**********

 TRADUÇÕES

 

@ - Tradução / Não vou explicar miudinho / Que cada um advinhe na medida de que isso faz parte da tradução: a transliteração é fácil; a concatenação é que é difícil. Veja “The Waste Land”, como se parecem as 5 ou 6 versões em nossa língua, como se parecem mesmo! Mas uma encaixa mais no que se espera do que outra. Tenho a minha, desse poema, nesta gaveta, lá explicitada a época etc.

 

IP-TRADU.                                                   16-2-97.

                        Algumas coisas que eu vou encontrando no meio de livros, sacolas etc. TRADUÇÕES AVULSAS, esporádicas, para um agrupamento definitivo.

                        “Keats dispôs que o epitáfio Here lies one whose name was writ in water (aqui jaz alguém cujo nome foi escrito na água) ficasse gravado no seu sepulcro.”  (Borges, Introdução à Literatura Inglesa)           

                        O som é de algo que, sorvido pela água, borgulha (borbulha no mergulho, ou mergulha no borbulho), sumindo tristemente: pode ser vertido -- no conceito borgesiano do virtualmente intraduzível:

                        a) Na lápide plúmbea meu nome, de plúvia, se espuma.

                        b) Eis quem não sobra nada além.

                        c) Ávida vida de vidro à vista.

                        d) Eis cujo, cujo nome é sujo.

 

                        NOTAS:

                        a) Dá uma idéia (sonora) de algo jogado n’água.

                        b) Versão puramente parassemântica. Pessimismo só.

                        c) Isto é : existência clara mas errônea (a do próprio K.)

                        d) Os dois  “cujo” : o cúmulo do anonimato, condizente com a função da frase do epitáfio.

 

                        Mas, onde quer que tenha eu conseguido a maior similitude, fui traído, malheureusement, pelo som fechado, quando, no original, o objeto que parece cair n’água é algo de claramente aberto, isto é, eclatant (claro!... sem trocadilho)

 

                        (No João Sehn, 9-6-1986)

 

                        Tradução, exercício de: v. caixinhas ou pastas/sacolas, LIVRO, "A rebours",  "tentativa de  chegar ao nível do excelente".

 

                        @    

                        To be is to do  (Sócrates)

                        To do is to be  (Sartre)

                        To be do be do  (Sinatra)

 

                                   (Visto no filme “Subway”, do Luc Besson)

 

                        ( Ser é fazer

                          Fazer cera

                          Até tu, bidu ? )

 

 

                        @

                        To have and haeven not

                                  (Um hippy para Hemingway)

 

                        ( Meu e não céu )

                                  (Fonetismo debochado de um hippy nosso)

 

Var. do "To have or haeven not", cf. ( "Meu e não céu" ):

 

                                                                                  Meu ou não Cêu

                                                                                  Meu é não cêu  [ os sinais do é e do cêu estão em parêntese ]

 

                                                                                 

 

                                   @ -      Zwei sind

                                   einer zuviel

                                   zum glück

                                   Zwei sind

                                   genug

                                   für ein unglück

                                   har einer

                                   den anderen

                                   zum glück

 

                                   Dois são

                                   um demais

                                   para a felicidade

                                   Dois são

                                   bastantes

                                   para uma infelicidade

                                   quando um

                                   vê no outro

                                   sua felicidade

 

                                                           LETRA DO PERCY:

 

                                                           DOIS PARA UM É DEMAIS

                                                           POR SORTE DOIS É O SUFICIENTE

                                                           POR AZAR UM TEM O OUTRO

                                                           POR SORTE

 

 

@ - ALGUNS POEMAS DE RILKE:

Alguma poesia de RILKE, por mim traduzida em 30, e 31 de dezembro de 50—dia em que cheguei a  São Paulo, de Presidente Prudente, para estudar Direito.

 

SONETOS A ORFEU:

 

UM DEUS O FAZ, MAS DE QUE JEITO, DIZE,

O HOMEM FARÁ, COM TÃO PEQUENA LIRA?

SUA ALMA SE ABRE. E NO AMBÍVIO DAS VIAS

DO CORAÇÃO NÃO HÁ TEMPLO DE APOLO.

 

NÃO É DESEJO O CANTO QUE TU ENSINAS:

NEM ESP´ERANÇA (FALAZ) DE PRETENDENTE.    

CANTAR É EXISTIR. A UM DEUS É FÁCIL.                   

MAS NÓS, QUANDO EXISTIMOS NÓS, E QUANDO

 

SERÃO EM NÓS AS ESTRELAS E A TERRA?

NÃO SE TRATA DE AMAR, RAPAZ, EMBORA

A VOZ TE FORCE A BOCA, - MAS APRENDE

 

A OLVIDAR O AFÃ DO GRITO: PASSA...

CANTAR DE FATO, AH! ÊSSE É UM OUTRO SÔPRO.

RODEANDO NADA. UM VÔO EM DEUS. UM VENTO.

 

→DECASSÍLABO

(30/12/50)

 

NÃO É SENÃO NO ESPAÇO ONDE SE EXULTA, QUE O LAMENTO

PODE VIVER (A NINFA DA CHORADA EMANAÇÃO),

VELANDO, AFIM DE QUE O QUE DE NÓS SE CONDENSA

NO MESMO ROCHEDO PERMANEÇA TRANSLÚCIDO

 

E QUE SUSTENTE OS ALTARES E OS PÓRTICOS.

VEJO, SÔBRE SUAS ESPÁDUAS TRANQÜILHAS, NASCER

A AURORA DE SUA CONSCIÊNCIA DE SER                                    

A MAIS NOVA ENTRE AS IRMÃS NA ALMA.

 

A FELICIDADE SABE E O DESEJO CONFESSA,-

MAS O LAMENTO SÓ AINDA VIGORA; SUAS MÃOS DE MOÇA

CONTAM NOITES, DURANDO O ANCIÃO DESASTRE.

 

MAS DE REPENTE, EM GESTO OBLÍQUO E INEXPERTO

PERCEBE UMA CONSTELAÇÃO DE NOSSA VOZ

NO CÉU QUE SEU ANSEIO NÃO CONTURBA.

 →SEM MÉTRICA 

 

31/12/50

 

Algumas poesias de RAINER MARIA RILKE, por mim traduzidas.

 

“LIVRO DE IMAGENS”

(1899-1905)

 

                HORA GRAVE

 

QUEM QUER QUE CHORE AGORA NUM LUGAR DO MUNDO,

SEM RAZÃO CHORA NO MUNDO,

CHORA SÔBRE MIM.

 

QUEM QUER QUE RIA AGORA EM TAL LUGAR DA NOITE,

SEM RAZÃO SE RI NA NOITE,

RI-SE DE MIM.

 

QUEM QUER QUE MARCHE AGORA NUM LUGAR DO MUNDO,

SEM RAZÃO MARCHA NO MUNDO,

VEM PRA MIM.

 

QUEM QUER QUE MORRA AGORA NUM LUGAR DO MUNDO,

SEM RAZÃO MORRE NO MUNDO,

ME CONTEMPLA.

 

(31/12/50)

 

               OS ANJOS 
 

ÊLES TÊM BOCAS CANSADAS,

ILUMINADAS ALMAS SEM LIMITES,

E UMA NOSTALGIA (TALVEZ DO PECADO)

MUITA VEZ CORTA SEUS SONHOS.

 

E VÃO, POR TANTA SEMELHANÇA UNIDOS,

CALAR-SE JUNTOS NOS JARDINS DE DEUS,

COMO INTERVALOS MUITO NUMEROSOS

EM SUA POTÊNCIA E MELODIA.

 

MAS LOGO QUE SE LARGAM,DE REPENTE, AS ASAS,

PROMOVEM EXULTANTE VENTO:

COMO SE DEUS, COM AS LARGAS MÃOS DE ESTATUÁRIO,

MARCHASSE, ARREBATANDO AS PÁGINAS,

NO LIVRO OBSCURO DA GÊNESE.

(31/12/50)

 

 

“ÚLTIMAS POESIAS”

( ? )

                 MÚSICA

 

MÚSICA: HÁLITO DAS ESTÁTUAS, OU TALVEZ:

SILÊNCIO DAS IMAGENS, LÍNGUA

ONDE TÊM FIM AS LÍNGUAS. TEMPO

PERPENDICULAR AOS CORAÇÕES FUNDIDOS.

 

SENTIMENTOS POR QUE? METAMORFOSE

DE SENTIMENTOS EM QUE? – EM PAISAGEM DE SONS.

- PAÍS ESTRANGEIRO, CORAÇÃO QUE ESCAPA

DE NÓS. O MAIS ÍNTIMO ESPAÇO DE NÓS MESMOS

QUE NOS COBRE, NOS SUPERA

NOS EXPULSA: SAGRADO AFASTAMENTO...

 

NOSSO INTERIOR

NOS CINGE,

COMO UMA DISTÂNCIA PERFEITAMENTE EXERCIDA,

COMO UM REVERSO DE AR.

PURO,

IMENSO,

INABITÁVEL

(31/12/50)

 

 

               EPITÁFIO

                      (composto por Rilke

                      para seu túmulo)

 

ROSA, OH! PURA CONTRADIÇÃO, VOLÚPIA DE NÃO SER

O SONO DE NINGUÉM SOB TANTAS PÁLPEBRAS.

  

RAINER MARIA RILKE

(continuação)

 

Só quem levanta sua lira

em meio das sombras <<<<<<<<<<<<<<<<(ou “trevas”)

pode, pressentindo,

render infinda homenagem.

 

Só aquêle que com os mortos

comeu papoula, do seu,

não perderá nunca, mesmo,

o som mais ligeiro.

 

Tem a miragem no lago

muita vez que se turvar;

conheço a imagem.

 

No império duplo

As vozes se fazem

ternas e sempiternas. 

 

→SEM MÉTRICA

(31/12/50)

  

AQUILO É CELEBRAR, ELEITO AO JÚBILO,

JORROU TAL MINERAL DAS PEDRAS MUDAS.

SEU CORAÇÃO, OH! EFÊMERO LAGAR

DE UM VINHO QUE ESGOTAR NÃO PODE, O HOMEM.

 

MORTE NENHUMA TENTA A INEXTIGUÍVEL

VOZ, SE ELEVADA PELO EXEMPLO DIVO.

SE TORNA VINHAS TUDO E AMADURECE-LHE

A ÚVA AO CORAÇÃO DO FIM SENSÍVEL.          

 

NEM NOS SARCÓFAGOS, OS REIS PUTRÉFAGOS,

NEM PROJETADA A SOMBRA À TERRA, DEUSES

SABERIAM NEGAR SEU BOM TRANSPORTE.

 

POIS É ENTRE OS MENSAGEIROS QUE INDA VIVEM

QUE ATRÁS DOS PÓRTICOS DOS MORTOS SE ERGUEM

CHEIAS TAÇAS DE FRUTOS VENTUROSOS.
 

                →DECASSÍLABO

 (31/12/50)

**********

 

ENQUANTO SE MORRE



 

Peça em 1 ato de Augusto Strindberg

Tradução de Florivaldo  Menezes



Personagens:                   Senhor Durand, proprietário de uma pensão
familiar,   velho    empregado  das    estradas    de    ferro    do    país.
                                           Adèle,           sua          filha,           27            anos.
                                           Annette,      sua          filha,           24            anos.
                                           Thérèse,        sua          filha,          18             anos.
                                           António, tenente no regimento de cavalaria
italiana.

                                           Na     Suissa      Francesa,     cerca    de    1880.

CENARIO: Uma sala de jantar com uma mesa comprida. Através da porta aberta ao fundo, vêem-se, por trás dos cimos de ciprestes de um cemitério, o lago Lêman, os Alpes de Savoie e a vila fluvial francesa de Evian. À esquerda, porta da cozinha. À direita, a porta de entrada.

 



CENA I

 

(Senhor Durand, de pé, olhando o lago com binóculos. Adèle vem da cosinha, com avental, mangas regaçadas; trás o café sobre uma badeja.)
 
ADÈLE – Não foi buscar os pãezinhos ainda, pai?
DURAND -  Não; hoje eu mandei Pierre. Meu peito me dói tanto nestes dias, que nem posso mais subir até lá.
ADÈLE – Ainda Pierre! Mas isso custa três sous! Onde vamos arranjá-los, quando não há um só turista na pensão, há mais de dois meses?
DURAND – É verdade, mas penso que Annette achará um meio de trazer o pão!
ADÉLE – Isto vai arruinar completamente o crédito da casa, mas você não faz mais do que isso!
DURAND – Você também, Adèle.

ADÈLE – É, estou esgotada, mas eu pelo menos tenho agüentado durante todo esse tempo.
DURAND – Bem, é verdade, e tu ainda és humana, enquanto Thérèse e Annette só me torturavam. Eu e você, nós é  que temos sustentado a casa depois que tua mãe morreu. Você ali, grudada no fogão, como uma borralheira, e eu carregado de serviços, varrendo, escovando, acendendo o fogo, indo prá cá, indo pra lá...você está cansada: e eu então?
ADÈLE – Mas tu não tens o direito de estar cansado, quando você tem três crianças sem posição e cujo dote você esbanjou.
DURAND – (ouvindo o que vem de fora) Está ouvindo o sinal de alarme e o barulho dos tambores que vem dos lados de Cully? Se houver fogo, eles estarão perdidos; mas o Foehn se vai logo, eu o vejo sobre o lago.
ADÈLE – Você pagou o seguro de nossa casa?
DURAND – Paguei; senão eu não poderia obter o restante da hipoteca.
ADÈLE – O que é que não está ainda hipotecado?
DURAND – Um quinto do valor assegurado. Mas tu sabes muito bem como as propriedades perderam seu valor depois que colocaram a estrada de ferro para o Leste, longe de nossas portas.
ADÈLE – Bem feito!...
DURAND – (severamente) Adèle! (pausa) Quer acender o forno?
ADÈLE – Não ainda. Sem o pão...
DURAND – Ah, é mesmo.

