso.

 

                                            S. Paulo 29/2/53

 

***


Pra[dos poucos] Villa-Lobos

Entre chaves: pensamento mais recente

 

O trenzinho apitou: piuiiiiiiiiiiiii!

(É o trenzinho que partiu)

Menina carrancuda, chora, chora, chora

(soluço-soluço-chora-chora -soluço-chora)

menina carrancuda chora-chora, chora, chora

Soluço. Soluço.

Bota fogo, maquinista; bota-fogo seu foguista

Bota fogo maquinista, bota fogo seu foguista.

Pra lá e pra cá – soluço-soluço. Pra lá e pra cá

Pra lá e pra cá: vai balançando pra lá e pra cá

                                                           balançando

Pra lá e pra cá: vai balançando o coração da menininha

Vai balançando o coração pra lá e pra cá.

Êle partiu. Fui pra Belém. Belém, belém,

Ele partiiiiiuuuuuu!

 

***
 

CANTOX DE TUMENIOS  e a Poesia Dodecafônica

                                                (fragmento de uma estética sem pés mas com cabeça. – 1953)

FLORIVALDO MENEZES

 

 

Quando, nos começos de setembro, conheci no Rio de Janeiro Cantox de Tumenios, um negro asiático (sic), percebi, naquela apresentação que me fazia de sua poesia dodecafônica, um fenômeno que bem poderia denominar de inversão atávica. Um negro, asiático, que escreve poesia em bom português (pois ignora sua língua, que por sinal me foi velada) e que funciona sua emotividade numa expressão arrítmica, escolhendo sua maneira de dizer como quem sucumbe privilegiado, tudo me fez levar dele uma impressão dêsse avêsso de herança poética: estava efetivamente diante daquela “sonoridade futura”, de que fala Valéry, que é o eco de sua grandeza interior e que prescinde de tôda ancestralidade emocional – tendo-se esta também em sua expressão de ligação cultural. É a condição amarga da cisterna de roldana contínua, sem pausa, e que talvez não tenha em sua profundeza o fluir natural das águas, nêste caso material acomodativo, ou seja, a parede suplementar do Recipiente. Excesso de conteúdo funcional, escassês de conteúdo arbitrário, tradicional. Melhor será ouvir as palavras do próprio poeta, nessa carta, que recebi ontem (datada de 17 de setembro de 1953), em que me vinha ter às mãos o prometido naquêle encontro tão acidental quanto significativo.

Preliminarmente, aqui lhe deixo minhas escusas por considerar obscura essa peça que me é caríssima e onde reconheço que a clareza seria uma estupidez imperdoável.

“ – Sou negro mas não tenho ritmo. Tenho sòmente temperatura cerebral, pois o coração ( a válvula que me acusa exclusivamente o sentimento inédito ) sempre me foi atérmico. Ainda questão de voluntariedade. Já o ritmo é balança, respiração, escadaria, perna atrás de perna ( v. o NÚ DESCENDO A ESCADA, do Marcel Duchamp ), dinâmica assetinada das saias ( saias naquêle NÚ ), barulho dos calcanhares. Talvez no inconciente inveje o ritmo bodum, gordurento, o ritmo-suór. Questão de ancestralidade. Mas, bondoso e paciente amigo, no campo da ancestralidade não tenho parente de qualquer espécie senão meu pequeno tótem asiático, já decomposto em seu colorido que lhe dá à forma o sêlo de origem: agora, incolor, sublimado ( melhor diria: asseado ) êle me provoca a sugestão de que, despido de tôdas as cores, se torna mais hermético naquele canto aberto no meio da estante. Às vezes dança, silencioso. Não que não tenha ritmo por ser tótem, tabú. Não tem ritmo porque não tem mais côr. Porque deixou de ter camisa amarela, turbante amarelo. Porque desprezou o barulho visual de sua herança. O meu amigo tótem me gritou um dia dêsses que só usava o coração quando pudesse pintá-lo de sua côr natal. Pediu que notasse bem isso. E nessa poesia que modestamente me proponho inaugurar a côr tem uma significação impressionante. Despreza a psicologia do cromatismo, pois o instinto passional dêste lhe tira a função mais genuína. Mas, desde que adquiri meu amigo tótem, adquiri, como atributo irrecusável, a conciência dessas “delegações forçáveis” que são a medula da nova poética, e de que falarei mais adiante. Por ora, devo dizer que talvez tenha tido, de forma inconciente, como ponto de partida para a nova forma ( e que jamais tenha um único adepto ) a visão daquêle casal que supreendi num ônibus e resolvi “auscultar”. Conversavam centripetamente, dentro das aproximações aniquiladoras, detestáveis: as aproximações da Lírica milenar, expansiva, que contraria o platonismo mais bem intencionado e que nunca chegou a ser mais que o “ sublime rancor” do siracusa. Não havia contemplação: necessariamente, havia afeto barulhento, desproporção de esperas, engulimento dos objetos mesmo os mais sardentos – fornecedores do tédio afetivo. Em conseqüência: amantes tradicionais, históricos, líricos...

