Hm

Nota Preliminar:

O livro, ora transposto para WEB e originariamente chamado “Impropriedade Privada”, teria uma bruta Introdução, com passagens de Vida e Estética pessoal e geral do autor, como pretexto de mais um relato de toda uma vida. Este perfil  denuncia o tom de lamentação de quem se encarapuçou na sacada de Vittorio Gasmann sobre não sei quem : “un gran avvenire dietro le spalle”. O vamos bater tudo de novo impõe a reiniciação de pelo menos uma esperança frustrada que tem de ser datilografada : daí a paciência pela catação de milho idealista-ideológica… e o respeito por todo cara que enfrenta o primeiro a,s,d,f,g…

            A surpresa que o leitor teria, ao terminar a Introdução sem que aparecesse mais qualquer capítulo, se deveria ao fato, como nos índices e links que vão aparecendo agora, de ficarem estes enriquecidos pela circunstância de serem jogados, na desconectude, como os papeizinhos e guardanapos de botequins com que se nota, e anota, uma idéia para depois. Explica-se assim, por exemplo, a falta de cortesia de um assunto ou, etimologicamente,  uma anedota, com relação aos seguintes, e o fato das notas de rodapé, no formato Livro, às vezes avançarem pela(s) próxima(s)página(s), tomando todo o corpo da página. Freqüentemente – ou esta era a intenção! – quando determinada nota de rodapé termina, já estamos em outro assunto, para que o “leitor”  se esqueça afinal : – onde é que estamos? sobre que falávamos? etc. etc.

            Entram muitas imagens.  Remissões à fita de vídeo que “acompanharia” o Livro serão agregadas em passagens em vídeo e a Audios. Eventualmente em um blog coligado.

            Peço que o “leitor” (até o final acho um nome pra este catador internético…) comece pela Introdução, até onde ela fique… É uma obra “in progress”, perdoe-me o grande Joyce.

            As gavetinhas podem (não sei se devem) ser abertas a qualquer tempo, a intenção é sempre se jogar algo novo nelas.

            Florivaldo Menezes.