                                               CENA II

 

 

(Os mesmos, mais Pièrre, que entra com uma cesta)

 

ADÈLE – (remexendo dentro da cesta) Nada de pão! Somente uma conta! Duas, três!
PIERRE – É, o padeiro disse que não vende mais antes de ser pago. E depois, eu passei no açougueiro e no vendeiro, que também mandaram as contas. (Sai Pierre).
ADÈLE – Oh! Meu Deus, ma é o cúmulo! E o que é isto? (abrindo um embrulho)
DURAND – São velas que eu comprei para a missa do meu querido René. É o aniversario de sua morte hoje.
ADÉLE – Para isso você encontra dinheiro!
DURAND – Ora, tenho minhas gorjetas! Não achas então humilhante quue eu seja obrigado a estender a mão quando os viajantes partem...? Me deixa gozar a única satisfação que me resta...possuir minha mágoa uma vez por ano! Viver das recordações do ser mais nobre que a vida me ofereceu.
ADÈLE – Se ele vivesse hoje, tu verias como ele seria bom!
DURAND – É possível que tua ironia mostre a verdade...mas, se me lembro bem, ele não era como vocês são hoje!
ADÈLE – Então, tenha bondade de receber, o senhor mesmo, o sr. Antonio, quando êle vier tomar seu café sem pão! Oh! se mamãe vivesse ainda! Ela acharia sempre um meio de te tirar dos buracos onde o senhor cai.
DURAND – Sim, tua mãe tinha suas qualidades.
ADÈLE – Entretanto, você só via seus defeitos!
DURAND – O senhor Antonio vem vindo! Sai agora, que eu lhe falo!
ADÈLE – Seria melhor que você arranjasse uns cobres emprestados, para evitar o escândalo.
DURAND – Não posso conseguir mais nenhum; tenho pedido emprestado durante dez anos. Que arrebente tudo de uma vez, tudo, tudo, contanto que seja o fim!
ADÈLE – Fim para você, sim! Mas em nós você não pensa.
DURAND – Não, nunca, nunca pensei em vocês! Nunca!
ADÈLE – É? E você ainda fala em nossa educação?
DURAND – Respondo somente a sua reprovação injusta! Vai-te agora, e eu irei acalmar a tempestade, como de costume!
ADÈLE – Como de costume! Hum! (sai ADÈLE )


 

CENA III

 

(Senhor Durand, Antonio)

 

ANTONIO – (entra ao fundo) Bom dia, senhor Durand!
DURAND – Já saiu para um passeio, meu tenente?
ANTONIO – Já. Venho do caminho de Cully, onde eu vi sair a fumaça do chaminé. E agora o café me parecerá  excelente!
DURAND – Não tenho necessidade de lhe dizer o quanto me é penoso ser obrigado a confessar que esta casa, por falta de recursos suficientes, vai ser obrigada a fechar.
ANTONIO – Como?!
DURAND – Pra falar francamente : estamos na falência!
ANTONIO – Mas, caro senhor Durand, não há um meio de vos ajudar a sair desse embaraço, que eu espero que seja temporário?
DURAND – Não, não há; a situação da casa é tão preta de uns anos pra cá, que eu gostaria mais que ela desabasse, do que ficar nesse martírio, noite e dia, pensando no futuro!
ANTONIO -  Ora, penso que o senhor vê as coisas muito pretas!
DURAND – Eu queria saber por que o senhor duvida das minhas palavras.
ANTONIO – É porque eu queria ajudá-lo.
DURAND – Não quero ajuda nenhuma! A miséria ensinará minhas filhas a levarem uma vida diferente desta aqui, que não é outra coisa que um divertimento. Tirando ADÈLE, que se ocupa verdadeiramente da cozinha, o que fazem as outras? – Brincar, cantar, passear e namorar...e, enquanto restar uma migalha de pão nesta casa, jamais elas aprenderão a fazer alguma coisa útil!
ANTONIO – Esta certo, mas até que se liqüide, é preciso que haja algo de que se comer na casa. Se o senhor permitir que eu permaneça ainda um mês, pagarei minha pensão adiantado.
DURAND – Não; lhe agradeço muito. Precisamos chegar ao fim da questão, mesmo que terminemos jogados ao lago. Não posso mais continuar neste negócio que não alimenta seu homem e que só me provoca humilhações. Pensa bem: na primavera passada, a casa ficou vazia por três meses... finalmente, chegou uma família americana, que nos salvou. E logo no dia seguinte, pude ver da escada o filho mais velho que forçava uma de minhas filhas – a THÉRÈSE- querendo abraçá-la. Que teria feito o senhor, no meu lugar?
ANTONIO – (embaraçado) – Não sei...
DURAND – Eu sei o que deveria ter feito como pai...mas, como pai, não o fiz. A próxima vez, saberei o que fazer!
ANTONIO – É justamente por isso que o senhor deveria saber o que vai fazer, e não deixar suas filhas ao azar...
DURAND – Sêo Antonio... O senhor é um rapaz que tenho em simpatia, não sei bem por quê. Que o senhor a julgue bôa ou não, eu lhe peço uma coisa: não dê opinião, qualquer que seja, sôbre minha pessôa ou sôbre minha conduta.
ANTONIO – Prometo, senhor Durand...contanto que o senhor responda a uma só pergunta: o senhor é suisso de nascimento ou não?
DURAND – Sou cidadão suisso!
ANTONIO – Sei, mas... pergunto se o senhor nasceu na Suissa.
DURAND – (inseguro) – Nasci!
ANTONIO – Só perguntei isso, porque...porque...me interessa...entretanto, já que sou obrigado a acreditar quando o senhor diz que a casa vai ser fechada, quero liquidar minha conta. Não devo mais que dez francos, mas não podia partir sem ter regulado meus negócios.
DURAND – Eu não estou perfeitamente certo de quanto seja o montante exato...também, não sou eu que tenho as contas; mas se o senhor me lesar, terá toda a responsabilidade! Agora, vou procurar o pão. Até já! ( sai Durand)


 

                                               CENA IV
 

 

(ANTONIO; pouco depois entra THÉRÈSE, em “peignoir”, trazendo uma ratoeira, , cabelos esparramados. Logo mais, ADÈLE.)

 
THÉRÈSE – Olá, Antonio! Me parece que eu vi o velho!
ANTONIO – Era êle, sim. Disse que ia procurar o pão para o café.
THÉRÈSE – Ainda o pão pro café?! Não é possível, você bem sabe, não se pode mais suportar!
ANTONIO – Você está bem bonita hoje, THÉRÈSE...mas essa ratoeira não te vai bem.
THÉRÈSE – E uma ratoeira dêsse tipo! Eu a armei durante um mês inteirinho e não peguei um só rato. É de manhãzinha, quando vou ver, o queijo tôdo comido... você viu Mimi?
ANTONIO – Diabo de gato! Anda por tôda  a casa, mas hoje, com efeito, se evaporou!
THÉRÈSE – Vê se fala gentilmente dos ausentes e lembre-se de que quem me ama deve amar também o meu gato! (Depõe a ratoeira sôbre a mesa e coloca um recipiente vazio no assoalho sob a mesa) – ADÈLE!...ADÈLE!
ADÈLE – (da soleira da porta da cosinha) – O que é que Madame deseja em tão altos brados?
THÉRÈSE – traga o leite pro meu gato e um naco de queijo para os teus ratos!
ADÈLE – Você bem que pode fazer isso.
THÉRÈSE – Esta é maneira de se responder à Madame?
ADÈLE – É uma resposta! E tu mereces mais... tu que te exibes desmazelada na frente de tôdo mundo!
THÉRÈSE – Bah! Estamos só entre família e...Antonio: vá falar com jeito à “tia” ADÈLE, que você conseguirá o leite pra Mimi. (Antonio hesita) Como é? Não obedeces?
ANTONIO (breve) – Não!
THÉRÈSE – mas que falta de respeito! Quer tomar uma chicotada? 
ANTONIO – Cala a bôca!
THÉRÈSE  (desconcertada) – Mas o que é isso! o que é isso? você quer se aproveitar da minha situação, minha falta, minha fraqueza?
ANTONIO – Não; quero somente te lembrar a minha situação, a minha falta e a minha fraqueza. 
ADÈLE  (coloca o leite num lugar indicado) – Vamos, meus amigos...deixem de histórias e acalmem-se, que eu lhes sirvo um café gostoso!... (ADÈLE torna à cozinha)
THÉRÈSE (chorando, a Antonio) – você esta cansado de mim, Antonio, e quer me abandonar!
ANTONIO – Não chore... teus olhos ficarão tão feios!...
THÉRÈSE -  A menos que êles se tornem tão bonitos como os de Anette...
ANTONIO – Ufa! Agora é Anette! Escuta: brincadeira a parte, - penso que o café já está demorando...
THÉRÈSE – Que bom marido você será, você que não pode esperar o café um minuto!
ANTONIO – E que mulher amável você será...você que não pode fazer uma asneira sem importunar teu marido...


 

                                               CENA V

(Os mesmos, mais Anette, que entra vestida e penteada)

ANETTE -  Aposto que já discutiram logo cedo, hein?
ANTONIO – Puxa! Já está vestida, Anette?
THÉRÈSE – Sim, Anette é perfeita sob tôdo ponto de vista e depois...depois ela tem a vantagem de ser mais velha que eu.
ANETTE – Se tu não fechas o bico...
ANTONIO – Vamos, vamos, seja boazinha, THÉRÈSE! (Elê a toma pela cintura, abraçando-a)

 



                                            CENA VI



(Os mesmos, mais senhor Durand, que aparece à porta e se detém espantado)

DURAND – O que é isso?
THÉRÈSE  (desvenciliando-se) – Isso o quê?
DURAND – Será que enxerguei bem?
THÉRÈSE – Enxergou o quê?
DURAND – Você deixando esse estrangeiro te abraçar.
THÉRÈSE – É mentira!
DURAND – Será que eu perdi a vista, ou você me ousa mentir cinicamente?
THÉRÈSE – Você fala em mentir...você que mente dizendo pra nós e pra tôdo mundo que é você é suisso, quando é francês...
DURAND – Quem é que disse isso?
THÉRÈSE – A mamãe!
DURAND  (a Antonio) – Tenente, já que estamos quites, peço-lhe que se retire desta casa imediatamente! Senão...
ANTONIO – Se não?
DURAND – O sr. escolherá as armas!
ANTONIO – Eu queria saber que armas o senhor escolheria; uma espada de papelão?

DURAND – A  menos que eu prefira a bengala, pego meu fusil da  ultima guerra...
THÉRÈSE – Você esteve na guerra?! Você, o desertor?!
DURAND – Foi tua mãe também que te disse, não é? Não posso me bater com um cadáver, mas que posso esfolar um vivo tornando-o um cadáver!...(suspende a bengala e se precipita para Antonio. THÉRÈSE e Anette se jogam entre os dois)
ANETTE – Pensa no que você faz!
THÉRÈSE – Você ainda acabará num cadafalso!
(Antonio recua até à porta)
ANTONIO – Adeus, senhor Durand, guarde o meu desprezo e os meus dez francos!
DURAND – (tira uma moeda do bolso do casaco, joga-a a Antonio) - que as minhas maldições sigam  seu ouro, animal!
THÉRÈSE E ANETTE – (retendo Antonio) – Não vá! Não vá! O pai vai nos matar!
DURAND (quebrando a bengala) – Quem não pode matar só deve morrer!
ANTONIO – Adeus, e lembrem-se de mim, o ultimo rato dêsse barco que afunda! (sai)


 

                                               CENA VII

(Os mesmos, menos Antonio)



THÉRÈSE (a Durand) – É dessa maneira que você trata um pensionista! Não se alarme agora, se a casa sossobrar!
DURAND – Ham! Dessa maneira!...um pensionista dessa laia! Mas agora...me diga, THÉRÈSE, minha criança...(toma-lhe a cabeça entre as mãos), minha criança adorada...me diga se eu vi mal aquela hora, ou se você mentiu.
THÉRÈSE (carrancuda) – Mas o que?
DURAND – Você sabe o que eu quero dizer. E não é tanto pela coisa em si mesma, que bem que pode ser inocente...o que me interessa é saber se posso confiar nos meus sentidos.
THÉRÈSE – Vamos mudar de assunto, me diga o que nós teremos pra comer e beber hoje...fora disso, não é verdade que ele me abraçou...
DURAND – Não é verdade? Mas, em nome do céu...eu vi bem o que aconteceu!
THÉRÈSE – Então prova!
DURAND – Prova! Com dois testemunhas ou um detetive! (A Anette) – Anette, minha criança, você quer me dizer a verdade?
ANETTE – Eu não vi nada.
DURAND – Bôa resposta...não se deve acusar suas irmãs. Como você está igualzinha a sua mãe hoje, Anette!
ANETTE – Não fale mal de mamãe! Ah, que falta que ela faz, hoje!



                                               CENA VIII

(Os mesmos, mais ADÈLE, que entra trazendo um copo de leite. Coloca-o em cima da mesa)



ADÈLE – Ai está teu leite. E o pão?
DURAND – Hoje não tem pão, minhas meninas...mas amanhã vamos ter, como tivemos até hoje.
THÉRÈSE (retirando bruscamente o copo de leite) – Ha! Vamos ter!!! Com você esbanjando o dinheiro e deixando tuas filhas passar fome!
ADÈLE – Jogou o dinheiro, o miserável! Era preciso interná-lo num asilo de loucos, aquêle dia que a mamãe disse que êle estava caduco! Toma: olha mais uma conta que chegou pela porta da cozinha.