(Você) (riscado)... o bondoso amigo vê que isso tudo é uma volta que nada mais possibilita poesia. É preciso ser enérgico e delegar-se aos animais, que nos fornecerão o campo de amores onde uma nova religião de castas nos tire a vergonha: homem animal religioso de castas, que se desavergonha – futuro pôdre ( único meio de eu não ser teológico ) como única forma de evitar o presente dos homens.

Por hoje, basta; veja se compreende melhor pela “adoração” : tôdo  movimento novo é adoração:

 

Nº 1, de minhas “ESCANSÕES RENOVADAS” :

 

Ó meupo vosemsé semsombra ja

nomeiodaca sadosommenoso

ritmoeternoemboraeu sucumbapausaondeofo

legolegatristeliricáos quindapensamnoafetoemmovimen

tovémparaaplaniciedorimanta

dodadeusadiuturnadoanimalsubli

me- doda deusa diutur nado animal subli-mé

Me ébem nossamú sicaempresta

dàcabrapoissó doandonossocan

to aosseresbichosquesim sãosóbichosquesónãoné

gamavidatodasónãoné...

                                         etc etc (serve como amostra)

 

Decompondo a estrofe, dela resultaria essa composição tradicional do verso moderno:

 

Ó meu povo sem Sé, sem sombra

Já no meio da Casa do Som menos o ritmo

Eterno, embora eu sucumba

À pausa onde o fôlego lega a triste lírica

Aos que ainda pensam no afeto em movimento,

- Vem para a planície do ar imantado,

Da deusa diuturna, do animal sublime

(“Mé” é bem nossa música emprestada à cabra,

pois só doando nosso canto

Aos seres bichos que sim são

A vida toda só não negam...

 

                                              etc etc; versos que não encerram o valor     poético em linguagem digna, digamos, em nossa terra de um Drummond, ou dêsse mais apropriado, caudaloso e elegíaco Vinicius de Moraes.

Mas, como lhe disse acima, é essa poesia o alento dos poetas mais do nosso tempo, que preferem dizer sem ser percebidos senão por si mesmos e por quem se digne retalhar-lhes a intenção seccionando os sons representativos de sua querença: em suma, posição ontológica, sêr que se coloca fóra dos outros homens, para permanecerem eternamente incólumes em seu querer natural, até que outras amantes-vontades venham anavalhar-lhe o regaço, para também morrer bebendo de seu húmus mais fogoso de ser vivido do que de viver.

Se o homem falasse emendado, jamais se compreenderia. É o silêncio ( pausa ) o cansaço da vontade – que nos transcende – que algo tem de ser nítido em nós, mas jamais uma idéia nossa de que precisamos parar para que o próximo nos compreenda. Não. Penso que as coisas valem por si e jamais seriam maleducadas a ponto de interferirem em nossos gritos, mesmo que se ache estúpida e gratuita a noção de que às coisas se possam atribuir tais qualidades. Entretanto, tudo se trata de uma questão de posição: se o homem se põe existencialista, começa a se estabanar ( falo ainda em “falas” ) como indivíduo negador de tudo que não interfira em sua vida – porque êle tem nojo do fenômeno da extensão e odeia tudo que não existe: daí o seu “cantar que é existir” ( como queria Rilke naquêle soneto rancoroso ), cantar amplo, pretensioso mas inseguro porque tôdos o compreendem ao mesmo tempo; se êle se põe essencialista porém, êle tem que pedir com vergonha e sem vergonha concomitantemente; êle tece, em seu mais fundo, uma vingança que independe do vingado, porque é uma invenção retalhada em sua essência, i.é. , não há mundo capaz de suportar seus acontecimentos sem que passe pelas criaturas dêsse mundo um frêmito que é como se fossem viver tão só pela paixão do cérebro que os concebe. Se você mediatar bem, verá que

 

(Interrompi a “invenção” desse tipo de poesia em set. mesmo, por achar inautêntica) F.M.