((DURAND olha a conta e recua. Em seguida, enche um copo de água até as bordas, senta-se e acende o pito)

ANETTE – Pra fumar, êle arranja dinheiro!
DURAND (fatigado e submisso) – Minhas queridas, este tabaco nos custou  tanto quanto essa água. Foi presente que me deram há seis meses! Não me deixem ficar nervoso inutilmente!
THÉRÈSE – (tirando-lhe os fósforos) – Os fósforos, pelo menos, você não desperdiçará...
DURAND – Se você soubesse, THÉRÈSE, quantos fósforos gastei quando me levantava, à noite, pra ir ver se você estava dormindo descoberta..., e você, Anette, se soubesse quantas vezes, na ponta dos pés, ia te dar água, quando você chorava de sêde, sabemos que tua mãe tinha por principio que beber fazia mal às crianças...ah!...
THÉRÈSE – Ih! Isso é tão velho que até me faz mal! Depois, não era mais que o seu dever...como você mesmo disse!
DURAND – Está certo...mas eu fiz o meu dver! E mesmo um pouco mais!
ADÈLE – E ainda é uma obrigação... Pois ninguém pode saber o que será de nós! Três criançolas abandonadas sem apôio nem proteção...sem nada para viver. Sabe você a que a miséria pode obrigar?
DURAND – Eu o disse, há dez anos, mas ninguém quiz me ouvir, e há vinte anos atrás eu predisse que este momento devia chegar, mas não pude impedi-lo. Fiquei sozinho tentando freiar um trem que corria para o abismo...mas não pude alcançar a engrenagem da maquina para detê-lo.
THÉRÈSE – E no entanto você exige agradecimentos por nos ter descarrilhado!

DURAND – Não, querida. Quero somente que vocês sejam um pouco menos cruéis para comigo. Para o gato vocês encontram o creme, mas renegam o leite ao próprio pai...que não come...há tanto tempo...
THÉRÈSE – É você então que não deixa uma gôta de leite pro gato?
DURAND – Sou eu, sim!
ANETTE – Quer dizer que é êle que comeu o que tinha na ratoeira?
DURAND – É!
ADÈLE – Que animal imundo!
THÉRÈSE (ri) – Pensa se houvesse veneno debaixo!!!
DURAND – Ah, se somente houvesse, é o que você quer dizer!...
THÉRÈSE – Ham! Que mal queria você, que disse a vida tôda que meteria uma bala na cabeça, mas que nunca meteu!...
DURAND – “Por que você não enfia uma bala na cabeça?” é uma direta! É uma direta, não é? Sim, sabe porque eu não fiz? Pra que vocês não fossem obrigados a se afogar, minhas filhinhas!...dis mais uma malvadeza, dis! É como se eu sentisse aquela música, aqueles ares conhecidos...dos bons velhos tempos...
ADÈLE – Deixa de palavrório inútil! Faça alguma coisa. Faça alguma coisa!
THÉRÈSE – Sabe o que pode acontecer se, nos deixar assim?
DURAND – Vão se prostituir, não é? Sua mãe sempre dizia, quando esbanjava o dinheiro em bilhete de loteria.
ADÈLE – Cale-se! E nem mais uma palavra sobre nôssa mãe adorada!
DURAND (balbuciando consigo mesmo) – Acende-se uma vela aqui dentro...e quando ela pegar fogo...será o fim! E logo virá o Foehn numa algazarra louca!  Sim! – Não!

(O vento se agita, fora, e o céu se cobre)
  
DURAND  (levanta-se estrepitosamente. A ADÈLE) – Vai acender o fogo! O Foehn vem ai!
ADÈLE (olhando-o nos olhos) – Que? Foehn aonde?
DURAND – Acende o fogo! Se houver incêndio lá, nós não receberemos nem um níquel do seguro. Vai acender o fogo, te peço! Vai!
ADÈLE – Não estou te entendendo.
DURAND (Olha-a nos olhos tomando-lhe as mãos) – Mas me obedeça! Faça o que eu digo!

(ADÈLE sai pela cozinha, deixando a porta aberta)
DURAND (a THÉRÈSE e a Anette) – Vão fechar suas janelas, minhas crianças...e as cortinas...fechem bem! Mas venham antes me abraçar...vou viajar...trazer o dinheiro pra vocês!
THÉRÈSE – Vai buscar dinheiro?...
DURAND – Tenho uma apólice de seguro de minha vida e vou cobrá-la.
THÉRÈSE – Quanto é?
DURAND – Seicentos francos se eu a vendo, e cinco mil se morro...
(THÉRÈSE nêste momento se encabula)
DURAND – Me diga, querida...não, não vamos ser cruéis inutilmente. Vem cá THÉRÈSE, você gosta tanto do Antonio?... Será muito infeliz se o perder?
THÉRÈSE – Serei!
DURAND – Então, deve casar com êle...se êle te ama, é claro! Mas nunca, nunca se lhe seja malvada, porque então será infeliz extremamente! Adeus, querida...querida! (êle a toma nos braços, apertando-lhe a cabeça contra o peito, afetuosamente).
THÉRÈSE – Mas não é preciso morrer, pai! Não é preciso!
DURAND – Então você não me deixa ganhar a paz?
THÉRÈSE – Deixo...já que você mesmo deseja!... Me perdoa, pai, por tôdas as vezes que fui ruim.
DURAND – Ora, isso não é nada, minha criança!
THÉRÈSE – Mas ninguém foi mais malvada que eu!
DURAND – Eu não senti quase nada...porque você era a que eu amava mais; não sei por que! Agora vai, vai fechar as janelas.
THÉRÈSE – Toma os fósforos, papai! E aqui está o leite.
DURAND (sorrindo) – Ah, menina!
THÉRÈSE – Ué! O que é que eu devo fazer? Não tenho outra coisa pra te dar.
DURAND – Você me deu tanta alegria sendo criança, que não me deve mais nada.  Vai agora! Me dá somente um olhar amoroso, como antes!

(THÉRÈSE sai, mas  logo retorna, atirando-se em seus braços)

DURAND – Vai, vai, filha! Não há nada!...

(THÉRÈSE sai correndo)


                                                           CENA IX
(DURAND E ANETTE. Depois, ADÈLE)

DURAND – Adeus Anette!
ANETTE – Você vai embora, não entendo por que.
DURAND – Vou viajar.
ANETTE – Mas você volta, não é, papai?
DURAND- Ninguém sabe se vive até amanhã; em tôdo caso, podemos despedir...
ANETTE – E então, adeus, pai! E bôa viagem! Diga se não vai se esquecer de nos comprar alguma coisa, como você sempre fazia, antigamente?

(Sai Adèle)
DURAND – Você se lembra...e no entanto, há quanto tempo que não trago mais nada para as crianças! Adeus, minha Anette (balbuciando consigo mesmo) – No mal e no bem, no grande e no pequeno, e lá onde você semeou, outros colherão!

(ADÈLE entra)

 

DURAND – ADÈLE! Agora você vai me ouvir...e compreender! Se eu falo em meias palavras é unicamente para livrar tua consciência de  saber demais. Fica sossegada, que as crianças estão nos quartos. Pergunta primeiro: “você tem seguro de vida?”. Vamos!
ADÈLE – (hesitante, incerta) – “Você tem seguro de vida?”
DURAND – não;  eu tinha  um ...mas vendi depois de certo tempo, porque parecia sentir que alguém esperava impacientemente o pagamento. Em compensação, tenho um seguro contra incêndio. Olha a apólice. Esconde com cuidado! Agora te pergunto: sabe quantas velas tem um pacote de 75 cêntimos?
ADÈLE – Seis.
DURAND (indicando o pacote de velas) – E ai...quantas há?
ADÈLE – Cinco somente.
DURAND – Porque a que falta está lá, bem encima, perto de...
ADÈLE – De Jesus Cristo!
DURAND (consultando o relógio) – Dentro de de cinco minutos a casa será queimada.
ADÈLE – Não!
DURAND – Sim! Você está notando alguma outra luz na noite? Não! Então...justamente pra calhar. Agora, uma outra questão: se o senhor Durand deixa êste mundo como um...(cochichando) incendiário, isso não tem importância; mas que êle viveu até hoje como um homem honrado, suas filhas devem saber. Bem...nasci na França...mas não era obrigado a dizer ao primeiro marôto que me aparecesse! Pouco antes da época do alistamento, me apaixonei por aquela que, mais tarde, seria minha mulher. Pra podermos casar, viemos para cá, onde nos naturalizamos. Quando arrebentou a última guerra, e como eu temia ter que empunhar arma contra a minha pátria, me incorporei como franco-atirador contra os alemães! Como você vê, não desertei... tua mãe é que inventou essa historia!...
ADÈLE – Minha mãe nunca mentiu!
DURAND – Pronto! Outra vez o cadáver se meteu entre nós.


                                                           FIM

 

**********

 

@ - Verlaine / “Chanson d´Automne”.

         O violão, ausente do original, onde um violino soluçante embala uma canção triste, no poema “Chanson d´Automne”, é figura principal nesta versão que fiz do poema, na déc. de 70.                      

         Acho que a denominei Blumenbosque, que era como me chamava seu criador, meu queridíssimo e saudoso Jacob Leiner, revelando-me que meu nome era uma versão/tradução/versão: Blumenbosque ( Florivaldo )   : Uma versão : FLOR = BLUMEN, juntada a uma tradução : WALD = BOSQUE. Então...Florwald.

         Veja-se a versão do “sanglotlong” como uma tradução desdobrável, pois as duas outras estrofes são correspondentes temáticas, ideológicas, da tradução da primeira estrofe (trad. onde há uma estrofe repetindo,  aparentemente, a 1ª estrofe,  mas refletindo as duas outras estrofes do poema).

                            O morno outono

                            de longa calma

                            soliloquaz

                            enche minh´alma

                            de um solussono

                            faz e nefaz.

 

                            Os mornos tons

                            de um só violão

                            soliloquaz

                            dão outros dons

                            ao coração

                            que se desfaz.

 

                            O solilouco

                            som do silêncio

                            outonal

                            deixa-me um pouco

                            só e refém

                            se o tom é mau.

 

         Depois, com uma posição para violão, de método de posicionamento dos dedos, estudar as notas que sugiram os sons das palavras, para dar a frase:

                            Só o sangue ao longe

                            me dá a distância

                            que vai do corpo

                            à alma exangue. >>>>>>>>>>>>>>>de tal sorte que a tirada da nota da última sílaba do primeiro verso ressoe, na mesma corda, na primeira sílaba do segundo verso ( ge...me!)

 

**********

 

@ -      “Men seldom make passes

            at girls who wear glasses.” (De quem mesmo? V. agendas antigas)

 

            “Os homens não pensam em ósculos

            com moças que usam óculos.”

      

Ou:     “Homens não pensam em ósculos

          com moças que usam óculos.”        :ACHO QUE MELHOR ASSIM.

 

Geoffrey Chaucer, por mim, déc. de 50, cf. p. 24  de “Anthologie de la Poésie Anglaise”, par Louis Casamien, STOCK.

 

*********************

 

Poesia Persa :  de Rumi ou do místico Attar-e Neyshabury?

( Tradução livre em prosa ( deve ser?!...)

 

Seres amantes (os seres no Amor) têm suas metades na Tristeza:

metade da tristeza é um morrer e não ver que é ser lembrado.

A outra metade é a de quem fica e que da outra metade se lembra,

Mas que vale só metade...

E a grande tristeza (impossível ser metades daquela segunda metade), quando não mais um se lembrar do outro. Restar em algo assim como um vazio num grande vácuo, um Sol cegante sobre uma árvore sem sombra. Uma paisagem japoneza (sic) em preto e branco, ainda não saída do pincel, pois não há paisagem japonesa retratando Céu nem Inferno.

 

Duas metades da Vida:

“Um nada puxado pra baixo”

Ou

Atri futruqui

Ficari funuqui

 

Atri futruqui

Ficari funuqui

 

Nota do tradutor: Apesar da abstração, e do caráter místico do poema ( o que me divide entre Rumi e o místico Attar-e Neyshabury, não achei versão compatível em nenhuma das línguas de que me socorri ao longo da tradução, para o dístico, repetido, acima.

( BASE DA ELOCUBRAÇÃO EXTRAÍDA DA” FITINHA N. 9, LADO B, VIDE “gaveta “FITINHAS” do Site
 (
www.asdfg-menezes.org )
 

                                                                               *********************
 

-         (Na minha tradução de 1950 (1949?) de “The Waste Land” (Eliot), lá no Umuarama Hotel,. em Campos do Jorão, surpreendido por uma moça culta e bonita, que se espantou:

 

-         ( Pegando o gancho do intróito da 4ª  capa da “Anthologie de la poésie chinoise classique”, de Paul Demiéville, Gallimard, 1962):

-          

Pra gô vernar um país grande, na toada do taoismo, é preciso toda a delicadeza  e agilidade das mão de um mestre-cuca que saiba fritar pastéis no ponto. O mesmo se pode dizer da poesia chinesa: quem a malabordar estará frito.

                        É preciso uma iniciação.   

                        Tentarei indicar aqui algumas precauções re-comendáveis ao leitor não-chin.