 

- Seguem notas de pesquisas da época, 1953, sobre a aplicabilidade das teorias da música dodecafônica, apud René Leibowitz, à pretensa poesia dodecafônica.

             Mas:           
            (...) "Se não for dificuldade laica de minha parte, [ ISTO ]está me parecendo com aquela minha proposta de poesia dodecafônica, de um poema meu de 1953, "CANTOX DE TUMENIUS E A POESIA DODECAFÔNICA" , engenhosa mas fantasiosa, interessante apenas e por aquela época como possibilidade teórica, uma esquemática falsidade na transposição dos gêneros (música >>>>>literatura),que eu havia pespegado do livro/plataforma do René Leibowitz sobre música dodecafônica. Aquilo tudo para desmilingüir a melodia, uma decupagem da sintaxe para, na cesura autoritária (diria arbitrária, ce(n)sura) dos versos, "confundir" o sentido, através de um espaçamento  desfigurativo, que era o dos intervalos das alturas ( no meu poema uma cesura desfigurativa que jogava pedaço da palavra para junção com outra. O meu ouvinte ficava atônito, escutando grego (sem trocadilho conceitual ! : há lá frases ilusoriamente gregas...
sucumbàpausaondeofo(...) tovemparaplaníciedoarimanta), mas que era um didatismo do princípio de que uma nota só podia ser re-tocada (e, às, vezes retocada mesmo!) após o uso, nas frases musicais, das 12 alturas. Mas meu leitor, lendo e desprezando o som, pegava todo o sendido, a sintaxe se reaglutinava após o VERSO DE UMA SÍLABA    - VERSO DE DUAS SÍLABAS     - VERSO DE TRÊS SÍLABAS   [...] REDONDILHA MENOR (5) [...] -  REDONDILHA  MAIOR(7)  [...]-DECASSÍLABO- ENDECASSÍLABO - O DODECASSÍLABO  (o ALEXANDRINO) ...  (VOLTA PRA UM, DOIS ETC. ETC.).

            Gonçalves Dias já havia feito um´longo poema com estrofes de todas as estruturas de sílabas, muito engenhoso, compatível com o tema, vou localizar. Mas não "desfigurava" o sentido imediato do entendimento.
 

            Voltando ao meu caso, havia um humor anarquista ( gozado, acho que não há uma linha ou desenho, ou figura, ou que quer que seja que eu tenha feito, que não tenha esse senso de humor cético, quase uma declaração de princípio de que Arte é uma brincadeira...MAS TALVEZ OS GRANDES ARTISTAS MESMO, UM BEETHOVEN, UM RAVEL, UM HITCHCOCK TERIAM CUSPIDO NESTA MINHA AFIRMATIVA... DE IMPOTÊNCIA, TALVEZ...
 

                E o Alban Berg com a ópera Lulu, que atribuiu a cada personagem, de acordo com o timbre, cada uma das séries da escala dodecafônica, apenas para uma convencionalização, mais ou menos similar ao meu falso “ Ó  meupo vosemsé semsombrajá...” ?

***

 

                                 TEMA EXISTENCIAL FALIDO

 

                   Me suicidaram

domingo descanso dos homens.

Morri morte do ritmo, embora

adrede morressem por mim

visões de vida de ritmo na

anamorfose não visual mas da

ceramica do coração. (Segunda feira ressucitaria

no ventre da mulher do polo. E o lamento dos velhos

é sempre consagração.) Deles nasce o embalador estrabismo

sublinhando a normalidade do mediterraneo

prazer da inspiração que mata. E reside

na haste da flor – esôfago onde o beija-flor é um soluço

persistente como a memória

que o percoço da Rainha do Sabá

guardou da bela tiroide.

E eu que sendo flor, a beijo,

e eu que sendo haste, percebo

na oscilação da Morte o favor de todos.