                        A poesia na China anda por todo o canto. No baobucio dos pequininos, onde os folclowristas colhem florações chinesgotáveis; na boca dos campomeses e dos opiorários, que arroztam suas penas escandentemente, suas coisas sérias ou meras bambuzeiras; na goela do conde-nado à forca que, tal como o heroi de um célebre conto moderno, entoa um trecho de ópera no próprio lugar de sua execução          (ver onde a continuação. N. de 13-02-04)

 

                                                                                  ***********

 

                        - V. aquela idéia de verter um poema para o inglês, pedir a fulano que traduza para o português, pedir a sicrano que verta para o francês, pedir a beltrano que traduza para o português, pedir a mengano que verta para o espanhol, versão esta que será traduzida para o português... no fim comparar tudo!

 

 

**********

 

"O Corvo"

 

“Carta”, lida ao telefone ao Ivan Teixeira, sobre e na noite em que esbocei  esta versão d´ “O Corvo”.

Pouco tempo depois, Ivan morreu.

Ele era meu exemplo de Didascálico, gênero ( espécie?!...) que, nem bem definida em suas origens ( inicialmente instruções que os autores de teatro na Grécia davam aos intérpretes das respectivas obras), já sumiu do mapa desde que os “estruturalismos” e outros avantesmas que passaram a desincompatibilizar, e assustar, o Subjetivismo ( pena...), fizeram-no  debandar... com outros “desvios” da Retórica, ou pelo menos da Crítica, por sua sedução-ameaça como método...

Examinando bem, não consigo distinguir, por natureza, um crítico didascálico, ou que passou a não existir mais;  e o norteamento didático da encenação, nas artes da mimese,  restringiu-se à tarefa dos diretores de cena, através da “marcação” ( teatro) , absorvida no Cinema pelo poderio das câmeras com seus closes e travelings...

Em nosso país, em eras “pré-universitárias" e onde ainda não nascera um New Criticism ou a  permuta dos Colleges, uma trinca como Mário de Andrade, Otto Maria Carpeaux e Antonio Houaiss, nas abordagens cronologicamente dissociadas e às vezes díspares em suas conceituações estéticas, se ligavam pela clareza ideólogica, pelas descobertas objetivas, naquela direção historicista, e somente, exclusivamente!, pelo valor individual  poderiam irmanar-se, “fazer escola”, como hoje em dia se poderiam irmanar, quando “traduzidos” ,  Luckás e Adorno, Cony e Hélio Pellegrino...

E ninguém “se dava conta!”

Sempre me atrevi a dizer a Ivan Teixeira que Mário de Andrade estava a seu lado, eu o via, mas isso incomodava Ivan um tantinho, ( e  tal “rejeição” sempre e muito incomodou a mim, realmente!); e que sua crítica linear ( sic?!) não tão alusiva, mas exemplificativa, era, na aparência – e  no fundo! – uma virtude ímpar do Didatismo; que não teria (e por quê?!) de envergonhar-se da falta ou descaso – desprezo até – das citações, das amarrações que ele, Ivan, guardava, com certa nonchalance, para suas aulas do Cursinho do Anglo, onde, bem antes da titularidade da USP, e de suas aulas no Texas, era adorado, direi ovacionado, pela meninada e por seus colegas de bancada .

1.    Continuamente lhe indagava – e disso são testemunhas, por formas indiretas mas insidiosas, muitas de minhas missivas, cf. “gaveta” CARTAS do Site (www.asdfg-menezes.org) – o porquê dessa desfiliação . Eu sempre de forma aleatória, podendo ser até irresponsável, ele com  a profundidade de que nunca abriu nem abriria mão, séria, alicerçada, (até sem nenhum humor em cada nova tarefa ou projeto que fosse empreender!) como se fosse preparar-se para mais uma empreitada definitiva, gigantesca, GIGANTE mesmo, nos moldes do já clássico, secular e canônico “MECENATO POMBALINO E POESIA NEOCLÁSSICA”, Edusp, 1999.

Eu diria já: partindo de uma “poética do encômio”, aquela que no fundo principalmente veio a justificar a oficial Poesia da Invenção, que Ivan como ninguém destrincha ( consulte-se Revista USP N. 36, dezembro- janeiro-fevereiro 1997-1998, Dossiê Guimarães Rosa), com seus desdobramentos em inúmeros países da “modernidade contemporânea”(data venia remeto-me a passagem da Introdução de meu Site www.asdfg-menezes-org, em que distinguo moderno de contemporâneo, sugerindo-lhe os marcos); “escola” esta que Ivan Teixeira foi , talvez o primeiro, o que mais nitidamente embasou-lhe os postulados, que  incorporava a paráfrase, a paródia, a poesia-bula e até o plágio, poesias de explícitas e implícitas remissibilidades, de auto-referências, amarras pseudo históricas etc. ( em seus dois maiores expoentes, Eliot e Pound).

Abro nesta parafernália de parênteses, outro importantíssimo no qual vejo a argúcia  do imenso Antonio Candido pespegando todos estes postulados em sua visão da “História” da Literatura Brasileira...

2.    Então a “Poesia da Invenção”, com nascedouro no Barroco e base pre- modernista de todo e qualquer make it new ( e  metalinguagem invocada), foi base, até com seus Gôngoras e soror Juana Inés de la Cruz, sem esquecer Quixote, para tudo que há de alusivo, entrelaçado e des-moralizante   [/desfigurante] na Literatura!

Sua nascente, sem dúvida é no Barroco, pois só daí, com sua virtude principal que passou a ser a metalinguística, poderia derivar-se e espalhar-se pelo mundo afora...nos moldes da música da época.

3.     (E Glenn Gould pôs na boca de Bach que o Barroco dando cada passo pra trás dava dois pra frente...)

4.    Neste parêntese atrevo-me  a afirmar que só a Música do Barroco permite-se as insidiosas desligações de períodos, compassos, mudança de assunto na mesma “página”,  estabelecendo-se emendas que, feitas para gozar,  remetem-se às lagrimas ( lágrimas estas independentes de suas ligações com as tonalidades, como Aloys Greither imputou a Mozart, no clássico, e por coincidência “gozativo” livro “Mozart”, Piccola Biblioteca Einaudi, 1968.)

5.    Música de retalhos que dificultam fusões , “acalmam” e codificam as pausas e outras características da escuta, tanto musical como literária.

6.   

A Vivaldi,  este um pouco obliterado, em seu gigantismo, por “enredos”do conteúdo , talvez não tenha sido dada a devida atenção a seus inúmeros e primordiais lances de “vanguarda”,  tais como “PARECETANGO!”, in CD anexado à “Revista Classics”, “VIVALDI E OUTROS IN SOUNDS 2001-2003”; passagens, in “AS QUATRO ESTAÇÕES”, que parecem “resgatadas”, na leitura do conjunto da Orquestra Sinfônica do Concert Hall de Berlim ( síncopes, alternância de compassos na mesma frase, ênfases em alguns contratempos, mudanças de tonalidade e – o principal – diversas passagens, inclusive a da “abertura” da Primeira Estação, em puro e demorado  Minimalismo...

 

Vivas ao Barroco de Tartini nas aparições do que seria a sonata-forma  e principalmente ao mais metalinguístico desse grupo, Corelli, o Mahler do Barroco! ( E a Partita n.1 para violino solo, do maior dos gênios da Música, que descaracterizou o Barroco, sem despir-se de suas vestes??!!)

 

Já na “gaveta” Introdução deste Site procuro deslocar Ivan das companhias não citadas, um PAULO HENRIQUES BRITTO, CRÍTICO-MOR DA TRADUÇÃO POÉTICA; HAROLDO DE CAMPOS E AS ALEGRIAS PRÉ FUTURAS DO BARROCO ( tempus allegro...), MÁRIO CHAMIE NOS ELEGANTES E FERINOS INSIGHTS DA INTUIÇÃO!, AMARRADA NOS “VERDADEIROS RACIOCÍNIOS DE SÃO THOMÁS”; da disciplina judicativa, pundonorosa e moral ( não falo ética!!!)  de um Antonio Candido; de uma crítica de Cultura monitorada até alta concentração, que não raro e  contraditoriamente beira à reação, de um Nélson Ascher , que o leitor não sabe se   lê na Poesia ou na Crítica...

7.     

8.    Para terminar arrisco que Ivan Teixeira foi o primeiro, sem a menor dúvida, a perceber o fenômeno como tópico principal, retirando a “escola” do plano inferior, de mero patamar da Paródia palmar, se se percebe que isto existe...

Ele foi único, histórico, globalizante, filosófico, o de maior cultura no comparativismo, o que primeiro e melhor ( desculpe-me nosso grande Antonio Candido)  descobriu a primeira raiz das críticas conceitualistas, que viriam, por exemplo , a absorver  ( numa espécie de exumação ao contrário) a verdade insofismável e frutificante da Arte da Invenção.

Em tal sentido, v. o que Ivan, antes da maravilhosa introdução e levantamento da edição crítica que fez de IPÊ, de José de Alencar, já havia espalhado nesse sentido, em sua incontável colaboração em jornais e revistas, aqui e no Exterior.

 

 ( TERMINADO O PORTRAIT DE IVAN, FECHO COM O RECOMEÇO DA CARTA.)

                      

Voltando à carta, Ivan, quando sempre penso que vou morrer logo, recebo uma idéia, e acolho-a, menos humilde que temeroso, como uma pausa, nunca como um adiamento.

A você confesso, meu querido amigo, talvez só a você, tenho andado mal, tanto das pernas como das penas, no primeiro caso um fortuito trocadilho de costumes?, mas baseado na neuro-ortopedia, coisa mais terrena..., no segundo um pesado sentimento pela finitude... muito triste.

Você... acho que diagnosticou, muito delicadamente, a razão de minhas recentes tristezas, mas que vêm crescendo  cada vez mais, procurando balancear, positivamente, minhas fortitudes vitais, meu elã, meu entusiasmo, com as fraquezas de uns tempos pra cá: você é muito bom, um cara sem ressentimentos.

Tenho sentido que não sou nem sombra daquele esfusiante conviva social que, sinto, até pouco tempo encantava, tanto pelo bom como pelo mau, a todos os meus amigos.

Mas vamos tocando na esperança de resquícios na poerinha das almas do Universo. Há-de-se ter pena no final dos tempos...mesmo que isso seja um simbólico que conforta.

Continuo acreditando naquilo tudo do qual não tenho a mínima idéia de existência, parece que isto me tem a salvo: imagine-me conversando, Ivan, com aquele, apócrifo? mas magnífico heterônimo do Fernando Pessoa que surgiu escondidinho por último.

Como é o nome dele mesmo? Estou longe dos dados de consulta. ( Posteriormente: Bernardo Soares...)

@@@@@@@@

Olha Ivan, a idéia recebida é a seguinte:

Um corvo: ( sempre) devorador do destratado, o engole-podre, arghistão das horas da digestão mental, aquelas “religiosas”, que é quando pensamos no que já perdemos.

Um corvo: em qualquer língua e país é negrossempre, melhor que nigromante: em sua negra curiosidade somos salvos de sermos comidos ainda com vida e sentimos isso mais a fundo e quando se pode, geograficamente, encarná-lo (traduzi-los) nas  cores pretas, parece que pousa sempre nas evocações de povo que tenha uus (u). Urubu no nosso caso.

 

@@@@@@@@@@@@

 

Poe põe poem. ( esse õ  é um olho, já fotografado há trinta anos em meus projetos, encimado pela sobrancelha ( til ). Quando ia publicá-lo avulsamente, o Décio coloca num livro de teoria o seguinte: Poe põe poet. O danado enxergou quase todas as possibilidades da expressão poética. Já digo isso em seu portrait, vide Site...

Mas, além disso, a Autoria Digital acabou com a noção de dono da idéia ou do registro, seja lá este assemelhado ou às vezes até ao pé da letra. A Internet acabou com isso tudo, você tem que entrar na aceitação e/ou conformismo. Veja só o exemplo que segue, onde comento um caso de semelhança, ou simplesmente de similitude... VEJA ESSA:

AÍ PERGUNTO: Quem é o autor?

R.:  FIS, i.e., From  is see. Coloque o FIS em tudo, tenha ou não feito no feito. Está justificado...

 

@@@@@@@@@@@@

 

 

E quando menos se espera

àquela estante crucial,

do quem não diz a que vem,

 invade o aposento de quem

vigia a própria insônia

( o era que não quer nada...)

 mas que se espanta por hora e

vez de horas tantas e vê

na escuridão, nem tanto, da sala

frases de uma tradução

em vernáculo catada

(Gondim, Machado, Pessoa?

(Um grande branco no preto

Suprimidas as consoantes

só olhos- vogais voando

dando só pra ver um corvo

numa fátua frase inglesa...

 

@@@@@@@@@@@@

 

Em seguida a uma estância de Pessoa, os versos correspondentes do original inglês,   mesma tipologia, só que em negro normal, como se lemos, fundo branco normal da página, mesma tipologia, mesmo tamanho,  só que desta vez com todos os éles ( = l   l   l  ) suprimidos... e veja como é que o sentido se capta!

@@@@@@@@@@@@

 

Tento arranjar um sentido (mas que seja normativo, não só para este caso) para a arte que invade a vida sem que esta entenda direito; e o suporte visual, só visual, da vida que, ao ser entendida pela arte, se consome... : a não gratidão de uma pela outra, e esta injustiça justifica a alforria do lutus ludus lutus ( tudo na quarta declinação (latina), que igualava tudo...)

Então,,, quod erat demonstrandum???...