Porisso sou o que nasce e favorece

a ideia das vindas. Parando, fruo,

mas defunto me gasto. E suicidam

(porque morrem com ele) ao homem

que é sugestão vertical

de um ornamento que decora

a propria morte, e eu a sou.

Porisso me bebem, saudando

quem sucumbe ao ritmo,

pois ritmando se embriagam.

E a vida é ritmo, ritmo, ritmo.

                                                  20/I/53

                                                                              (Florivaldo Menezes)

                               [ Nota de 04 de agosto de 2004: acho simplesmente horroroso isso aí, sem noção de ritmo do verso livre – coisa que eu de certa forma dominava, v. em outros poemas – com idéias fortes, temas inusitados, mas esdruxulamente desenvolvidos, muito parecidos com a estapafurdeza dos poemas que o grande pintor Orlando Marcucci perpetrou na última década de sua existência. Eles estão comigo, para que eu os coloque no personagem do poeta .Arthur de Oliveira, precocemente morto, um estimadíssimo, amadíssimo ser de Machado de Assis: Orlando será um “drammatis personae” de Arthur de Oliveira, no meu conto sobre o incesto de Machado de Assis, onde vou desenvolver aqueles temas do incesto mediante ódio à filha, que traz o alheiamento, a desfamiliarização etc. etc. Mais: aquele problema do cafuné na vagina, um lulaby manipulado, digitalizado sonhadoramente ( com linguagem imitada de Machado, para dar ibope, como diz o didascálico crítico Ivan Teixeira; somado à tese “da garganta por onde passa a cerveja passa o vinho” , ou algo parecido, confronte as anotações que fiz à lapis no livrinho do Mário da Silva Brito sobre Oswald – ou está no de Heitor Martins?...) OUTRO ASPECTO: tais insensatezas poéticas – não confundir com o às vezes notável “non sense” – no meu caso, em meus vinte e poucos anos, eram fruto de uma imaturidade formal de assimilação de Drummond como se esse fosse um surrealista, um mautréamont de subúrbio de grande urbes. Ao passo que as degenerações poéticas de Orlando – e em tais degenerações, que tomo no sentido etimológico, em acusar o gênero saindo dele, há inúmeros casos de concepções de imagens nunca vistas, de um outro mundo, causando medo, um medo metafísico de não se saber de onde vêm, como uma alma nascendo ou se extinguindo de sussuros de Lautréamont!, é muito pavoroso! – são típicos de Pintor ( ou qualquer outro artista, mas principalmente Pintor, quando fala, explicita, doutrina sobre Poesia, ou fá-la (sic), enfim daquele que sai de seu código natural (Pintura)... Veja, no Brasil, os casos (similares aos de Orlando) dos enormes Sacilotto, quando falava sobre Música, e do Fiaminghi, quando falava sobre Poesia... embora aqui... não sei não...

                               QUANDO EU DESENVOLVER ISSO NO TEXTO TRONCO DO LIVRO ( ÉSTE É , NÃO SE ESQUEÇA, SOMENTE UMA INTRODUÇÃO, SEM CAPÍTULOS, QUANDO TERMINA A INTRODUÇÃO, TERMINA O LIVRO, TENHA ELE 800 PÁGINAS), NÃO DEVO ESQUECER A TEORIA DO ORLANDO, QUE BATIA COM A  MINHA,  DE QUE A LINGUAGEM DO PAINTBRUSH ( V. MEUS OITENTA E TANTOS DESENHOS) É INERENTE A PAUSAS E CORREÇÕES, COMO UMA PINTURA ESCRITA A LÁPIS E BORRACHA, PORTANTO NADA A HAVER COM A PINTURA...

Veja, como disse logo acima,  os casos, no Brasil, similares aos de Orlando Marcucci, dos enormes Luiz Sacilotto,
quando falava sobre Música, e Ermelindo Fiaminghi, quando falava sobre Poesia... embora aqui... não sei não...
Abaixo, flagrantes de Sacilotto em minha casa, na década de 70, "regendo" Flô Menezes ao piano (na época simplesmente o "Bebê"),
período em que o grande pintor também discutia a Segunda Escola de Viena, principalmente Webern, com muita propriedade.
 

 

to be continued



voltar à página principal