 

@@@@@@@@@@@@

 

Ao final, ainda na penumbra, ( n´algum lugar: ACRO-CITAR / colocar “acrósticos”; tb. acrocitar= cantar de corvo), no pé da pagina, como pé do poema, o dístico:

 

L     nunca mais       revem [ Ele, corvo, nunca mais revém)

 

 

********************

[ Nota de 07-9-12, que talvez não devesse ser exposto agora, mas são coisas de making off: ]

...” à luz apagada da sala, ele não encontra estorvo para desdizer-se um corvo, na renitência da pergunta.. Porquê tão branco algo que parece um corvo?!     Luz na brancura, mais para assustar do que para iludir. Para tingir-se de negro sequer exige plena escuridão, ele já pleno de um nigromante exvoaçado )                         exige a plena escuridão para brilhar os olhos { Aí começa o jogo das transmutações:  / do claro para o escuro / da enervação do Autor para entender a linguagem do corvo/ e dele para fazer-se entender. // Crocitar as letras de “Rosa”, que algum corvo do nonsense pousou sobre a música de Pixinguinha ( letra da mesma natureza da do corvo, ambas dos maiores bestialógicos da Poesia ) ...Característica do não  entendimento...QUE É A INTENÇÃO DE POE = deixar só para as traduções a compreensão verdadeira,  um jogo no acaso, um lance de dados no escuro...]

**********

 

    Estou somente concebendo uma versão ( existem zilhões pelas línguas afora) , d´ “O Corvo” ( “The Raven”), do colega Edgar Allan Poe, para moldar um corpo sem esqueleto e que se desconfigure em qualquer mão.

    Mexo, como se vê, com a escuridão das fontes tipográficas do computer  ( inversão em algumas passagens, com a escrita branca sobre fundo preto), e me atrevo a dizer que O Corvo é um poema genialíssimo mas para ser declamado , não tem conteúdo algum, é um mero tropo de Retórica chamado Bestialógico, tudo muito bonito, versos tecnicamente esplendorosos, dos maiores da língua inglesa, dizem, mas sem nenhuma transcendentalidade , nem mesmo significação vital...

    É exatamente a bestialogia da letra “Rosa” da canção do genial Pixinguinha , colocada por um caminhoneiro, também genial pela involuntariedade e estapafúrdio, um lindo lindo lindo sem nexo, por pouco um nonsense , mas que encanta todo mundo que a ouve ou mesmo canta...

    Aliás, Poe se impôs recitando-o em festinhas dos “pubs” grã-finos dos EUA) devido à imposição de uma métrica relativamente nova, e muito sonora pelas cesuras soluçantes dos jambos e o resultado destes em ditirambos meio difíceis de se transporem para o português, mas não impossíveis.

    "Bernardo Guimarães – o jovem BG -- foi um dos introdutores do bestialógico ( ou pantagruélico) no Brasil. Os versos bestialógicos são destituídos de qualquer sentido, mas são bem metrificados, são bem feitos. ( = asneirento, tolo, bombástico. Discurso asnático; anfiguri)” (apud Google)

    Eu diria que Bestialógico é o específico da genérica bestialogia...

@@@@

    Procurei dar à versão um caráter de making off , para mim um  método de explicar o vazio – e aqui cai bem -- , eis que lida com o avant, com a concepção, que a realização da obra impede de aparecer. Enunciações, enunciações, enunciações; veja se “Os Lusíadas”  precisa de making off...

 

**********

Quem? Quem?Quem???!

Um pato?!

(Vinha grasnando alegremente?!)

(Quem?! Quem?!)

E de uma altura impertinente

Subiu

Bem sobre a estátua da Minerva,

Minerva!

Minerva!!

E agora

Quem paga o pato dessa aflora

 (Leonor, Leonora?, por quem chora?

Alguém voando passo afora??)

 

E

O          o v o

 

[Dessa (com)fissão do branco no preto

“Preto no branco” dessa confissão

Mais me alvoroço                 e o  ao  o e

= Um corvo veio voando!

e assim se   assenta

na fronte fria da Minerva.

(Só de pensar este devir me enerva.)

 

a  e  a  a  i e  a

 ó  e  e  a  e  e  e i   e e e  a.

 

O    you!       A  ove your country

 

= The beast´s best alogical form is, beat, beat, beat! E never more!

E assim, batendo as asas contra o próprio corpo, até então fechadas

E em pose de fachada

Faz expelir [ arranjar outro verbo ?] de si

Única túnica que tudo acaba e tudo justifica o nunca mais         um

Never more!

What raven!!!                            Que raiva!!!

What raven!!!                         Que raiva!!!                           

[ No bico que carrega o quequereis de mim e o quequereis de ti

Consoantes as [ suprimir o artigo?] quimeras quireras...

Pergunto eu: és por acaso o devorador do engole-podre,

Lá pro arghistão das horas da digestão mental,

Sim... nestas altas horas baixas

 

que é quando pensamos no que já perdemos?

E que queres trazer pr´este não mais voltar?

 

E ele  - Nunca mais!

 

Negrossempre nigromante,

É o que me trazes? = sermos salvos de sermos

comidos ainda com vida?

E ele sempre: – Nunca mais...

Minha mais negra curiosidade = 

geograficamente encarná-lo

mesmo na [ numa]chambre escura

sem a alvura de ancestral

nas  cores pretas?

(= Nos povos que tenham us !)  

Nosso urubu no nosso caso. E ele: - Nunca mais !

 

Poe põe poem.

E o corvo sempre a me olhar: esse õ  é um olho?

E o til, de mera sõbrancelha?

que pisca quando menos se despera

do quem não diz a que vem

mas que se espanta em hora e vez

de horas tantas mas que vê:

 

E eu cada vez pensava:

Eu, sim, que nunca mais!...

 

E eu cada vez pensava:

[Eu, hein? Eu, sim,  que nunca mais!...]

 

E derrepente, muito derrepente, parece que ouço atrás:

(  - Se um urubu pousou na minha sorte?

   - Mais negro do que as asas da graúna?                                   ( o que vem em vermelho abaixo, talvez seja suprimido)

   - Mais negro do que as asas do urubu?! ) ,               

 

E derrepente, não mais que derrepente, parece que ouço atrás, soando como rosa (sic ! mas uma rosa é uma rosa é uma rosa - :

 

Estátua majestosa do amor
            Estátua magistral: oh alma perenal
Se Deus me fora tão clemente
Aqui nesse ambiente de luz(sic sic)
                                                      Que na vida é preferida pelo beija-flor

E nunca, never! por um urubu!
Em vozes tão dolentes como um sonho em flor
Tu és a forma ideal
És tudo enfim que tem de belo
                                                    Em todo resplendor da santa natureza

 

És láctea estrela
És mãe da realeza

 

 

[ E o “sepultas o amor” ??? ]

 

 

 

O          o v o

 

***

O o           

O O        o o      vv oo   

 

Abre um só olho                 e encara-me de frente

Logo em seguida aquele olhar descrente

E aponta para o espelho onde se vê

nas asas desdobrar-se em vôos de ovos negros

 

[ Diz Janaína, em 17-12-13, que conhece ovos negros ( o chinês enterrra ovos de pato que ficam negros para comer)

@@@@@@@@@

 

Um grasnado sombrio“sobrenaturalmente” me instigou a perguntar por minha amada.

Que nunca amei quem nunca foi amada:

 

( Uma amada é sempre pretexto para preencher um vazio escuro...)

Nem soube se era Leonor ou Leonora,

A mesma coisa, embora

Nenhum nenhuma mais lembre por quem chora

Se loucos de todo gênero,

Por eles, elas e êlas

Naquela escuridão medonha

Que acalentava um sonolento sonho

 

x.x.x.x.x.x.x.x.x.

(16,17em13-5-2014.

13-5-14.                                                                                                  PenDrive.  ( ? ,31-3-14...)

 

 

**********

 

 

The Waste Land” (Eliot)

 

Notas, atuais, às Notas da época da tradução

 

Na minha tradução de 1950 (1949? 1951?), de “The Waste Land” (Eliot), que se vê abaixo, feita lá no Umuarama Hotel,. em Campos do Jordão, fui surpreendido  por uma moça culta e bonita, que se espantou:

-       O que?!, traduzinho Eliot ... e esse poema?! Moço... Intelectual! Também tenho um irmão que gosta (e faz ) essas coisas! ( mais tarde contou-me detalhes, tratava-se de um rapaz chamado Décio Pignatari.)

-     Precisar, exatamente, o ano da tradução, ficou muito difícil, pois, em minha juventude, morando em Presidente Prudente, passava minhas férias escolares ora em São Paulo, ora em Campos do Jordão, hospedando-me no Umuarama Hotel, então de propriedade do Mackenzie e gerenciado por um casal suiço( Daniel e Clara) de quem me afeiçoei filialmente e que tragicamente perdeu sua única filha numa queda de cavalo.

      - Lá conheci também algumas figuras ilustres da sociedade médica e política, entre eles o celebrado médico Oscar da Rocha von Pfull, autor de importantes ensaios sobre teatro, especialmente o brasileiro, cuja ideologia muito nos atraiu e aproximou, apesar da diferença considerável de idade ( ideologia= o comunismo!)

      - Os originais de minha tradução, feita com o suporte do francês e do italiano, estão datilografados em papéis-ofício timbrados  com “Departamento das Municipalidades”, orgão público estadual que antecedeu o Departamento de Águas e Energia Elétrica, no qual comecei a trabalhar após concurso de 1952  (domingo de manhã da morte do Rei da Voz, Chico Alves). É bem provável que eu tenha, como todo burocrata malandro sem má fé, costumeiro, me apropriado daqueles papéis para uso de minhas produções...Daí a confusão das datas.

**********

– Usei logo no início a palavra primaverais. ( Nesta nota dada agora, 06-02-2004, ao reler a magistral “História Concisa da Literatura Brasileira”, do Alfredo Bosi, deparo com  primaveral, neologismo elencado pelo autor  entre os criados no Prefácio Interessantìssimo de “Paulicéia Desvairada”, do Mário de Andrade.

 

                Quando tento explicar uma tendência de poesia-bula, nas modernidade e pós-modernidade, em passagem da INTRODUÇÃO (cf.), praticamente polarizo a importância, tópica para aqueles futuros, do que está “...implícito na  poesia referencial de Pound e Eliot, embora neste mais adentrado no  conteúdo.” (sic).

                Isto levando-se em conta que a  Modernidade começou com “Les fleurs du Mal”, e “Madame Bovary”, 1856, e a Contemporaneidade , com “The Waste Land”  e “Ulysses” , 1922. Os dois inovadores poderiam ser chamados, pois, como os pais da modernidade contemporânea.

 

 

                                                                                          

                                                                                                         TERRA DESERTA

                                                                                  por

                                                                                  T.S. Eliot

                                                                                 -:-:-

                                                                                    Do original inglês:

                                                                                  THE WASTE LAND

                                                                                -:-:-

      Tradução de FLORIVALDO MENEZES

 

 

 

I. - O ENTÊRRO DOS MORTOS.

 

    Abril é o mais cruel dos meses; engendra

    lilases da terra morta, mescla

    memórias e desejos, e desperta

    raízes preguiçosas com chuvas primaverais.

5-  O inverno nos manteve cálidos cobrindo

    a terra com neve esquecediça, nutrindo

    uma pequena vida com tubérculos sêcos.

    Surpreendeu-nos o verão, quando surgiu sôbre o Starnbergersee

    com um aguaceiro; detivemo-nos sob a colunata,

10- e seguimos sob o sol, dentro do Hofgarten,

    e tomamos café, e conversamos durante uma hora.

    Bin gar keine Russin, stamm aus Litauen, echt deutsch.

    E quando éramos crianças, visitando a casa de meu primo o arquiduque,

    êle me pôs em seu trenó.

15- Eu tinha medo, e êle me disse: Maria,

    Maria, segura-te bem. E deslizamos morro abaixo.

    Nas montanhas, ali é que se sente livre.

    Leio, quase a noite tôda, e no inverno sigo ao Sul.

 

    Quais são as raízes que arraígam, que ramos crescem

20- nêstes escombreos pétreos? Filho do homem,

    tu não podes dizê-lo nem adivinhá-lo, pois tão só conheces

    uma porção de imagens rôtas, onde o sol bate.

    A árvore morta não abriga, o grilo não consola,

    da ressequida pedra não emana água. Só

25- existe sombra nesta rocha rubra.

    (Vem sob a sombra desta rocha rubra),

    e te ensinarei algo diferente

    de tua sombra que te segue a pegada pela manhã

    ou de tua sombra que à tarde se levanta para encontrar-te;

30- te mostrarei o que é o medo num punhado de pó.

 

Frisch weht der Wind

Der Heimat zu,

Mein Irisch Kind,

Wo weilest du?

 

35- “Me deste jacintos pela primeira vez há um ano;

    chamaram-me a menina dos jacintos”.

    - Mas quando regressamos, tarde, do jardim dos jacintos,

    teus braços carregados, e teus cabelos úmidos, não pude

    falar, meus olhos se anublaram, não estava nem

40- vivo nem morto, e não sabia nada,

    vendo no coração da luz o silêncio.

    Oed und leer das Meer.

 

    Madame Sosostris, famosa clarividente,

    possuía um mau defluxo, muito embora

45- se conheça como a mulher mais sábia da Europa,

    com um maldito baralho. Aqui, diz ela,

    está sua carta, o Marinheiro Fenício, que morreu afogado.

    (O que eram olhos ora são pérolas, olha!)

 

    Eis Beladona, a Dama dos Recifes,

50- a dama das situações.

    Aqui está o homem dos três bastos, aqui a Roda[da Fortuna],

    e aqui está o comerciante torto, e esta carta em branco

    é algo que leva sôbre o dorso,

    que não posso ver. Não encontro

55- o Enforcado. Evite a morte por água.

    Vejo um tropel de gente rodando em círculo.

    Obrigada. Se você vir a estimadíssima senhora Equitone,

    diga-lhe que eu mesma lhe levarei o horóscopo:

    A gente tem que ser tão prevenida nêstes dias...

 

60- Cidade Irreal,

    Sob a névoa parda de um amanhecer de inverno,

    tal multidão fluía sôbre a Ponte de Londres,

    que nunca houvera eu crido ser tantos os que a morte arrebatara.

    Levavam tôdos os olhos cravados

65- diante dos pés e exalavam suspiros...

    Costa acima e logo rua King William abaixo

    até onde Santa Maria Woolnoth guarda as horas

    com um som de morte ao fim da nona badalada.

    Ali vi um conhecido, e o detive, chamando-lhe: “Stetson!,

70- Tu que estavas comigo nos barcos de Mylae!:

    Aquêle cadáver que plantaste o ano passado em teu jardim

    começou a germinar? Florescerá êste ano?

    Ou o repentino orvalho perturba seu leito?

    Ah, tira de perto o Cão, que é amigo dos homens,

75- que, se não, o desenterrará de novo com as unhas!

    Tu, hypocrite lecteur! -  mon semblable, - mon frère!”

 

II.- UMA PARTIDA DE XADREZ

 

    A Cadeira em que estava sentada, como um brunido trono,

    reluzia sôbre o mármore, onde o espêlho,

    suspenso por estantes lavradas de uvas frutuosas,

80- onde um Cupido dourado se assomava

   (outro escondia os olhos sob a asa),

    multiplicava as chamas dos candelabros de sete braços

    que refletiam sua luz à mesa, enquanto

    o esplendor de suas jóias, soltas em rica profusão

85- em cofres de setim, saiu a encontrá-la.

    Em redomas de marfim e vidro colorido,

    destampadas, formidavam seus raros perfumes sintéticos,

    ungüentos, pulverulentos, líquidos – inquietando, confundindo

    e afogando os sentidos em olor; movidos pelo vento

90- que soprava da janela, ascendiam

    nutrindo as prolongadas chamas das velas,

    que espargiam seus fumos pela laquearia

    e animavam os desenhos do artesonado teto.

    Enormes lenhos recolhidos da praia, em bronzeas pátinas,

95- ardiam verdes e alaranjados, em moldura de pedra multicor,

    e nessa triste luz nadava um delfim talhado.

    Sôbre a antiga chaminé, era representada

    a metamorfose de Filomena, pelo rei bárbaro

100-tão rudemente violentada; no entanto ali o rouxinol

    enchia tôdo o deserto com voz inviolável

    e ela ainda gritava, e ainda ecoa pelo mundo,

    “Tiu Tiú”, a ouvidos torpes,

    E outros tacões murchados pelo tempo

105-eram dispostos nas paredes; formas cintilantes

    sobressaíam, inclinando-se, silenciando o âmbito da alcova.

    Ouviu-se um passo na escada.

    À luz da lareira, sob a escôva, seus cabelos

    fulguravam em pontos flamejantes

110-incendiando-se em palavras, permanecendo logo selvagemente quietos.

    “Meus nervos estão agitados esta noite. Sim, descompostos. Fica comigo,

    fala comigo. Por que nunca falas? Fala.

    Em que pensas? Que pensas? O que?

    Nunca sei o que pensas. Pensas.”

 

115-Penso que estamos na ruela dos ratos

    onde os mortos perderam seus ossos.

 

    “Que ruído é êsse?”

                       O vento sob a porta.

    “Que ruído é esse agora? Que faz o vento?”

120-                   Nada, outra vez nada.

    “Não sabes nada? Não vês nada? Não te recordas de nada?”

 

    Recordo

125-que o que foram seus olhos agora são pérolas.

    “Estás vivo ou não? Não há nada em tua cabeça?”

                                                Mas                                                

    ÓÓÓÓ, que rag shakespeareariano!...

    Tão elegante

130-Tão inteligente

    “Que farei agora? Que farei?”

    “Me apressarei a sair tal como estou, e andarei pelas ruas

    “assim, de cabelo sôlto. Que faremos amanhã?

    “Que faremos sempre?”

 135-                              Um banho quente às dez.

    E, se chove, um carro fechado às quatro.

    E jogaremos uma partida de xadrez,

    fatigando nossos olhos sem pálpebras e esperando que batam à porta.

 

 

    Quando o marido de Lil foi desligado, eu disse –

140- e não comi palavras – falei-lhe sem rodeios:

    ARRUMA-TE POR FAVOR QUE JÁ É HORA.

    Agora Alberto vai regressar, embeleza-te um pouco.

    Êle desejará saber o que fizeste com aquêle dinheiro que te deu

    para tratar dos dentes. E que te deu realmente,eu estava lá.

145-Extrai-os todos, Lil, e compra uma boa dentadura,

    disse êle; juro que não posso ver-te cara-a-cara.

    Nem eu tampouco, eu disse, e pensa no pobre Alberto,

    serviu o exército quatro anos, quer divertir-se agora,

    e se não o fazes, haverá outras que o façam, disse eu.

150-Então há outras, hein? disse ela. Ou algo assim,disse eu.

    Então já sei a quem agradecer, disse olhando-me de cima em baixo.

    ARRUMA-TE POR FAVOR, QUE JÁ É HORA

    Se não gostaste, engole-o, eu disse.

    Outras gosarão do bom, se tu não podes.

155-Mas, se Alberto se for, será tua a culpa, pois houve quem te preveniu.

    Deves te envergonhar, disse, de parecer tão acabada.

    (Ela não tem mais que trinta e um anos)

    Não é culpa minha, disse com cara atribulada,

    são essas malditas pílulas que tomei para abortar.

160-(Ela já havia parido cinco, e há pouco quase morre com Jorginho.)

    O farmacêutico me disse que não seria nada, mas nunca voltei a ser a mesma.

    És verdadeira idiota, eu disse.

    Pois se Alberto não te deixa quieta, aí está, disse.

    Por que te casaste, se não querias ter filhos?

165-ARRUMA-TE POR FAVOR QUE JÁ É HORA

    Pois bem, aquêle domingo Alberto estava em casa, tinham presunto assado,

    e me convidaram para ceiar, para saborear o presuntinho quente...

    ARRUMA-TE POR FAVOR, QUE JÁ É HORA

    ARRUMA-TE POR FAVOR, QUE JÁ É HORA

170-Boa noite Bill. Boa noite Lou. Boa noite May. Boa noite.

    Até logo. Boa noite. Boa noite.

    Boa noite, senhoras, boa noite, simpáticas senhoras, boa noite

    boa noite.

 

III.- O SERMÃO DO FOGO

 

    A tenda do rio se rompeu: os últimos dedos das folhas

    se agarram e se fundem ao úmido barranco. O vento

    cruza a planície escura, silenciosamente. As ninfas se foram.

175-Doce Tâmisa, flua suavemente, até terminar meu canto.

    Ao leito do rio – nem garrafas vazias nem papéis de sanduiches

    nem lenços de seda nem cartões nem pontas de cigarro

    nem outras testemunhas das noites de verão. As ninfas se foram.

    E seus amigos, os preguiçosos herdeiros de autoridades municipais

180-partiram sem deixar as novas direções.

    Às margens de Leman sentei-me e chorei...

    Doce Tâmisa, flua suavemente, até terminar meu canto,

    Doce Tâmisa, flua suavemente, pois não falarei áspera nem longamente.

    Porém às minhas costas ouço um vento frio

185-Estalos de ossos e risos afogados.

    Um rato deslizou brandamente entre os matagais

    arrastando a viscosa barriga pela margem

    enquanto eu pescava no canal obscuro,

    numa noite de inverno, atrás da fábrica de gás,

190-meditando sobre o naufrágio de meu irmão rei

    e sobre a morte anterior de meu pai rei.

    Brancos corpos desnudos sobre a baixa terra úmida

    e ossos abandonados em trapeira seca e baixa,

    só sacudidos pela pata dos ratões, anos e anos.

195-Porém às minhas costas de vez em quando ouço

    businas e autos, que levaram Sweeney

    na primavera até a senhora Porter.

    Oh! A lua fulgurava radiantemente sôbre a senhora Porter

    e sua filha.

200-Elas lavam os pés com água gasosa

    Et O ces voix d´enfants, chantant dans la coupole!

 

    Tuit tuit tuit

    Iag iag iag iag iag iag

    tão rudemente violada

205-Tereu

 

    Cidade Irreal

    Sob a névoa parda de um meio-dia invernal

    o senhor Eugênides, comerciante de Esmirna

    sem se barbear, com um bolso cheio de passas

210-C.i.f. London: documentos à vista,

    me convidou em bom francês demótico

    a almoçar no Hotel Cannon Street

    e a passar o weekend no Metrópole.

 

    À hora violeta, quando os olhos e a espádua

215-carregamos do escritório, quando a máquina humana aguarda

    como um taxímetro que vibrando espera,

    eu, Tirésias, embora cego, palpitando entre duas vidas,

    velho, com enrugadas tetas de mulher, posso ver

    a hora violeta, essa hora da tarde que nos impele

220-até ao lar, e o mar devolve o marinheiro à casa,

    e a datilógrafa, para tomar o chá da tarde, recolhe o        resto do breakfeast, acende

    a estufa, prepara alimentos em conserva.

    Fora da janela perigosamente postas a secar estão

    suas combinações, tocadas pelos últimos raios do sol,

225-sobre o divã (que à noite lhe serve de cama) estão amontoados

    meias, chinelas, calças, soutiens.

    Eu Tiresias, um velho de tetas enrugadas

    Vi a cena e predisse o resto –

    Eu também aguardava a esperada visita.

230-Êle, um jovem bexiguento, chega,

    secretário de uma agência mercantil, porte altaneiro,

    um desses vadios sobre quem o descaramento assenta

    quanto uma cartola sobre um milionário de Bradford.

    A hora é propícia e, como imaginou,

235-a ceia é finda, ela está aborrecida e cansada,

    ele trata de excitá-la com carícias

    indesejadas, ainda que não repelidas.

    Inflamado e decidido, ele a assalta em seguida;

    suas mãos exploradoras não encontram resistência;

240-sua vaidade não requer resposta,

    e até chega a acolher a indiferença.

    (E eu Teresias que tolerei todo

    o ocorrido neste mesmo divã ou leito;

    eu que sentei sob as muralhas de Tebas

245-e andei entre o mais profundo dos sepultos)

    e dá-lhe, finalmente, um beijo protetor,

    descendo tateando pela escada escura...

 

    Ela se volta e olha-se no espelho,

    sem se turbar com a partida do amante;

250-seu cérebro consegue formular um pensamento espúrio:

    “Bem, assunto morto, alegro-me que tenha terminado.”

    Quando uma mulher formosa comete tais loucuras e

    se vê sozinha andando pelo quarto,

    alisa os cabelos com gesto automático

255-e põe um disco no gramofone.

 

    “Esta música deslizou comigo sobre as ondas”

    ao longo do Strand, rua Rainha Vitoria acima.

    Oh! Cidade, Cidade, às vezes posso escutar

    perto de um bar de Lower Thames Street

260-o agradável lamento de um bandolim

    e o murmúrio e o vozerio que sai de dentro,

    onde os peixeiros descansam ao meio-dia: lá onde os muros

    de Magnus Mártyr irradiam

    inexplicável esplendor de iônica brancura e ouro.

 

265-O rio súa

    azeite e breu

    As lanchas derivam

    com inconstante maré

    Velas rubras

270-abertas

    a sotavento, enfunam sobre os mastros.

    As lanchas

    submergem toras ao desvio

    navegando até Greenwich

275-além da Ilha dos Cães

                Weialala leia

                Wallala leialala

 

    Elizabeth e Leicester

    remando

280-A popa era

    dourado casco

    vermelho e ouro

 

    A esteira irrequieta

    inundou de ondas as margens

285-O vento do sudoeste

    carregou água em declínio

    O dobre dos sinos

    Torres brancas

                 Weialala leia

 290-            Wallala leialala

 

    “Bondes e poeirantes árvores.

    Highbury me viu nascer. Richmond e Kew

    puseram-me a perder. Em Richmond elevei os joelhos

    em posição supina ao fundo da canoa estreita.”

 

295-“Meus pés estão em Moorgate, e meu coração

    sob meus pés. Depois do acontecido

    ele chorou. Prometeu-me “começar de novo.”

    Não comentei. Por que guardar rancor?”

 

    “Sôbre Margate Sands

300-Não posso coordenar

    nada com nada.

    As unhas rôtas de mãos sujas.

    Minha gente humilde, que não espera

    nada.”

305-           

   la la

 

    Logo vim a Cartago

 

    Abrasando abrasando abrasando abrasando

    Oh, Senhor, Tu estás me depenando

    Oh, Senhor, Tu me depenas

 

310-abrasando

 

IV.- MORTE POR ÁGUA

 

    Flebas o Fenício, morto há uma quinzena,

    esqueceu o grito das gaivotas, e o fundo mar de levas

    e as ganâncias e as perdas.

                                      Uma corrente submarina

315-recolheu-lhe os ossos em sussuro. Equilibrista,

    percorreu as etapas de sua idade e juventude

    adentrando o turbilhão.

                                         Gentílico ou Judeu –

    oh, tu, que moves o timão e olhas ao barlavento,

320-recorda-te de Flebas, que uma vez foi belo e forte como tu.

 

V.- O QUE DISSE O TROVÃO

 

    Após a luz vermelha de tochas sobre rostos suarentos

    após o gelado silêncio nos jardins

    após a agonia em lugares pétreos

    gritaria e choro

325-prisão e palácio e reverberação

    de trovão primaveril sobre distantes montes,

    aquêle que antes vivia já está morto

    nós que vivíamos antes agora estamos morrendo

    com um pouco de paciência

 

330-Aqui não há água, mas só rocha

    rocha e não água e no caminho arenoso

    a senda sobe serpenteando as montanhas

    que são montanhas de rocha sem água

    se houvesse água nos deteríamos a beber

335-entre as rochas ninguém pode parar nem meditar

    o suor é seco e os pés sobre a areia

    se só houvesse água entre as rochas

    montanha morta, boca de cariados dentes que não pode cuspir

    aqui ninguém pode parar nem encostar-se nem sentar-se

340-não há nem silêncio siquer nas montanhas

    senão o seco trovão estéril sem chuva

    não há nem solitude siquer nas montanhas

    senão severos rostos rubros que entre os dentes grunhem

    desde os umbrais de casa de terrões pisados

345-                                     Se houvesse água

 

 

    e não rocha

    Se houvesse rocha

    e também água

    e água

350-Um manancial

    Um poço entra as rochas

    Se só se ouvisse rumor de água

    não a cigarra

    nem a erva seca cantando

355-senão rumor de água sôbre rocha

    ali onde o estorninho canta entre os pinhos

    drip drop drip drop drop drop drop

    Mas não há água

    Quem é êsse terceiro que caminha sempre a teu lado?

360-Quando conto, somos dois, tu e eu, unidos

    Mas quando olho deante de mim sobre o caminho branco

    há sempre outra pessôa que caminha a teu lado

    deslizando-se em sua capa escura em carapuça

    Não sei se é homem ou mulher

365- - Mas quem é êsse que vai a teu lado?

 

    Que ruído é êsse que alto vibra no ar

    Murmúrio de maternal lamentação

    Que hordas encapuçadas são essas que formigam

    por planícies sem fim, tropeçando por fendidas terras

370-só aneladas pelo horizonte aberto

    Que cidade é essa sôbre as montanhas

    Estalidos e reformas e explosões no ar violeta

    Torres que ruem

    Jerusalem Atenas Alexandria

375-Viena Londres

    Irreal!

 

    Uma mulher soltou a longa cabeleira negra

    e extraiu sussurradora música ao tanger tais cordas

    e morcegos de caras infantis silvavam na luz violeta

380-e batiam as asas

    e escorregaram cabeça abaixo em lúgubre muralha

    E de torres inversas no ar

    saíam toques de sinos reminiscentes, que guardavam as horas

    e cântigos de cisternas vazias e poços esgotados.

 

385-Neste buraco podre das montanhas

    sob o lânguido luar, a relva canta

    sôbre tumbas derruídas em tôrno da capela.

    Ali está a capela abandonada, solitário lar do vento.

    Não tem janelas e a porta geme nos gonzos,

390-ossos sêcos não prejudicam ninguém.

    Só um galo se via no telhado

    cócóricó, cócórocó

    à luz do relâmpago. Logo, um vento úmido

    trazendo chuva.

 

395-Ganga estava submerso, e as débeis folhas

    aguardavam a chuva enquanto as nuvens

    se amontoavam à distância, sôbre Himavant.

    A selva se abaixa encurvada em silêncio.

    Então o trovão falou

400-DA

    Datta: que temos dado?

    Meu amigo, o sangue me golpeia o coração

    ao pensar que é pelo atrevimento de render-se

    que um século de prudência não saberá reparar,

405-por isso, e só por isso, é que existimos

    - o que não se encontrará em nossos obituários

    nem nas memórias tecidas pela benévolente aranha

    nem sob os lacres que o magro escrivão romperá

    em nossas alcovas vazias

410-DA

    Dayadhvam: ouvi a chave

    girar na fechadura uma vez e só uma vez.

    Pensamos numa chave, cada qual em sua prisão.

    Pensando em uma chave, cada um confirma uma prisão.

415-Somente ao anoitecer, rumores etéreos

    revivem por um momento um Coriolano rôto

    DA

    Damyata: O barco obedeceu

    alegremente, à mão afeita à vela e remo.

420-Sereno estava o mar, teu coração poderia responder

    alegremente ao convite, obediente, palpitando

    nas dextras mãos

 

                                         Sentei-me na margem

    a pescar, tendo por trás a árida planície.

 

425-Devo ao menos pôr meus assuntos em dia?

    A Ponte de Londres aluindo aluindo aluindo

    Poi s´ascose nel foco che gli affina

    quando fiam uti chelidon – Ó andorinha andorinha

    Le Prince d´Aquitaine a la tour abolie

430-Folheei tais fragmentos sobre minhas ruínas

   Why then Ile fit you. Hieronymo´s mad againe.

    - Pois então vos consolo: “Jerônimo outra vez enlouqueceu...”

    Datta. Dayadhvam. Damyata.

                     Shantih shantih shantih   

 

NOTAS

 

Explicação preliminar:

Estas notas procedem, umas da edição inglesa, e de próprio punho do autor, outras da tradução francesa de Pierre Leyris, com exegese de John Hayward, e outras, enfim, catadas de estudos publicados em jornais e revistas, e que o tradutor brasileiro procurou selecionar, seguindo o critério de as considerar conforme sua natureza oportunista: - é que inúmeros são os ensaios sôbre o poeta de FOUR QUARTETS, e trazê-los para cá, mesmo em síntese, seria desvirtuar o ofício das NOTAS de um poema, caindo em considerações a respeito do estilo, pensamento, feitura e natureza de um espírito discutidíssimo como o de Eliot. Ficou, pois, o que o “oportunismo” ditou ao caráter de TERRA DESERTA, pelo quê nos cingimos às mais incisivas considerações.

Por outro lado, procuramos não distinguí-las umas das outras, salvo em casos excepcionais, apresentando-as à guisa do seguimento do poema, e indicando, no fim, uma pequena bibliografia, para o caso de pesquisa mais aprofundada.

 

TEMA:

“O problema da história e do mecanismo do tempo é um dos grandes temas de TERRA DESERTA; ele se mescla ao desejo da salvação cósmica e individual. Jamais nenhum poema apresentou um sentido mais profundo da pressão do passado sôbre o presente e de sua existência no presente.” (H. L. Gardner)

TÉCNICA:

“Creio que os elementos pelos quais a música concerne mais intimamente ao poeta são o senso do ritmo e o da estrutura...O uso dos temas recorrentes é tão natural à poesia como à música. Há possibilidades prosódicas que apresentam alguma analogia com o desenvolvimento de um tema por diversos grupos de instrumentos: possibilidades de transição num poema, comparáveis aos diferentes movimentos de uma sinfonia ou de um quarteto, e possibilidades de arranjo em contraponto.” ( T.S. Eliot: THE MUSIC OF POETRY, 1942)

 

“Não somente o título, mas o plano e, em grande parte, o simbolismo acidental dêste poema foram sugeridos pelo livro de Miss Jessie L. Weston sôbre a lenda do Graal: “FROM RITUAL TO ROMANCE” (Cambridge). Devo-lhe tanto, em verdade, que o livro de Miss Weston elucidará as dificuldades do poema bem melhor que minhas notas...(Ib., ib.)

...”Sou igualmente devedor, de uma maneira geral, a uma outra obra de antropologia que tem profundamente influenciado nossa geração:“ O RAMO DE OURO”, e mais particularmente a contribuição dos dois volumes “ADONIS, ATIS, OSIRIS”. Tôdos aos quais estas obras são familiares reconhecerão, imediatamente, no poema certas referências aos ritos de vegetação.” (Ib.)

 

I.-O ENTÊRRO DOS MORTOS

 

Verso 1: abril, o mês do renascimento. Cf. “A VIAGEM DOS MAGOS”:

                                   “...Aquêle Nascimento

foi para nós agonia amarga e dolorosa,

foi como a Morte, foi nossa própria morte.” 

     8-10. Cenário: Munich e adjacências.

     20. Cf. “Ezequiel”, II, i.

     23. Cf. “Eclesiastes”, XII, V.

 26. Cf. “Parsival”:

     “And this stone all men call the Graal...

     As children, the Graal doth call them,

     neath its shadow they wax and grow.”

 

     (Esta pedra, tôdo mundo chama de Graal...

     Crianças, o Graal os chama,

     À sua sombra, elas germinam e crescem.)

 

31-34. V. “Tristan und Isolde”, I, estrofes 5-8:

         Fresquinho venta o Vento

         Em direção de sua Pátria,

         Minha criança irlandesa,

         Onde estás tu?”

 

42. As palavras do sentinela anunciam a Tristão que o navio de Isolda não se enxerga em nenhum lugar. Simbolisa a ausência do amor sôbre TERRA DESERTA.

47. O Marinheiro Fenício: tipo de deus da fertilidade jogado anualmente ao mar, para simbolizar a morte do verão. Utilizava-se o jogo de Tarot para predizer a subida das águas.

48. “Estas pérolas foram seus olhos”.(“A Tempestade”).

52. Comerciante torto: isto é, visto de perfil sôbre a carta a jogar.

60. Cf. Baudelaire:

     “Fourmillante cité, cité pleine de rêves,

Où le spectre en plein jour raccroche le passant.”

     63-68. Cf. “Inferno”, III, 55-57:

                        “si lunga tratta

                 di gente ch´io non avrei mai creduto

                 che morte tanta n´avesne disfatta.”

    

     São os que viveram sem louvor, sem censura, sem esperança da morte, - os infelizes que jamais viveram. A multidão é aquela matinal passageira da estrada de ferro, o pessoal que formigava na Cidade, vindo das estações suburbanas do sul do Tâmisa: homens de negócios, empregados, datilógrafos, etc. King William Street é a rua que vai do norte extremo ao coração da cidade. É uma cena londrina, típica da pressa da manhã. Os trabalhadores da Cidade devem estar em seus escritórios às 9 horas; donde a alusão ao relógio de St-Mary Woolnoth.

     T.S.Eliot trabalhou, por uns tempos, na Cidade, no Departamento Estrangeiro do Lloyds Bank.

     68. “Um fenômeno que sempre observei.” (Eliot)

69. Cf. “Inferno”, III, 57:

     “Logo que distingui alguns dentre êles, vi e reconheci a sombra daquele que perpetrou, por covardia, a grande recusa”.

O nome Stetson não tem significação particular: é, simplesmente, um nome típico de homem de negócios (Cf. o chapéu “Stetson”, marca americana muito usada por homens de negócios respeitáveis.).

70. Mylae, 260 a.C.: A grande vitória naval dos romanos sôbre os cartagineses, na primeira Guerra Púnica. Uma guerra comercial, (Cf. 1914-1918). Todas as guerras são uma só.

74. Cf. as lamentações de “The White Devil”, de Webster:

          “Oh! écarte le Chien, car cet ami de l´ homme

          Foullerait de ses griffes et le deterrerait!”

O jardim suburbano. O Inglês e seu cachorro, seu amigável “demonio familiar”. O cão, substituindo o lobo, nesta alusão, é um exemplo frisante do uso que faz Eliot das citações, para integrar o passado no presente. A idéia sugere, portanto, que o cão, desenterrando o cadáver, pode fazer obstáculo ao renascimento, à ressurreição.

76. V. Baudelaire: prefácio de “Fleurs du Mal”.

 

-:-

 

 

 

II.- UMA PARTIDA DE XADREZ

 

O contraste da vida dos grandes e a do povo sôbre uma terra estéril e desprovida de significação. Na peça de Middleton, o jôgo de xadrez cobre a sedução e o estupro. A maldição da terra no mito segue ao estupro das raparigas na côrte do Rei Pescador. Luxuria sem amor. Cf. também a “Filhas do Tâmisa”.

77. “A Cadeira em que estava sentada, como um brunido trono.” (“Antonio e Cleópatra”, II, ii, verso 190.)

92. Laquearia, V. “Eneida”, I, 726:

    “dependent lychni laquearibus aureis

    incensi, et noctem flammis funalia vincunt”.

 

98. Cena silvestre: V. Milton, “O paraiso perdido”, IV, 140.

99. V. Ovidio “Metamorfoses”, VI.

101. Cf. Keats: “Ode a uma Urna Grega”.

118. Cf. Webster:

         “Is the wind in that door still?”

         (O vento está sempre nesta porta?”)

126. Cf. T.S.Eliot: “The Hollow Men”:

                   “a cabeça cheia de palha.”

128. Rag: ragtime. O mundo sincopado de após guerra, o mundo “Jazz” de 1920, inquieto, sem rumo, trepidante, fútil, nevrosado.

135. Um levantar tardio para abreviar o tédio de uma manhã vazia. E, pela tarde chuvosa, um passeio em limousine, sem direção, para matar o tempo.

138. Cf. a partida de xadrez, em “Women beware Women”, de Middleton.

140. A fórmula tradicional gritada pelos donos de bares, quando a hora de fechar se aproxima (fórmula fixada pelas leis relativas ao consumo da bebida).

144. A má dentição das classes proletárias na Inglaterra, particularmente entre os rapazes e moças, é um fato notório. Assim, os dentes postiços, posto que muito comuns e mal ajustados, são objeto de jocosidade popular.

171. Cf. “Hamlet”, IV, 5. São as patéticas palavras de despedida de Ofélia, louca, às damas da corte do rei da Dinamarca. Hamlet acusou Ofélia de ser uma prostituta, mandando-a retirar-se a um “convento” – palavra da giria que significava bordel, no tempo de Shakespeare.

 

-:-:-:-:-

 

 

III. – O SERMÃO DO FOGO

 

     O Tâmisa, subindo para Londres, de Richmond a Maidenhead e a Henley, é o local favorito dos excursionistas da espécie descrita nos versos 178-180: “ninfas” modernas, acompanhadas de seus galantes em cabriolets de esporte, alegres “bon-vivants” e suas marionetes louras.

     175. V. o “Prothalamion”, de Spenser:

              “Sweet Thames, run softly, till I end my song”.

     181. Cf. A Conquista da Babilonia. – Uma parte do poema foi em escrito em Lausanne, donde “Leman”.

     188-191. O REI PESCADOR, ferido e impotente. Seu castelo legendário era sempre situado ao longo de um rio, ou à beirada do mar.

     É o FISHER KING (Rei Pescador) o símbolo central do poema “The Waste Land”. Em O REI PESCADOR EM THE WASTE LAND, Jose Escobar Faria averigua:

     “Segundo o romance “JOSEPH D´ARIMATHIE”, de Roberto de Boron, Pilatos teria ofertado a José de Arimatéia o cálice de que se servira Cristo na última ceia, com o qual recolheu Arimatéia o sangue vertido pelo Salvador na cruz. Mas os sacerdotes judeus lançam-no em profunda masmorra, sem alimentos, para ali morrer; Cristo, porém, após ressuscitar, leva a Arimatéia o Graal, isto é, o cálice com o próprio sangue, e apenas a presença de tais reliquias santas é o bastante para que o discipulo em segrêdo de Jesus permaneça vivo”.

     A seguir, depois de capturada Jerusalém, vemos Arimatéia abandonar o oriente, instalando-se em terras longínquas, e levando consigo as relíquias. Vemos depois aparecer os doze filhos de Bron ou Hebron, cunhado de Arimatéia, e, das figuras que aparecem no relato, uma personificaria Judas: o hipócrita Moyset.

     Continua José Escobar Faria:

     “Bron, que sucedera a José de Arimatéia, é o Riche Pêcheur, apelido que passa a tomar depois de confiar-lhe Arimatéia, por designação divina, os “segredos do Graal”; o peixe colhido por Bron vem a figurar ao lado do cálice nos ritos misteriosos, o peixe, que é o símbolo de Cristo, da Eucaristia e do Espírito Santo”.

     Há dúvida quanto a lenda de que se serviu Eliot. Assim é que Georges Buraud, em LA QUÊTE DU GRAAL DANS LA LITTÉRATURE ET L´ART MODERNES, assegura que o poeta não se tenha servido das fábulas ingênuas do ciclo de romances de Lancelot, preferindo a versão de Wolfram:

“Ora, diz Escobar Faria, a versão de Wolfram, segundo os críticos, não traz propriamente um conteúdo cristão, e bem sabemos que Eliot é poeta católico. Conclui-se, pois, que o poema será alternativamente cristão e pagão (acessoriamente pagão, no sentido de mais afirmar o sentido oposto, além de uma preocupação estético-erudita).”

E, “onde os ideais cristãos contracenam com o símbolo do paganismo”, seguimos com Arimatéia, que se exila em terras que hoje formam o território metropolitano dos ingleses, onde fundou o cristianismo. Lá, José de Arimatéia tomara a si o encargo de guardar as “relíquias”, entre elas o cálice contendo o sangue de Cristo, que passou mais tarde, na Idade Média, a chamar-se o Santo Graal, ou Sangreal. (V. a presença da Metrópole no poema.)

Continua o ensaista:

“A êsse tempo, em razão da sagrada presença, a terra era fértil, os homens felizes e havia paz.”

E mais abaixo:

“Morrendo Arimatéia, a guarda do Graal passou a seus herdeiros, que mantiveram uma existência pura, isenta de pecados. Mas a continuidade feliz foi quebrada, certo dia, por um dos descendentes, o Rei Pelles, também chamado, segundo versões diversas, Pellinor, Pellan, Bron, Amfortas, isto é, o REI PESCADOR, o FISHER KING. Tendo o Rei Pelles caído em pecado com uma peregrina, a lança incontinenti o feriu, tornando-o impotente. CAI ENTÃO A MALDIÇÃO SOBRE A TERRA ANTES FERTIL, QUE SE TRANSFORMA EM CAMPOS E MONTES DESOLADOS E ESTEREIS”.

Termina José Escobar Faria:

“Compreende-se o objetivo de Eliot, poeta católico que é – um novo ideal para o nosso tempo, em que a imagem do Graal representaria o poder mais alto, o Eterno, e a do Fisher King a maldição a pesar sôbre os homens imersos no pecado. Do que se deduz, deveriam eles, a exemplo dos cavaleiros medievais, reiniciar a DEMANDA do Graal, exilado da terra, para que a humanidade possa de novo usufruir a paz”.

191. Cf. “A Tempestade”, I, 2.

195. Cf. Marvell: “To His Coy Mistress”:

         “Mais j´entends toujours par derrière

         Le chariot ailé du temps”.

196-197. Cf. Day, “Parliament of Bees”:

         “A noise of horns and hunting, which shall bring

         Actaeon to Diana in the spring,

         Where all shall see her naked skin...”

 

         (Um ruido de trombetas e de caça, que levará

         Actaeon até Diana na primavera,

         onde todos terão a pele nua...)

 

198-199. “Sur Madame Porter, ô la lune brille

         Comme elle et sa fille

         Se lavent les pieds dans l´eau qui pétille”.

“Não conheço a origem da balada cujos versos são tirados: ela me foi enviada de Sydney, Australia” (T.S.Eliot)

200-201. O som dos cantos da cerimônia da lavagem dos pés, que precede a restauração de Amfortas (o REI PESCADOR) por Percival, e o banimento da maldição que pesava sôbre TERRA DESERTA.

201. V. Verlaine, “Parsifal”.

205. Exemplo de reintrodução de um tema.

208. Os mercadores sírios eram portadores de lendas e de mistérios antigos do Graal. Mr. Eugenides, seu equivalente moderno, é seu deplorável descendente.

212. O Cannon Street Hotel era naquêle tempo um lugar de cômoda reunião dos homens de negócios estrangeiros e seus colegas ingleses.

214-215. O “amor” estéril da civilização urbana moderna.

217. Tirésias: personagem principal do poema, de grande interêsse antropológico, conforme versos de Ovidio insertos na edição original. A êle se unem tôdos os outros, e os sexos se confundem.

O que Tiresias vê é, com efeito, toda a substância do poema.

233. Bradford, centro da indústria lanígera de Yorkshire, que ganhou imensa prosperidade graças aos contratos de guerra, de 1914 a 1918. O milionário deste verso é o tipo do “aproveitador de guerra”.

252. “when lovely woman stoops to folly”(Quando uma mulher formosa comete tais loucuras)V. Goldsmith, a canção do ‘Vicar of Wakefield”.

     256. “This musica crept by me upon the waters”. V. “A Tempestade”.

     257-58. A Londres antiga e a atual é aqui evocada.

260. A música do bandolim se deve, indubitavelmente, a um dos “buskers”, ou musicos ambulantes, que se vêem dentro e à frente dos bares de Londres.

     263. O interior de St-Magnus Martyr é, na opinião, um dos mais belos de Wren.

     ST-Magnus Martyr foi construído em 1676 por Sir Cristopher Wren, para substituir a igreja primitiva que o Grande Incêndio de Londres destruiu em 1666.

     265. Aqui começa a canção das (três) Filhas de Tâmisa. Elas falam alternativamente do verso 291 ao 304 inclusive.

     278. Greenwich foi, outrora, um Palácio Real. Elizabeth recebeu Leicester.

292. Evocando Highbury (nordeste de Londres), Richmond e Kew, o poeta não se atentou a qualquer associação pessoal; foram escolhidos tão somente por seus aspectos contrastantes;

- Richmond, famoso por suas características fluviais, e Kew por seus vastos jardins botânicos.

306. V. Santo Agostinho, “Confissões”:

     “Estive então em Cartago, onde um caldeirão de amores impuros me encheu as orelhas com seu canto.”

307. O texto completo do “Sermão do Fogo”, de Buda, corresponde em importância ao “Sermão da Montanha”. O primeiro, donde tiramos estas palavras, se encontra em inglês in BUDDHISM AND TRANSLATION (Henry Clarke Warren).

308. Cf, ainda “Confissões”, de Santo Agostinho.

A aproximação dêsses dois representantes do ascetismo oriental e ocidental, no ponto culminante desta parte do poema, não é fortuita.

 

-:-:-:-

 

IV.- MORTE POR ÁGUA

 

311. Flebas, o deus afogado dos cultos da fertilidade. É  também o comerciante , o mercador,

Cf. “ASH-WEDNESDAY” (Quarta-feira de Cinzas)

 

     “Although I do not hope turn again

     ..................................

     Wavering between the profit and the loss

     In this brief transit where the dreams cross

     The dreamcrossed twilight between birth and dying.”

 

     “Se bem que não espero mais voltar

     ...........................................

     Flutuando aqui e ali entre proveito e perda

     Durante o breve transe onde os sonhos se cruzam:

     Lusco-fusco de sonhos entre o nascer e a morte.”

 

-:-:-:-:-

 

 

V.- O QUE DISSE O TROVÃO

 

No início da quinta parte, usaram-se três temas: a viagem a Emaús, a marcha para a Capela Perigosa (v. o livro de Miss Weston) e o atual declínio da Europa oriental.

321. Associação de Jesus, no Jardim de Gethsêmani, com os velhos deuses enforcados da lenda.

328. Cf. “MURDER AT THE CATHEDRAL”: “Vivo e meio vivo” ( o côro das mulheres de Canterbury).

343-344. Fisionomias asiáticas (tibetanas). A cena se transporta da Palestina para a Ásia Central.

356. Estorninho, conhecido cientificamente como: “Turdus aonalaschkae pallasii”, de canto notável pela pureza e doçura incomparáveis.

358. A volta de Deus.

359. Os versos seguintes foram sugeridos por uma das expedições antárticas (uma das de Shackleton), em que os exploradores padeciam terriveis ilusões sensoriais, aludindo constantemente às suas próprias pessoas, como sendo “um a mais”, que não podiam contar.

376. Uma das “Filhas da Música” (v. “Eclesiastes”, XII)

378-383. Eliot pensa que o imagismo desta passagem lhe foi,em parte, sugerido por uma pintura da escola de Hieronimus Bosch.

385. e segs. V. “From Ritual to Romance”:

               A Viagem à Capela Perigosa: - um rito de iniciação. A decoração macabra da capela mítica era destinada a pôr à prova a coragem do noviço. O cemitério é associado à Capela Perigosa em certas versões da lenda do Graal.

391. O galo afugenta os espíritos maus, cf. “Hamlet”, I, e “A Tempestade”:

           “Gritai: cócóricó!”

395 e segs. Referência às velhas crenças arianas a respeito da fertilidade.

401. “DATTA, DAYADHVAM, DAMYATA”: dá, simpatisa, conduz.

407. Cf. Webster, “O Demônio Branco”, V, VI:

 

                            “...They´ll remarry

        Ere the worm piece your winding sheet, ere the spider

        Make a thin curtain for your epitaphs.”

 

                                 (“Êles tornarão a se unir,

        Antes mesmo que o verme remende a mortalha, ou que a aranha

         teça tênue cortina

         e embace teu epitáfio.”)

        

412. Cf. “Inferno”, XXXIII, 46:

         “ed io sentii chiavar l´uscio di sotto

         all ´orribile torre.”

Cf. igualmente F. H. Bradley, “Appearance and Reality”:

    “Minhas sensações externas não me são menos privadas

que meus pensamentos ou sentimentos. Nos dois casos, minha experiência vinga dentro de minha própria circunferência, uma circunferência fechada ao exterior; e, se bem que tôdos os seus elementos sejam parecidos, cada esfera permanece opaca àqueles que a cercam...Em breve, considerado como uma “existência” que se manifesta dentro de uma alma, o mundo inteiro, para cada um, é particular e privado àquela alma.”

     416. Cf. parte I: “Frisch weht der Wind”: - o momento de felicidade na vida de Tristão e Isolda.

     423-424. V. Weston, “From Ritual to Romance”, o capítulo sôbre o REI PESCADOR.

     426. Refrão de uma famosa e tradicional canção de ama inglesa:

     “London Bridge is broken down

     Dance over my lady lee.”

427. V. “Purgatorio”, XXVI, 148.

429. V. Gerard de Nerval: “O Desditado”.

431. V. Kyd: “Spanish Tragedy”:

            “Jerônimo está louco!”

433. SHANTIH, repetido como é, constitui o fim ritual de um “UPANISHAD”: a paz, que significa a compreensão, o entendimento, seria nosso equivalente para essa palavra.”

Ainda 431.: “Hieronymo´s mad againe”:

A frase visa sugerir que tudo isto parecerá loucura ao mundo moderno. Mas é, como no caso de Jerônimo (primeiro precursor de Hamlet), uma loucura que tem um propósito. Cf. “Hamlet”:

         “Há método nesta loucura”.

 

POST-SCRIPTUM: V. T. S. Eliot, “Thoughts after Lambeth”:

 

                 “O mundo está em curso de procurar estabelecer uma mentalidade não cristã. A experiência ecoará, mas devemos pôr em prova muita paciência, esperando tal desgraça, e resgatar, outrossim, o tempo: afim de que a Fé possa conservar-se viva através das sombrias etapas do futuro; afim de renovar e reconstituir a civilização, e de salvar o mundo do suicídio.”

 

O Inferno de THE WASTE LAND, com efeito, aspira a um Purgatório. Êle não é, como supõem certos críticos, um poema de desilusão.

 

FIM

 

                  

 

 

 

to be continued


voltar à página principal